sexta-feira, junho 30, 2006

Ah! Ah! Ah! É Demais A Falta De Rigor Dos Media

Eu queria que este post fosse uma elegia à Inspeção-Geral de Saúde, que com imparcialidade cumpriu a sua obrigação analisando rápida, mas eficientemente o processo do "falecido feto vs encerramento de blocos de partos".

Sabendo nós que os inspectores e inspectoras da IGS, são (também) funcionários públicos com as suas qualidades e defeitos, mas principalmente sofrendo com os defeitos e exigências de todos os serviços da Administração Central: trabalho, trabalho, trabalho, trabalho, sem reconhecimento, sem reconhecimento, sem reconhecimento e, acima de tudo, sem retribuição compatível.
_______________________________________

Mas a LUSA, descobriu que as grávidas podem ter "perdas hepáticas" pela vagina.

Coitadas, não lhes chega ter o seu fígado lá encurraldo no abdómen, ainda o vão perdendo pela vagina.
E já repararam se os inspectores da IGS tivesses que investigar também as "perdas hepáticas" daquela grávida, para além da perda do feto?

Eis a notícia veiculada pela LUSA:

"Maternidade/Elvas:Atendimento e transporte sem responsabilidade morte de feto-MS


Lisboa, 29 Jun (Lusa) - O ministro da Saúde afirmou hoje que as averiguações à morte de um feto no hospital de Portalegre, após a transferência da maternidade de Elvas, não atribuem responsabilidades ao atendimento na primeira unidade, nem ao transporte da grávida.

Em declarações aos jornalistas, após uma interpelação do CDS- PP no parlamento, António Correia de Campos asseverou não ser possível estabelecer "um nexo de causalidade" entre o desfecho desta gravidez e o atendimento da grávida e indicou que a morte do feto iria ocorrer independentemente das condições de atendimento.

A morte do feto ocorreu na madrugada de 13 de Junho, no hospital de Portalegre, no dia em que encerrou o bloco de partos da maternidade de Elvas (às 24:00 de 12 de Junho).

A mãe foi primeiramente atendida nesta instituição sendo depois transferida para Portalegre.

O Conselho de Administração do Hospital de Elvas explicou, na altura, que jovem, de 21 anos, tinha sido admitida nas urgências, apresentando "dores moderadas" na região abdominal, sem "perdas hepáticas" (de sangue), e que foi transferida para o Hospital Dr.José Maria Grande, de Portalegre, que faz serviço de apoio à população de Elvas para "situações não emergentes".

A rapariga deu entrada nas urgências de Portalegre, de acordo com Hospital de Elvas, com o diagnóstico de "gravidez de 24 semanas em período expulsivo, ficando internada no serviço de obstetrícia".

O hospital acrescentou que no final desse dia "verificou-se rotura prematura de membranas, tendo ocorrido a expulsão do feto".

HM.

Lusa/Fim.
"

4 comentários:

Navegador Solitário disse...

Já sigo o seu blog há uns meses e queria agradecer-lhe pelas crónicas, mas sobretudo pela desmistificação que faz da Medicina. Permita-me que nos (o dr e eu) inclua no grupo das pessoas que vê a Medicina na perspectiva do lado lá da secretária, dos dramas humanos, da impotência, da limitada capacidade de solucionar e sobretudo de ajudar todos. Percebo as pessoas que reclamam dos médicos, os jornalistas que os perseguem, os políticos que os temem, é um mundo demasiado vasto para ser compreendido. Ainda estou na fase de “aprendiz de feiticeiro”, mas já vou percebendo algumas coisas… Por favor continue a explicar.

Anónimo disse...

Quero acreditar que houve apenas um erro de digitação e em vez de "hemáticas", por descuido se trocou o "m" pelo "p" e deu hepáticas. Claro que para o jornalista deve ser tudo igual e nem terá dado conta, ignorante como é nestes termos técnicos. Portanto, um erro inocente e que não deve ser usado para rebaixar desta forma os jornalistas. Aliás, assim como o erro do Sr. Dr. que também se enganou ao escrever "e já repararam se os inspectores da IGS tivesses..." em vez de "tivessem".

Anónimo disse...

Ó sr. anónimo aí em cima:
Não me diga que não se riu nem um bocadinho!
Rebaixar? Quem?
Que susceptibilidade, credo.
Ria-se,rir faz bem e só tem ganhos hepáticos.

Anónimo disse...

ZZZZZZZZZ







































































































































































Paris H.