quarta-feira, agosto 27, 2008

18 hospitais isentaram ilegalmente funcionários e familiares de taxas moderadoras


Dezoito de 74 hospitais do Serviço Nacional de Saúde isentaram ilegalmente os seus funcionários ou respectivos familiares de taxas moderadoras, indica o relatório de actividades de 2007 da Inspecção-Geral das Actividades em Saúde (IGAS)


"No documento, hoje divulgado, é referido que foram identificadas as situações e os responsáveis, tendo terminado a totalidade dos casos ilegais.
A IGAS também indica que cerca de metade dos 21 centros de saúde visitados não tem registos ou monitoriza dados dos programas nacionais da Diabetes e de Prevenção e Controlo das Doenças Cardiovasculares, o que inviabiliza conclusões acerca das metas definidas.
Alguns centros de saúde não têm equipamento informático adequado e nem todos os gabinetes médicos têm acesso a sistemas de informação.
Foi, assim, registado um «problema de organização e de falta de uma cultura de responsabilização ou de avaliação de desempenho» e uma «má articulação dos centros de saúde com os hospitais de referência», que também inviabiliza a «existência de informação clínica atempada e actualizada sobre os utentes».
O relatório indica que em 71 por cento dos centros de saúde observados não existia uma consulta organizada do pé diabético e não dispunham de registos actualizados e fidedignos de utentes referenciados ou chamados para consulta de retinopatia diabética.
Metade das unidades não conseguiu contabilizar o número de hipertensos identificados entre 2004 e 2006 em função do sexo e idade, e 71 por cento também não souberam indicar o número de pré-obesos e obesos assistidos nos primeiros seis meses de 2006.


Quanto ao tratamento da dependência do tabaco, a maioria não tinha registos do número de consumidores e não monitorizou os fumadores referenciados para uma consulta especializada.
Acerca de planos para fazer face a incêndios ou catástrofes, o relatório refere que, em 96 hospitais do SNS, apenas 53 têm Plano de Prevenção e Combate a Incêndio.
Aprovados pelo Serviço Nacional de Bombeiros (actual Autoridade Nacional de Protecção Civil) estavam apenas 14 destes planos, enquanto 39 hospitais não os tinham aprovado ou nem dispunham deles. As restantes 43 instituições não indicaram se houve a aprovação legalmente requerida.
Três hospitais referem ter sido vistoriados pelos bombeiros e nove efectuaram simulacros de emergência interna contra incêndios.
Para fazer face a situações de catástrofe externa, o número decresce para 41 quanto a hospitais que elaboraram um Plano de Prevenção e Emergência.
Dezoito referem ter representação nas respectivas comissões municipais de emergência e 15 garantem ter os planos aprovados, mas na sua maioria apenas pelos seus órgãos de gestão. Cinco instituições dizem efectuar ou já ter efectuado simulacros."
Lusa/SOL


Dou os parabéns à actuação da IGAS. Actuação pedagógica e de alerta para o cumprimento das boas prácticas.


Aguardo daqui a uns tempos, que volte a fazer uma nova averiguação, a fim de verificar se foram corrigidas as infracções e se acaba o laxismo no SNS, não o sendo, que punam os responsáveis já que os identificaram.

1 comentário:

Taciana disse...

Hoje no Blog fala Médico: Médicos respondem como se sentiriam mais valorizados dentro do seu ambiente de trabalho. Confira as respostas e dê tb sua opinião!
http://falamedico.wordpress.com/