segunda-feira, março 24, 2008

Apenas Uma Faceta Da Medicina Defensiva.

Óbitos: Causas de quase 13 mil ficaram por esclarecer, in Diário Digital.

"Quase 13 mil pessoas morreram, em 2005, em Portugal, sem que os médicos
conseguissem determinar a causa da sua morte, tendo-se apenas em metade dos
casos procurado esclarecer os motivos que levaram aos óbitos, através de
autópsias, noticia hoje o Público."

Eu, médico, me confesso autor de muitas certidões de óbito onde escrevo: morte de causa desconhecida.

Por vezes temos quase a certeza da causa de morte, mas não vá algum familiar ou advogado tecê-las e dizer: Ah se morreu por isto poderia ter sido salvo se e se e se e se e se, portanto foi negligência.

Assim, com esta causa, caso o tribunal decida faz-se uma autópsia que é um dos exames mais específicos para determinar a verdadeira causa de morte....

8 comentários:

naoseiquenome usar disse...

Òh Sr. Dr. :) então se o médico segur o doente e lhe conhece as patologias, não será maior sinal de "negligência" o escrever "causa desconhecida"? ... Só obriga, por um lado, a perdas de tempo e de recursos para averiguação da causa de morte, e, po outro, a estatísticas destas nada abonatórias.

Anónimo disse...

Oh Srª Drª, se o médico segue o doente de um carcinoma do estômago e ele vai definhando, não terá dúvidas de que a causa de morte foi o carcinoma do estômago, embora a morte em si, se deva a paragem cardíaca. E se ele tem uma cardiopatia isquémica e morre de repente? Que coloco? Enfarte do miocárdio? E se não foi? E se foi um aneurisma da aorta ou cerebral? E se foi envenenado pela prima? E se ele tem 95 anos e morre a dormir? Que ponho? paragem cardíaca? Isso não serve de diagnóstico. Por vezes ponho senilidade. Chegou ao fim. Pronto. E se não foi? Se morreu de enfarte ou de um AVC? Só mesmo na autópsia é que se saberá ao certo. Só e só. E quanto mais andarem em cima de nós, masi mortes de causa indeterminada vão aparecer, para o Ministério Público decida o que quer fazer: autopsiar ou não.

naoseiquenome usar disse...

:)
Pois.
De paragem cardíaca parece que morremos mesmo, mesmo todos.
Bom, mas mesmo que não (se) queira assumir um diagnóstico, ao menos que se elenquem (todos) os antecedentes conhecidos, pode ser?

Anónimo disse...

Nâo!Nem todos morrem de paragem cardiaca,mister Dick Cheney vem de o dire na TV ,depois de uma volta no Médio-Oriente.O entrevistador da TV onde foi entrevistado disse-lhe que 4000 Estado-Unidences jà tinham morrido:a sua resposta foi estâo là porque quérem;mas é verdade o dinheiro do prémio os atirou.Deixem de fumar e de bebêr como uns bichos ,ou nâo se lembra do médico na Grande-Bretanha que nâo operava enquanto nâo deixà-se de fumar.Levaram o médico a tribunal,e perdêram basta de dizer aos (putos)para nâo frequentarem lugares nâo feitos para êles!Compreendeste ou quéres que te explique!

Anónimo disse...

De qualquér maneira o padre Espanhol diz que cristo morreu com muito sofrimento.O ya isso foi em relaçâo à senhora que se suicidou em França,ele mais a sua gang de mangeures de Mdr.Tem o médico assim que tem uma dor de cabêza.O papa Joâo nâo sei quantos,teve à sua volta uma gang de médicos,ele nâo falou.

Anónimo disse...

Pois é senhor doutor,esta ficou e caiu mesmo mal depois de tanta MERDA que o senhor ja cheirou,esta merda cheira pior.Tem algum contrato com o vilas ou passará ao lado(ou dentro) do tribunal ??
É que esta está escrita...

Anónimo disse...

Caro Anónimo:
O Tribunal até agradece que quando não se sabe ao certo a causa se coloque morte desconhecida ou de causas indeterminadas, pois ninguém que tenha causado uma morte não natural ficará impune. E o ser humano é imprevisível, como se pode ver por este seu comentário estranho e indecifrável.

Medico Explica disse...

"Vilas"...? "Tribunal"...? "Está escrita"... ? Mas que coisas tão esquisitas...Estará o caro Anónimo a querer chegar a algum lado? Homem ou mulher que seja, desembuche por quem sois!
Cá para mim o escrever no certificado de óbito morte de causa desconhecida quando não se seguiu o doente ou quando não há conhecimento fidedigno do seu historial clínico no pasado recente é uma postura de honestidade intelectual e tecnica. Doa a quem doer...e muitas vezes doendo por exº aos agentes funerários...
EL TRIPERO