sexta-feira, outubro 28, 2005

Uma Resposta Irritada

Exactamente caro anónimo, todos esses parasitas que o jornal CM denuncia não são médicos, são gajos como você, licenciados em geral que da saúde e dos médicos só se aproveitam para ganhar essas verbas absurdas enquanto os médicos trabalham no duro.
A saúde está muito parasitada por não-médicos, mas vocês os anti-médicos primários vêm nos médicos tudo o que de mal há na sociedade.

Pois eu continuo agradecido àqueles médicos (que nem os conheço) que numa noite de sexta-feira fizeram durante toda a noite três by-pass e uma angioplastia, a um coração que teimava em parar de vez, assim como agradeço a uma médica que decidiu transportar na sua viatura às 9 da noite com o seu marido também médico ao volante, aquele paciente, apenas porque chamar uma ambulância do hospital privado (com nome afirmado na praça) para um hospital com cardiologia de intervenção demorava o tempo suficiente para que não fossem necessários by-pass mas apenas um funeral.
Esses são os heróis de que fala O Vilacondense e de que não fala o Correio da Manhã nem a comunicação social portuguesa...

Estou numa sessão científia, (este paguei-o!), mas todos os oradores se referiram (sem o assunto estar ligado à comunicação social) aos malefícios dos media em pequenos "apartes" durante as suas intervenções.

Como disse um prelector, para a comunicação social, "uma má notícia, é sempre uma boa notícia, e uma boa notícia, nem notícia é..."

terça-feira, outubro 25, 2005

Conceição Lino E A Ignorância

Tão mal preparadinha que a CL está para debater a gripe das aves!

sábado, outubro 22, 2005

Benditas Horas Extraordinárias...

... que pagaram a quem (médicos, enfermeiros e auxiliares) durante a noite, enquanto outros se preparavam para mais um lúdico fim-de-semana, abdicou para estar de plantão.
A quem teve este coração entre mãos.



Não este que é um coração saudável.






Mas este entupido por anos de tabaco




E que fizeram isto durante a noite.










Mas a situação permanece muito complicada!

Terminou.

Inicia-se

Bloco Preparado

A dor continua desaparecida.

A Medicina parece estar a derrotar o destino.

A Philip Morris USA vai perder esta batalha.

Aguardo.

A Equipe Reune-se E Decide: É Já A Seguir

Consentimento informado.

Agora a cirurgia é a sério.
O coração vai estar nas mãos de alguém.
A equipa prepara-se.
O chefe tem a última palavra.

O Enfarte Está Ali

O cateterismo confirma:
- situação vascular muito mais grave que a clínica.
- enfarte do miocárdio provocado pela oclusão de uma coronária, que é desobstruída.
- mais duas importantes que necessitam de tratamento cirúrgico.

A dor finalmente desapareceu.

É necessário iniciarem-se os procedimentos urgentes para a cirurgia revascularizadora por by-pass.

Entra No Bloco

Os terminais móveis permitem uma troca de palavras à entrada para o bloco.
Maldita dor.
A dor continua a apertar.

Dá Entrada No Hospital

A equipa de cardiologia de intervenção está 24 horas de serviço.

Decidido: cateterismo

Transferência imediata para o Hospital B do Serviço Nacional de Saúde para intervir.

Médicos Têm Que Decidir Rapidamente

A sintomatologia não corresponde aos resultados das análises.
É preciso agir!
É uma vida que está ali!
É preciso decidir!
A família descansa. Não há respostas concretas. Os exames estão bons.
A massa cinzenta dos médicos trabalha.
Os médicos são desconfiados por natureza.
Há só um factor de risco: tabagismo.

A dor continua.

sexta-feira, outubro 21, 2005

Fica Em Observação

Na Unidade de Cuidados Intensivos. A dor mantem-se a apertar.
Sou avisado.

Dá Entrada no Hospital A Privado

Enzimologia negativa. Electrocardiograma duvidoso. A dor forte mantem-se.

A Dor Forte No Peito Continua

Telefona ao médico

Vai à Farmácia

tentar aviar analgésicos....

A Dor Começou

Estava a fazer um esforço inabitual.
Sentiu uma forte dor no peito.

quinta-feira, outubro 20, 2005

A Gripe Louca Das Aves

A pandemia de uma infecção com origem no virus H5N1 é uma situação com um grau de previsibilidade alto. Ponto assente.

Mas...

No Google pesquisando páginas portuguesas com a frase "Gripe das Aves" encontramos 106 000 entradas.

Pesquisando "prevenção cardiovascular" encontramos apenas 206 páginas.

Esclarecedor!

quarta-feira, outubro 19, 2005

A Iliteracia Leva A Coisas Destas

"eBay proíbe venda de Tamiflu em leilão
O site de leilões na Internet eBay retirou de venda o medicamento antiviral Tamiflu, tido como eficaz no caso de pandemia de gripe humana com origem na gripe das aves, depois de os preços terem chegado aos 144 euros - numa altura em que aumenta o medo em torno da expansão da doença.
Um porta-voz do eBay disse que o leilão tinha sido interrompido porque a venda de medicamentos sujeitos a receita médica não é permitida no site, de acordo com as regras da empresa, refere a Reuters.
A venda de Tamiflu na Internet tem aumentado, especialmente depois da confirmação de casos de gripe das aves na Turquia, na Roménia e na Grécia. As licitações para um único ciclo de tratamento (que inclui dez cápsulas) atingiram as 151 euros na terça-feira, antes de o leilão ter sido interrompido."

O Tamiflu ® (oseltamivir) apenas diminui a replicação viral, encurtando a doença e diminuindo, eventualmente, a sua virulência.
Não é como um antibiótico que mata as bactérias.
E a Roche julgo que não tem acções...

Anda Tudo Doido Com A Gripe Das Aves

Sem necessidade.
Todos querem comprar medicamentos.

A Roche, com a ajuda da comunicação social, é uma verdadeira vencedora deste jogo.

E não há medicamentos específicos para o próximo futuro virus influenza.

O melhor será sempre a prevenção.

segunda-feira, outubro 17, 2005

Para Reflectir

"Promotion of disease and corrosion of medicine

Iona Heath, MA, BCHIR, MRCP, FRCGP

Three intertwined and mutually reinforcing trends—the medicalization of life, the industrialization of health care, and the politicization of medicine—are actively promoting disease and fear of disease, while at the same time corroding the theory and practice of medicine. The discipline of general practice is well positioned to resist these trends and secure a better future."


O artigo inteiro aqui.

sábado, outubro 15, 2005

Brejeirice, Para Aumentar As Audiências* I

Do blogue Autárquicas em Cartazes: Eis Carolina Amélia.



Segundo um comentário esta jovem candidata é presidente da Junta de Freguesia há 17 anos.

Segundo o STAPE voltou a ganhar com maioria absoluta! (58,20%).

É obra da natureza!
"Debaixo dos vossos tectos estará sempre o meu afecto"






* Parafraseando o FJV no blogue Origem das Espécies.

É Uma Família Portuguesa


Comentários para quê?

"Maria José e Manuel (na imagem, sentado), pais de Rui Gonçalves, já não estão casados, mas mantêm-se unidos pela dor da perda do filho. A eles junta-se José Sim Sim, actual marido de Maria José, também inconformado com o resultado do processo" (legenda do Correio da Manhã)

Dizem os jornalistas:

Sei que não me podem devolver o meu filho, mas pelo menos que se faça justiça.” A Procuradoria da Justiça, não é Justiça?

"O olhar volta a cair sobre as 13 páginas do despacho de arquivamento, onde relê, pela enésima vez, os dados referentes à morte do filho."

Não acredito que esta senhora tenha lido as 13 páginas, nem uma vez, quanto mais, pela enésima vez!

sexta-feira, outubro 14, 2005

Ser Médico É Fodido ...

Como te compreendo Besugo.

E a Lolita não consegue compreender-nos, nem ao nosso mundo.

Recebo esse abraço e retribuo com outro.

E aconselho a leitura imediata desta "lucubração" do besugo no blogame mucho.

Nota: se fui brejeiro mais abaixo, neste sou cavernáculo, conscientemente.
Há dias assim...

A Mensagem Escondida E A Brejeirice Assumida

Não é "uma estupidez formidável" [os comentários ao post anterior] como diz o senhor dr Boldão.

Será que o senhor não conseguiu atingir a profundidade da mensagem?
Quer que lhe explique?

À parte a brejeirice, como referiu a T., acertadamente.

(Mas o toque brejeiro, foi só para descontrair.
Nunca numa consulta proporia qualquer coisa semelhante.
Ás vezes são as doentes que nos telefonam. O nome do médico está na vinheta e é fácil a identificação. E vai daí ...)

Vai emigrar para post.)

terça-feira, outubro 11, 2005

Óbcesso

Ainda antes de me falar do óbcesso nos dentes, teve tempo para dizer (sem ninguém perguntar!) que era licenciada (não digo onde, para não iniciar outra guerra) e que ia agora "tirar o mestrado".

E se eu lhe pedisse para escrever, como seria?

Óbsséçu? Talvez...

Os doentes eram muitos e não havia tempo, mas diverti-me... e também era gira.
Sim, era gira.

Se não fosse o óbcesso até a poderia convidar para jantar...

segunda-feira, outubro 10, 2005

Censura?

Três médicos condenados por negligência.
Erraram ou foram negligentes?
Não compreendi a notícia de nenhum jornal.
Mas no meu entender foram bem condenados, porque provocaram danos físicos desnecessários.

Mas compreendi, que um jornal disse mais qualquer coisinha que os outros. Foi um jornal regional. Depois de descrever os factos, transcreveu parte da sentença, afirmando:

"Na leitura da sentença, o juiz sublinhou que nunca esteve em causa o estabelecimento de um nexo de causalidade entre a terapêutica a que a doente foi sujeita e a sua morte - razão pela qual os clínicos não foram acusados de homicídio -e considerou importante que haja uma “mudança de atitudes” nos doentes e nos médicos. Sugeriu mesmo a criação de um seguro que possa cobrir erros clínicos não muito graves para evitar a “política de secretismo” na classe médica, por um lado, e, por outro, que os doentes pensem de “quando qualquer coisa corre mal a culpa é sempre do médico”.

O Diário de Notícias, preferiu omitir a parte que diz respeito aos doentes e apenas escreveu:

"O juiz considerou ser necessária uma mudança de atitude por parte dos médicos em geral, pois "em nenhuma actividade da vida se está ausente de crítica e ausente de erro". "Se houvesse um seguro, os médicos sentir-se-iam mais protegidos por falhas menores e não haveria tanto secretismo em meio hospitalar. Temos aqui médicos de prestígio e não é por errarem que vão deixar de ter prestígio", disse."

O Público (o chamado jornal de referência!) censurou pura e simplesmente todas estas passagens!

O Correio da Manhã mete os pés pelas mãos e publica apenas as afirmações negativas do juíz.

O Jornal de Notícias, de 07/10/05 seguiu os passos do Público: nada, rien, niente, nothing about the judge!


O jornal regional é "As Beiras" e a jornalista Tânia Moita

sexta-feira, outubro 07, 2005

A Voz Dos Enfermeiros

"Também poderemos catalogar os médicos em duas classes genéricas, das quais podem derivar n sub-classes não tão extremas.
1º Aqueles que sabem muito sobre a sua especialidade, mas que ignoram todas as outras, incluindo noções básicas de psicologia e trabalho em equipa. São profissionais altamente especializados, que encontram as soluções exclusivamente em resultados analíticos e outros exames, ignorando na maioria das vezes os comentários dos profissionais que passam 24 horas com os doentes e, ainda mais grave, ignorando as tentativas de comunicação por parte do doente, a quem não reconhecem nem o direito a ter opinião.
Para estes, a equipa de saúde é o médico. todos os outros existem para desempenhar tarefas, incluindo o próprio doente.
2º Aqueles que têm um espírito mais aberto, profundos conhecedores da sua área mas que entendem o indivíduo como sendo muito mais abrangente e complexo que a simples soma de órgãos que se podem avariar e arranjar. Estes reconhecem o valor do seu lugar, no seio de uma equipa multidisciplinar onde os outros profissionais têm uma palavra a dar e onde o doente é a primeira fonte de informação.

# posted by alguem que conhece a saúde por dentro
"

"Enquanto enfermeiro, licenciado e não há muitos anos, lamento que de facto hajam tantos profissionais de enfermagem incultos e sem capacidade de saber estar numa equipa multi-disciplinar (da qual não fazem parte só o médico e o enfermeiro). Porém, lamento muito mais que os hajam aqueles que não sabem estar na sua própria profissão e que desconhecem a sua ciência e a sua deontologia por completo. A Enfermagem não contempla fazer diagnósticos médicos ou prescrever fármacos. Contempla, isso sim, fazer diagnósticos de Enfermagem (ex. Risco de Infecção por Catéter) e prescrever Intervenções de Enfermagem (ex. Vigiar sinais de Infecção no local do Catéter). Enquanto colega de enfermeiros de várias gerações, considero que poucos sabem o que podem/devem fazer e que ainda menos reconhecem o seu potencial terapêutico, que é vasto.
Para concluir, um pedido: Não tenham pena dos enfermeiros, não os defendam como se de uns coitados se tratassem. Existem instituições próprias para isso.
Cumprimentos ao MEMAI e desculpem a extensão do texto.

# posted by Rui
"

quarta-feira, outubro 05, 2005

Há Anos Que Lhe Dizia

- Olha que o colesterol mesmo com valores quase normais pode obstruir as artérias!

- Olha que o teu passado de abuso do álcool, requer actualmente mais cuidado !

- Olha que o excesso de tabaco, mais o álcool e o colesterol, podem ser prejudiciais!

- Há dias, entre duas cervejas diz-me: "Ontem senti uma forte dor no peito, como nunca tinha sentido!"

- Não há discussão. Amanhã uma prova de esforço, já!

- Prova feita. Conclusão: positiva para isquémia coronária grave!

- Não há discussão. Amanhã cateterismo, já!

- Cateterismo efectuado. Confirmação óbvia: duas coronárias com obstrução acima dos 90%!

- Não há discussão, amanhã angioplastia, já!

- Oito dias depois, novamente entre duas cervejas, já com dois stents colocados e com a "canalização" desobstruída, conversámos sobre aquilo que hoje se faz em 8 dias e há bem pouco tempo demorava meses, pressupunha internamentos prolongados, intervenções delicadas: a isto chama-se Cardiologia de Intervenção. A isto chama-se evolução da Ciência.

- Acredito na Ciência e na Medicina e principalmente na massa cinzenta dos humanos. Por mais que os media difundam conceitos medievais da medicina.

Sim, cara Mónica, são horas absurdas aquelas que perco a ler e ouvir em horários nobres coisas absurdas sobre médicos, medicina e uma coisa normalíssima nos humanos: errar.

Quem nos faz deuses, são pessoas como você que querem fazer crer ao povo que um médico não pode errar, porque é médico. Só por isso.
Querem fazer crer que os médicos não são pessoas comuns e vulgares, que não erram, que não fazem falcatruas de colarinho branco ou preto, que não têm problemas económicos, que não têm prestações a pagar, que são assexuados e parafraseando o besugo, que não têm, até, tesão. Conheço médicos bem entesoados, outros sem, alcoólicos e abstémios, que bebem as cervejas e fumam os charutos do FJV e outros fundamentalistas em tudo. Conheço anarcas e fascistas. Que se irritam quando o seu clube perde, hooligans e santinhos. Crentes e descrentes.
Vernaculamente, uns são filhos da puta, outros uns gajos porreiros.

Eu ando por aí, perdido.

Há médicos como você: Chatos! Irritantes! Superiores! Mas com qualidade. Outros não.

Nota: e parabéns aos laureados com o prémio Nobel da Medicina, talvez um reconhecimento com uns anos de atraso.

terça-feira, outubro 04, 2005

Como Já Esperava ... (E Não Esquecer a Rupatadina!)

... o sr dr Raúl Boldão, físico teórico, não conseguiu explicar cientificamente (porque como físico deve basear toda a sua actividade na Ciência) qual o motivo pelo qual um enfermeiro, com o seu conteúdo funcional e formação própria, deve ter preferência na partilha do "poder" com um médico, também este com o seu perfil próprio e formação específica.
Limitou-se a plasmar o que habitualmente lê nos jornais e ainda por cima, mal.

Mas paciência.

Este blogue de facto existe para tentar elucidar indivíduos como o senhor, licenciados, intelectuais, que queiram elucidar-se sobre alguns aspectos da ciência médica. Agora, sr dr Boldão, o senhor está a anos-luz da realidade do seu país.

Quanto aos enfermeiros, divido-os em três categorias académico-sociais:

1) enfermeiros com o ensino básico até ao antigo 5º ano: são enfermeiros que foram aprendendo toda a sua prática com médicos aos quais se ligaram por laços profissionais e afectiovs. São boas pessoas, sociáveis, limitados na ciência e com bastantes dificuldades na língua portuguesa. Assumem a sua profissão apenas na vertente técnica.

2) enfermeiros com o 12º anos de escolaridade: são enfermeiros que após uns anos de aprendizagem nas antigas Escolas de Enfermagem atingiram o grau académico de bacharel. Foi uma aquisição de conhecimentos fundamentalmente teórico, com pouca prática. São os enfermeiros que mais questionam os médicos. Frustrados por eles próprios se sentirem secundários no sistema. A sua maior felicidade é, empiricamente, "acertar diagnósticos", prescrever como os médicos. Geralmente são infelizes, não assumem a essência da sua profissão, pouco sociáveis com os restantes membros das equipas das instituições, vivem em grupos fechados, menos limitados na compreensão da ciência médica e ainda com algumas dificuldades na língua portuguesa. Utilizam a sua profissão como promoção e reconhecimento social, que na realidade a profissão de enfermagem tem.

3) enfermeiros com o grau académico de licenciatura: (não confundir com enfermeiros com cursos posteriores de complemento) são enfermeiros licenciados, alguns possuem mais do que um curso superior (psicologia, sociologia, gestão, economia, assistentes sociais, etc). Diferem do grupo anterior por serem mais cultos, sociáveis, assumem a diferença entre médicos e enfermeiros,não vivem com a obcessão de diagnosticar ou medicar. Assumem a sua formação científica com abrangência suficiente e diversificada para não se restringirem ao mero "acto médico". Ser enfermeiro para estes jovens é, para além de actividades técnicas e de cabeceira, utilizar os conhecimentos adquiridos para gerir, promover, divulgar, organizar, trabalhando em equipa multidisciplinar com autonomia reconhecida pelos outro elementos e não imposta administrativamente.

Nota: há obviamente excepções a estas definições.

Fico Tonto Com Tantos Comentários!

"... Era bom, descentralizar o poder médico e dividi-lo com os enfermeiros por exemplo, esses sim, competentes e cumpridores, pelo que vejo nos hospitais. São uma classe muita experiente, com conhecimentos, humanos, inteligente e não consumem (?) dinheiro inútil ao SNS. A ex-ministra da saúde Leonor Beleza, bem sabia o valor dos enfermeiros, mas os médicos rapidamente trataram de a correr do ministério! Mas também não digo que seja todos bonzinhos, mas ao menos valem o dinheiro que levam... deviam levar muito mais!!! "

Gostava que o sr Raúl R Boldão [anonymous-comment@blogger.com] me explicasse cientificamente este comentário.

P.S. Não quero iniciar qualque guerra com os enfermeiros, pelos quais tenho elevada estima, especialmente pelos licenciados, pois trazem uma visão da enfermagem diferente e que foge à antagónica dicotomia médico-enfermeiro.