sexta-feira, janeiro 27, 2006

Ganda Caxa do JN

"8 Médicos 8 de Viseu acusados de homicídio por negligência"

Nada mais: 8 médicos 8 actuaram com dolo perante uma doente. Se o Hospital de Viseu tiver 80 médicos eu sugeriria uma outra caxa.

"10% dos médicos do Hospital de Viseu são negligentes!" Ora, nesse caso o referido hospital deverá ser encerrado já! É um perigo para a Saúde Pública dos portugueses.

Erro de diagnóstico houve de certeza e a familia da doente deverá ser ressarcida pelos serviços públicos da correspondente indmenização.

Diz o filho que a vai pedir e bem choruda, mas não é para já! Diz ele que não tem pressa. Pudera. Como pode pedir a indmnização se ainda nem sequer houve julgamento!

Mas não estou contra isso. As companhias de seguros existem para pagá-las.

Passemos ao caso: segundo se lê, a paciente morreu de complicações devidas a uma hérnia estrangulada.

Uma hérnia estrangulada é uma situação urgente e em mais de 95% dos casos de fácil diagnóstico. Geralmente é o próprio doente que faz o diagnóstico, de tão fácil que ele é.

Portanto, restam os 5% para situações em que por diversos motivos a hérnia encarcerada não é diagnosticada. Até é possível que a dor seja referida em local diferente da localização da hérnia.

Lendo partes do despacho do Senhor Delegado que o JN transcreve, fico com a impressão de que se tratará de uma verdadeira peça lapalissiana:

Diz-se:

- "não efectuaram o diagnóstico correcto e instituindo a terapêutica adequada", obviamente se a senhora morreu...

- "não procederam da forma mais correcta ao reequilíbrio da paciente", obviamente se a senhora morreu...

- "se os oito médicos tivessem adoptado como deviam e podiam os procedimentos adequados à praxis médica", obviamente se a senhora morreu... não foram os procedimentos adequados.

Em conclusão: não necessito de ler muito mais para concluir que se trata de um erro médico e não negligência médica.

Até considero que, se a doente em duas idas ao hospital foi observada por 7 médicos, foi muito bem observada, só que os médicos erraram no diagnóstico, mas se todos erraram é porque o quadro clínico não era sugestivo de tal patologia

(Ouço agora que até a SIC Notícias (cada vez mais uma TVI para intelectuais...) transformou os filhos da inditosa senhora em estrelas...)

P.S.: lembro-me de um caso passado comigo, já há mais de uma década, em que o único sintoma de uma hérnia encarcerada era um quadro de tosse que o doente iniciou sem causa aparente. Só depois de internamento hospitalar e de bastantes exames complementares se diagnosticou a existência de uma hérnia inguinal encarcerada. Só a cirurgia fez para a tosse.

Ai se esses filhos fossem filhos do meu doente. Ai se o senhor delegado fosse o mesmo.

Houve erro e a família deveria ser indmnizada directamente pelo hospital e rapidamente, sem recurso a tribunais.

Para o tribunal só os casos de negligência verdadeira.

Nota: os Juízes e os delegados quando erram o que lhes acontece? São acusados de negligência?

5 comentários:

Mário de Sá Peliteiro disse...

Os Juízes e os delegados quando erram o que lhes acontece? São acusados de negligência?

Ora aí está uma boa questão!

Anónimo disse...

Sr. Mário, quer uma boa resposta? São acusados de erro.
Tal como qualquer outro profissional.
Claro que quem mais erros comete mais penalizado é, profissionalmente. Os que cometem menos erros são, geralmente, melhores (essa frase também daria muito que falar, eu sei...).

Penalizar criminalmente é outra história. No caso da Medicina, pese embora a ausência de qualquer estatuto ou regalia que diferencie médicos dos outros funcionários públicos (excepto o estatuto de poderem ser enxovalhados por um pateta qualquer, sempre que o Exmo. respectivo ACHA que erraram), é natural que se procure excluir aqueles que erram por neglicência ou dolo.
Os primeiros porque são irresponsáveis numa profissão que não tolera a irresponsabilidade, os segundos porque são criminosos.

Lembre-se todavia que, em Portugal, não existem médicos responsáveis (a não ser aqueles que conhece, como diria um ilustre professor que escreve frequentemente por estas bandas...). Por isso essa diferença não faz sentido, são todos sempre referenciados pela mesma bitola. São sempre os culpados do atraso no diagnóstico, do sofrimento na doença, da demora na cura, e por fim da morte. Coisas da vida, esta mentalidade....

AV

Destination disse...

A probabilidade de negligência varia na razão inversa ao número de médicos que observa um doente. Se esta doente foi observada por 8 médicos e nenhum fez o diagóstico, a probabilidade de negligência será ínfima!!! Claro que o erro, esse é constante... todos erraram no diagnóstico.

Medico Explica disse...

Correcto e afirmativo.

Raúl R Boldão disse...

Nem sei o que dizer.