domingo, março 09, 2008

Não Posso Mais!

Eu não queria desistir, mas por aquilo que vou lendo a motivação vai-se reduzindo.

Vejam o que nos diz o senhor comandante dos bombeiros e que a senhora jornalista Natália Ferraz, do Correio da Manhã de hoje, transcreve sem qualquer visão crítica: (sublinhado meu)

"... disse ao CM Amaro Lopes, comandante da corporação de Benavente.
“Os bombeiros seguiram o protocolo e, ao depararem-se com uma paragem cardiorrespiratória solicitaram apoio diferenciado, nomeadamente uma VMER do INEM”, revelou ao CM o porta-voz do instituto, Pedro Coelho dos Santos. E esclarece: “A VMER foi pedida às 17h15 e chegou às 17h30.”
Segundo o CM apurou, a vítima alegadamente ainda teria pulso quando os bombeiros que o foram socorrer começaram a tentar contactar o CODU."

Se tinha pulso, não poderia estar em paragem cardio-respiratória... se estava iniciavam a reanimação até à chegada da VMER, demorasse o tempo que demorasse...

 

A notícia completa:

Benavente: Idoso morreu de paragem cardiorrespiratória
Problema de linhas atrasou socorro

Natália Ferraz
clip_image001
Foi nesta casa de Coutada Velha, em Benavente, que o septuagenário viveu nos últimos 12 anos

O CM apurou que na tarde de quinta-feira os Bombeiros de Benavente tiveram dificuldades em entrar em contacto com o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU), com sede em Lisboa, sendo necessárias oito tentativas (e mais de 12 minutos) para alguém atender e enviar socorro para a zona industrial de Vale Tripeiro, onde o septuagenário António Manuel Martins faleceu vítima de paragem cardiorrespiratória.

Em causa estará uma alegada mudança de sistema de linhas do CODU, o que dificulta o atendimento das emergências. Terá sido essa a razão do alegado atraso do INEM no envio de uma viatura médica de emergência e reanimação (VMER).
Eram quase 17h00 de quinta-feira quando o septuagenário se sentiu mal na sua carrinha Renault Express. Foram os populares que deram o alerta. “Os bombeiros receberam o alerta pelas 16h56 e levaram dois a três minutos a chegar”, disse ao CM Amaro Lopes, comandante da corporação de Benavente.
“Os bombeiros seguiram o protocolo e, ao depararem-se com uma paragem cardiorrespiratória solicitaram apoio diferenciado, nomeadamente uma VMER do INEM”, revelou ao CM o porta-voz do instituto, Pedro Coelho dos Santos. E esclarece: “A VMER foi pedida às 17h15 e chegou às 17h30.”
Segundo o CM apurou, a vítima alegadamente ainda teria pulso quando os bombeiros que o foram socorrer começaram a tentar contactar o CODU.
“Estamos à espera das conclusões do relatório. Existem rumores de alegados atrasos ou falhas na comunicação, mas sem o documento não nos podemos pronunciar”, explicou ao CM o comandante Joaquim Chambel, do Comando Distrital das Operações de Socorro (CDOS) de Santarém.
A vítima – que vivia no local da Coutada Velha, nos arredores de Benavente – faleceu três dias depois de ter sido assistida de emergência no Hospital de Vila Franca de Xira.
HOSPITALIZADO TRÊS DIAS ANTES
“Na segunda-feira à tarde, pelas 17h00, uma ambulância dos bombeiros de Benavente transportou-o de casa ao hospital. Estava a sentir--se mal e tinha vomitado. Saiu pelo seu pé pelas 02h00”, disse ao CM uma fonte ligada ao processo.
ERA UM HOMEM DE POUCAS PALAVRAS
António Manuel Martins mudou-se da aldeia da Barrosa para Coutada Velha, ambos em Benavente há 12 anos. “Há uns anos que ele frequentava o café, geralmente sentava-se a ler o jornal e trajava sempre um chapéu e óculos de sol, mas era um homem de poucas palavras”, disse ao CM António Manuel Castanheira, funcionário nas bombas contíguas ao café na zona industrial de Vale do Tripeiro.
Também no snack-bar Miclas, no Local da Coutada Velha, os populares revelam que a vítima não era muito sociável: “Costumava andar com uma máquina fotográfica e sempre de chapéu e óculos. Até lhe demos a alcunha de fotógrafo, mas não conversava muito.”
Era reformado e, segundo os populares, “esteve no Ultramar e depois envolvido noutras guerras”. “Recebia uma reforma como ex-combatente”, acrescentam.
Já Carlos Durães, seu senhorio, remata: “A profissão dele era a fotografia, para mim era um fotógrafo. A filha e o genro visitavam-no com regularidade.”
ERRO ASSUMIDO EM SAMORA CORREIA
Um cirurgião morreu na noite de 27 de Fevereiro em Samora Correia, também no concelho de Benavente, esvaído em sangue, devido a uma hemorragia. Não sobreviveu à demora do socorro, superior a 45 minutos, voltando a pôr em causa a eficácia de resposta do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM). O possível erro partiu do operador do Centro de Orientação de Doentes Urgentes do INEM, que chamou ao local do pedido de socorro uma ambulância de Almeirim, a cerca de 57 quilómetros, ignorando os bombeiros de Samora Correia, cujo quartel dista 400 metros da casa de onde partiu a chamada. Mais perto ficam corporações de Benavente, Vila Franca de Xira ou Salvaterra de Magos. Os vizinhos de Jorge Bento só conseguiram alertar os bombeiros de Samora Correia às 00h10. O cirurgião do Hospital de Vila Franca de Xira estava em recuperação de uma cirurgia em que lhe foram removidos tumores na língua e traqueia. A sua mulher, Verónica Bento, ignora a causa da hemorragia fatal.
APONTAMENTOS
DISTÂNCIA
Em situações de trânsito regular, uma VMER de Vila Franca de Xira levará cerca de dez minutos até ao local onde a vítima se sentiu mal, uma vez que a distância não chega aos 20 quilómetros.
FILHOS
António Manuel Martins tinha uma filha que reside em Alcácer do Sal e um filho que vive em África. Os familiares deverão recolher os pertences da vítima durante o dia de hoje.
SEM MÉDICO
O septuagenário não tinha médico de família atribuído. Após ter estado nas Urgências de Vila Franca de Xira, três dias antes de morrer, iria esta semana pedir médico de família.
EXAMES
Nas Urgências de Vila Franca de Xira a vítima terá feito análises e um electrocardiograma. No dia seguinte queixou-se de dores de estômago.

12 comentários:

Anónimo disse...

para além de outras conclusões que se possam retirar, a minha é a seguinte:
as "mudanças" que se pretendem impor ao povo, não estão a conseguir atingir os respectivos objectivos.... e á custa disto lá vão morrendo mais pessoas ainda....
Será preciso relembrar os nossos governantes aquilo que se ensina aos mais pequenos...."Não se brinca com coisas sérias"...

utente disse...

Qual é o valor de uma vida humana para um médico?
Qual o valor da vida humana para um politico?

QUAL SERÀ O VALOR DA VIDA INDEPENDENTEMENTE DE "POLITIQUICES"?

Medico Explica disse...

O que aqui se pretende transmitir transmitir é a anedota: paragem cardio-respiratória, mas com pulso radial. Quanto morte, acredite cara utente, que nenhuma morte nos deixa indiferentes. E por mais que o queremos demonstrar.

o próprio disse...

Dentro dos (básicos) conhecimentos que tenho, uma paragem cárdio-respiratória é a isenção total de sinais vitais, desde pulso(radial, carotídeo)a sinais de ventilação. A falta de ventilação não impossibilita que haja pulso mas a falta de pulso implica a que a vitima não ventile, logo se tem pulso não está em paragem (podendo estar sim em paragem ventilatória), mas se está em paragem cárdio-respiratória não tem pulso carotideo quanto mais radial (sendo que o radial é o primeiro a desaparecer deixando apenas o carotideo na iminência de uma paragem) estou certo ou estou errado Sr. Doutor?
Aqui o que existe é a necessidade de todos se descartarem de culpas e sacudirem a água do capote.

Medico Explica disse...

Certíssimo, Caro Próprio. O meu post foi só para tentar que compreendam a distância do conhecimento que vai entre um comandante dos bombeiros e o INEM, embora todos queriam ser donos da assistência pré-hospitalar.

o próprio disse...

Concordo consigo. Existe um conflito de interesses muito grande nesta área, com as duas entidades a quererem ostentar o exclusivo do socorro pré-hospitalar, o que leva a uma má prestação do mesmo o que por vezes tem resultados menos agradáveis.
Sou da opinião que todos devem conhecer o seu lugar e que com boa cordenação dos meios existentes todos saiam a ganhar.
Isso e umas aulas de modéstia e socorrismo aos Sr. Comandantes que as vezes não pensam com a cabeça, mas sim com prepotência e arrogância do poder que detêm.

P.S.: Gosto de me manter em constante aprendizagem

Anónimo disse...

boa noite!
em primeiro lugar, devo dizer que sou bombeiro e medico.
Bombeiros de Benavente... esquecam. é um caso perdido. ha muitas corporacoes que trabalham a 100/100, mas outras ha, tal como esta, que nem a 10/100. ha que saber diferenciar, e nao generalizar os maus exemplos. fico triste que so venha a publico o lado negativo dos bombeiros... em muitos sitios, o parente pobre é o inem, nao os bombeiros...
é uma realidade muito heretogenea, dai o problema dos bombeiros... mas o memso tb acontece no inem.
ha que redefinir tudo, pq a solucao nao esta em colocar uma siv aqui, outra ali. E para uma segunda resposta quando a ambulancia do inem da terra x está ocupada? vao os bombeiros sem meios e sem formacao que todos apregoam? entao o problema continua...
ja foram a franca? como funciona? ja trabalhei la nas duas vertentes. SAMU e Sapeurs Pompiers. Funciona bem porque ambos tem igual formacao... e entendem-se!
O futuro aqui passa pela formacao de base e dos tecnicos.

Ainda assim, digo-vos que os bombeiros "tapam" muitos buracos que o inem faz... triagens mal feitas, envio de mios para locais completamente trocados, etc... muitas vezes, esses erros sao detectados logo na recepcao do servico, e evitam-se mortes...
Nao se deve desperdicar a estrututa dos bombeiros. A solucao esta na especializacao e formacao... e nao é preciso licenciaturas nem enfermeiros nem nada que o valha numa ambulancia. Basta formacao. boa!

Anónimo disse...

claro que simmmm.... e agora, subitamente, meia duzia de indiferenciados lembraram-se que podiam contornar o ensino superior e com meia duzia de horitas de formação fazer aquilo que até agora se reserva a médicos e enfermeiros. Assim realmente vai o nosso país ! Jovem, não concluas o 12º ano nem tão pouco concorras ao ensino superior. Queres ser Médico ? Enfermeiro ? Então não estudes 6 ou 4 anos...nem estágios ou prática hospitalar.... junta-te ao bombeiral e em 300 horas poderás fazer tudo o que eles fazem! Com a vantagem da total impunidade porque se der m.... tens sempre a desculpa que és voluntário e que te falta formação. Ou melhor ainda....culpas o INEM e ainda sais como heroi. E nas horas vagas ainda podes apagar (ou fazer) uns foguitos, levar a famelga a passear de helicoptero ou então emitir uns flatos mentais em alguns blogs na net. Bombeiral ao poder... despeçam-se profissionais e saúde. Viva a selecção natural !

Teixeira da Mota

Clint disse...

Haverá corporações e corporações, sendo por isso perigoso fazer generalizações, mas é óbvio o mal estar que o INEM, através das "famigeradas" VMER causam às corporações de Bombeiros.

Concordo com o acima Bombeiro/Médico: o INEM e Bombeiros devem cooperar. Há um know out nos Bombeiros sobre o "terreno" que pisam que pode salvar vidas e que o INEM não tem, do mesmo modo que a capacidade do INEM em casos de urgência ultrapassa largamente a dos Bombeiros.

O problema é que, em muitos casos, os Bombeiros se sentem ameaçados pelo INEM pela perda de intervenção (e eventualmente da fonte de receita daí resultantes) e por isso não lhes facilitam a vida.

Em muitos casos, as direcções das Associações de Bombeiros Voluntários tornaram-se braço político das edilidades locais pela sua capacidade de chegar às populações e dessa infeliz politização da sua intervenção se perdeu o seu verdadeiro sentido de missão.

Consultem os sites das diferentes corporações e vejam o destaque que umas e outras dão à sua MISSÃO... dá para perceber diferentes realidades.

Um abraço meu caro médico... continue a explicar Medicina a Intelectuais: A ESPERANÇA NÃO DESESPERA

Medico Explica disse...

Concordo com o teor destas últimas mensagens. A emergência em França e até em Espanha funciona bem. Têm técnicos paramédicos, não médicos e não enfermeiros, com formação específica para as técnicas para salvar vidas. E é tão simples. O INEM e os bombeiros-saúde têm que se transformar numa única instituição.

Magistral Estratega disse...

Desde quando a Espanha tem pré-hospitalar sem enfermeiros ???

Medico Explica disse...

O que se quer dizer é quem têm para além de médicos e enfermeiros, muitos técnicos paramédicos que fazem uma cobertura muito maior do território.