sexta-feira, fevereiro 10, 2006

Ai Se Fosse Médico...

Como não é, apenas um diário regional (Diário de Leiria) contou esta história:

"Mulher acusa ‘padre’ exorcista de assédio sexual
m casal de Vila Franca, ele de 38 anos e ela de 31, pais de uma menina de cinco anos que sofre de hiperactividade, resolveram pedir ajuda espiritual, depois de esgotadas as tentativas através da medicina convencional e de não saberem como lidar com a situação. E foi ao 'padre' Humberto Gama, que conheceram através de reportagens televisivas, que decidiram recorrer, por três vezes.
Na primeira consulta, em Outubro do ano passado, e segundo relatou ao nosso Jornal o marido da paciente, nada de anormal se passou, tendo Humberto Gama referido que o problema não estava na criança mas sim na mãe, alegadamente possuída por um “espírito homossexual”, pelo que seriam necessárias mais consultas, ao que o casal acedeu.
No dia 28 de Dezembro voltaram à casa do 'padre', em Valinhos de Fátima, e foi aí que terão começado a acontecer práticas menos ortodoxas. Desta vez, e ao contrário da primeira consulta, o marido e a filha da suposta vítima já não estiveram ao seu lado, uma vez que terá sido levada para um quarto onde se encontrava, para além do 'padre', uma alegada enfermeira. "Aí, e para além de lhe ter apertado várias partes do corpo, ele introduziu o dedo na vagina da minha esposa e disse a essa rapariga que o fizesse também. Isso seria, segundo ele, para empurrar o espírito", recorda o homem, ainda longe de imaginar que no dia 11 de Janeiro deste ano é que o 'exorcismo' teria contornos mais perversos.
"Nesse dia ele foi sozinho para o quarto com a minha esposa, beijou-a na boca, apalpou-a, voltou a introduzir o dedo na vagina e exibiu o sexo dele enquanto gritava 'ama-me, ama-me!'", relatou o homem que só mais tarde teve conhecimento de tudo isto, uma vez que a esposa, temendo uma reacção mais violenta do marido, não lhe contou de imediato o sucedido, apesar de estranhar as práticas de exorcismo que lhe foram aplicadas, chegando mesmo a marcar uma quarta consulta "porque a minha esposa estava cada vez pior e eu fazia de tudo para ela ficar boa".
A quarta consulta nunca chegou a realizar-se, mas o casal 'consultou' a PSP de Fátima, onde apresentou queixa, "para evitar que mais pessoas sejam vítimas deste homem devasso e imoral disfarçado de padre e que só quer extorquir dinheiro às pessoas. Nós não queremos um tostão só queremos que seja desmascarado, para que não haja mais vítimas".
O marido da alegada vítima de abusos sexuais sublinha ainda o facto de Humberto Gama, a quem acusa de ter "mau carácter", dizer sempre que "os outros é que são doidos, doentes, e malucos com imaginação", para “se defender dos crimes hediondos que comete".
“Tentativa de extorsão”

Confrontado com estas acusações, Humberto Gama, que já foi acusado outras duas vezes por práticas de idêntico cariz, assegura que esta "não foi a primeira e não vai ser a última queixa contra mim", já que "tudo isto se trata de uma organização" que tem por objectivo denegrir a sua imagem.
Segundo o 'padre', o casal que agora o acusa de assédio sexual, "anda a ser tratado em psicologia e neurologia, que já correu seca e meca, não houve bruxo, não houve ninguém que eles não tivessem contactado", mas acabaram por bater lhe bater à porta, na sua residência perto de Fátima (possui outra em Murça).
"Vieram cá a primeira vez e eu disse-lhes que pensava que o mal vinha dela e do marido e não da filha. Depois voltaram uma segunda vez e eu tratei-os aqui (numa sala), sempre juntos, e aí eu disse-lhe que aquilo não era comigo, não era do meu aforro, porque aquilo é uma esquizofrenia" e porque "o pai estava aqui aos murros na mesa, e a mãe a tremer, eu e a enfermeira que estava comigo levámos a senhora para um quarto para impedir que a criança visse aquilo", recorda o 'padre'.
O casal voltou uma terceira vez, mas Humberto Gama diz que tudo o que eles contam se passou na segunda consulta e que da terceira já nem os queria atender mas acabou por fazê-lo. E mais, assegura o exorcista, "depois de todas estas coisas e das queixas ainda tentaram marcar uma quarta consulta, via telefone, e insultaram a minha empregada porque ela lhes disse, que se queria uma nova consulta, é porque gostou".
Para este homem, que até já foi candidato do CDS-PP à câmara de Murça, todo este caso é uma tentativa de extorsão de dinheiro, à semelhança de outros casos que já lhe sucederam, pelo que não tem problemas em sentar-se no banco dos réus, "porque depois quem pede uma indemnização sou eu", assegura, frisando que tudo não passou de "uma masturbação intelectual" de alguém que, ao contrário dele, "tem medo de dar a cara" e que neste caso “é a minha palvra contar a dela”, porque eu só estou aqui para ajudar as pessoas, e elas querem ser ajudadas.
O 'padre' explica ainda que o exorcismo "é uma energia que pode aparecer em qualquer parte", pelo que não faz sentido "colocar a mão na cabeça de uma pessoa, se o mal que ela tem está nas costas, e que os médicos também tocam nos pacientes", e desafiou-nos a assistir a um exorcismo para mostrar que fala verdade."

67 comentários:

Raúl R Boldão disse...

Fiquei admirado com o MEM por não se ter insurgido contra os jornalistas da revista "visão", quando publicaram um artigo na última edição entitulado "Médicos portugueses ganham mais do que os espanhóis"!!
Este artigo conta-nos em duas páginas "agradáveis" de ler, que os médicos portugueses auferem muito mais do que os espanhóis... o valor/hora em certas situações chega a ser mais do triplo (um exemplo: em Espanha, a hora extra é sempre paga a 13 euros/hora, em portugal quase atinge o 50 euros/hora)!! Em portugal, um médico interno ganha mais do dobro que um médico espanhol na mesma posição!! Será fruto do excesso de médicos em espanha? Não sei.
Mas perante a actual conjuntura, questiono-me... será que Portugal é um país mais "endinheirado" que Espanha?
Qual será o motivo que faz com que a classe médica seja o inverso de todas as outras... ou seja, são mais bem pagos aqui do que na terra de nuestros hermanos!
Decididamente, aqui "há rato"! O valor dos médicos anda muito inflacionado para um país que não consegue sustentar-se a si próprio!
Talvez faltem aqui mais um faculdades de medicina para criar concorrência... ou não, ou não.
Enfim, alguém explique este fenómeno a este pobre professor que só percebe de magnetismo e dinâmica de fluídos.

Medico Explica disse...

Não li o artigo. Mas a ideia que tenho é precisamente a inversa. Nos respectivos Serviços Nacionais de Saúde para trabalho igual os médicos portugueses ganham muito menos que os médicos espanhóis. E o que se deve comparar é a remuneração base. Mas como já estou habituado à manipulação dos media...

Raúl R Boldão disse...

Pois. De facto os média manipulam a informação e fazem muitas vezes comparações sem todos os elementos estarem em "pé de igualdade", digamos.
Mas, o que chamou a atenção, foi o facto de um interno em portugal ganhar mais do dobro que em Espanha (aqui suponho que a comparação esteja ao mesmo nível. Repito, suponho.).
Não me recordo dos valores excatos que li, mas penso que referiram que em Portugal um interno aufere cerca de 1700 euros e em Espanha pouco mais de 800 euros. Considerável?

Anónimo disse...

Sem horário extraordinário ou sem outro estatudo (de trabalho na periferia, por exemplo, e mesmo assim não chega a tanto), é mentira que um qualquer interno em Portugal ganhe 1700 euros.

Por isso a notícia não é estranha, é falsa.

Mas ganha um pouco mais que 800 euros, isso sim (qualquer interno). Aí uns 1000-1200. Estranho que em Espanha só ganhem, internos equivalentes (resta saber o que se entende por internos, existem do complementar, do geral, e em Espanha não - e quais são as exigências que se faz a cada um), 800 euros. Duvido muito mesmo.

E como diz o MEMI, o jornalismo à portuguesa dá razões para desconfiar desses "factos". Espero que o "dono do blog" publique "toda a verdade".

AV

Raúl R Boldão disse...

Ora bem, nao vamos misturar alhos com bugalhos... daí, pergunto: estamos a falar de valores líquidos ou ilíquidos? É que pelo artigo, fiquei com a ideia que se refere a valores ílíquidos... o que talvez faça com que os 1700 euros talvez não seja muito descabido...será?

Anónimo disse...

Eu falo de valores líquidos.

Mas não me diga que um médico espanhol, Interno do Complementar de Medicina, ganha praticamente o salário mínimo nacional (deles).

Aqui há mesmo gato. Ou jornalismo português....

É que conheço vários colegas espanhóis (sinais dos tempos), e não há nenhum que esteja cá pelo salário. Estão todos por um de dois motivos: ou não tinham acesso em Espanha à especialidade que queriam, e vêm tirá-la cá; ou estavam no desemprego.

Mas MEMI acabará por explicar.

E isso da questão dos salários na função pública não se esgota nos médicos.
É sempre perigoso comparar-se o incomparável, mas mais não digo porque prefiro que alguém que realmente analise essa questão com profundeza se pronuncie seriamente, do que andar aqui a mandar bitaites.

AV

Luis C. disse...

Caros,

O Sr. Boldão levanta umas questões interessantes! Um "interno" em Espanha poderá ganhar menos do que um português... Ora, agora, falta saber qual é o estatuto do interno na carreira médica espanhola, ou quais as habilitações, horário e tarefas executadas!

É que em Portugal, um interno do 1º ano ou ano comum ganha, nem mais nem menos do que 1375.44 euros brutos mensais + 84 euros de subsidio de alimentação, por 42 horas semanais sem exclusividade, com uma urgência de 12 horas por semana! isto líquido deve rondar os 1070, 1100 euros mensais, consoante a tabela de IRS!

Este é um interno do ano comum, que no ano seguinte seguirá carreira de especialista, invariavelmente, porque todos os licenciados em medicina seguem carreira de especialidade, porque a isso (e muito bem) a lei obriga, para que se possa exercer a prática médica!
Ora bem, no ano seguinte, consoante o seu horário de trabalho auferirá entre 1200 a 1400 euros líquidos, estando o restante do salário dependente das horas extraordinárias que tiver de fazer,e da sua progressão ou não na carreira médica!!

Tabelas salariais, se querem saber ao certo, vão a www.simedicos.pt, onde está tudo preto no branco!!

ora, analisando o caso espanhol:
Em espanha, licenciam-se 13 a 15 mil médicos por ano, dos quais apenas 3-4 mil seguem carreira de especialidade. Os restantes, ou tentam tirar a especialidade no estrangeiro (como em portugal, inglaterra, frança suissa e afins) ou ficam em Espanha com uma categoria determinada clínico Geral. Será que são estes os tais licenciados "internos" que auferem os 800 euros mensais? Ou faltara referir os "internos" que ainda se encontram em formação nos hospitais que ganharão tanto ou mais que nós?

Será que são esses licenciados, sem mais formação consequente que o alguns querem que Portugal produza, a bem de diminuir o preço da mão-de-obra? isso é politica chinesa... e como verão em poucos anos, não tem futuro!!

Se alguém pensa que um médico (excluindo casos pontuais de ilegalidades ou subversoes do sistema) ganha demais, pense para si proprio se trabalhar 42h por semana + as extras que for necessario para manter o SU (e mal, este ponto é necessario corrigir em portugal), podendo chegar até 72 ou mais horas para semana, em turnos de 12 a 24 horas?

É que ja é por demais conhecida a politica, ele ganha demais...ora, sao os salarios dos outros que têm de subir, a custa de mais produtividade e de mais valor acrescentado, e não os outros descer....

Anónimo disse...

Isto mais uma vez resume-se:

"o dinheiro que eu tenho, e o que os outros têm!" - a competição intra-específica no homem resume-se a isto!!

Raúl R Boldão disse...

Achei o comentário deste anónimo que colocou um post imediatamente antes de mim no mínimo interessante, e tracei dois cenários: ou é um "alienado" que ainda não compreendeu a lógica capitalista do mundo global, ou é o Eng. Sócrates. Dado que esta última possiblidade é muito remota, fiquei-me pela primeira.
Eu como professor, ao fim de tantos anos de serviço, acho que já ouvi tudo o que de tolo havia para dizer. Mas confesso, gosto mais de ouvir tolices agora do que há alguns anos atrás... acho que estou mais paciente.

Em relação ao dinheiro, visto que é um "item" deveras importante na sociedade (reparem que até o povo já compreendeu... antigamnte usava-se a máxima "o dinheiro não compra a felicidade", no entanto à medida que os tempos foram avançando a esta máxima converteu-se na seguinte forma "o dinheiro não compra a felicidade, mas que é uma grande ajuda, é!"... sinais dos tempos!), e ainda mais importante para a economia mundial, há que pensar como ele se distribui. O objectivo do post, era reflectir um pouco acerca das variações remuneratórias em Portugal/Espanha, sendo que neste momento há uma comparável diferença económica entre estes dois países, sendo Espanha, claro, o mais sólido. Ao ler o artigo da revista "Visão", pensei "como é possível que um médico espanhol, ganhe menos do que os potugueses?", será que os médicos portugueses têm algo que os médicos espanhóis não têm??
O Luís elucidou-me de alguma forma, mas fiquei eu sem saber se na realidade a suposição do Luís corresponderá à realidade.
Mas também quando um interno português começa a ganhar tanto dinheiro no início da carreira, penso que o meu vencimento como professor universitário é deveras baixo. E porque se um interno aufere tais rendimentos, ponho-me a pensar como ganhará um médico no topo da carreira em regime de exclusividade acrescido de todas aquelas "coisas" que complementam a sua folha de vencimento. Dei "uma vista de olhos" nas tabelas salariais dos médicos no site que o Luís referiu e achei... interessante.

Luis C. disse...

Caro Boldão,

As minhas afirmações relativamente ao modo como funcionam os sistemas de ensino de medicina nos dois países, estão correctas. As informações provêm de uma interna complementar oriunda de espanha, com 36 anos, que teve de vir para Portugal tirar a especialidade! Desejo: "voltar logo de seguida para Espanha..." Portugal não é o Éden monetário para os médicos, que algumas pessoas pensam... Alguns são mais bem sucedidos do que outros, tanto na vida como no desporto, como na profissão!

Relativamente ao vencimento em função da progressão na carreira, o Sr tem que pensar que ao contrário do que acontece noutras estruturas administrativas e profissões (semi-estáticas e com declínio directamente proporcional ao avançar da idade), o factor idade/experiência em Medicina é crucial para um melhor desempenho do profissional, em termos de conhecimento, pelo que podemos assim dizer" a prática faz o mestre"! Se não, não seriam necessárioas tantos anos de estudo e aprendizagem...É o que de bom têm a medicina portuguesa, sendo confirmado pelo nosso 12º lugar no ranking da OMS!! (apenas suplantados em maioria pelos países nórdicos, que são extremamente organizados, caracteristica da qual nos carecemos!)
Então, se o Senhor quer ter "mestres" no topo das estruturas (para decidir sobre a vida de pessoas), e assegurar uma boa Laegis Artis têm que "prender" estes profissionais, ou de outra forma veria as cadeias de comando desprovidas de médicos com uma relação conhecimento/inteligência/experiencia capazes de exercer a autoridade necessário à oa organização e pratica médica! Em Medicina o currículo determina o posto, e não é por acaso...
Veja o exemplo do Damásio, que foi para os EUA fazer investigação (€ e possibilidades €)! Se ca lhe dessem as condições que lá se lhe oferecem de bandeja, não crÊ que tudo o que ele publica, poderia ser primeiramente publicado em PortuguÊs?

Há decisões que só indivíduos com algum grau de maturidade podem e devem tomar... pese embora, deva reafirmar, este paradigma não serve para todos!!! eis a justificação para vencimentos dos indivíduos com maior currículo/anos de serviço.

Raúl R Boldão disse...

Caro Luís,
estou de acordo consigo em alguns pontos, noutros nem tanto.
Eu não sou contra a progressão remuneratória das carreiras! Sou contra os desfazamentos remuneratórios inter-carreiras, que é bem diferente.
Relevo dois aspectos que referiu: "o factor idade/experiência em Medicina é crucial para um melhor desempenho do profissional" - Isto aplica-se à medicina, como em todas as outras profissões.

"É o que de bom têm a medicina portuguesa, sendo confirmado pelo nosso 12º lugar no ranking da OMS!!" - Esta espantou-me! Que ler isto, fica a pensar que é graças aos médicos... o que não corresponde à verdade! O SNS é que ficou posicionado em 12ª lugar no ranking da OMS... graças a um sistema gobal de profissionais e isntituições, onde os médicos são uma parte de um todo global onde se incluem: médicos, enfermeiros, técnicos diagnóstico, nutricionistas, assistentes sociais, auxiliares, administrativos... até porque este ranking têm a haver com questões que não estão directamente relacionadas com a prática médica!

O que me questiono é: será que um médico com o mesmo tempo de serviço, aufere o mesmo do que eu? Aufere mais, ou menos? Não quero saber a resposta, porque à partida sei que o rendimento de um médico com o mesmo tempo de serviço que o meu, é superior. Mas, será correcto? E não me refiro só à minha profissão, refiro a muitas mais, todas elas injustiçadas, mas a contribuir com impostos para pagar vencimentos bastante altos. Os meus descontos não chegam para pagar a dois médicos internos... e eu sei que posso não ter um rendimento majestoso, mas considero que no plano global é excelente. E o meu vencimento é publico. Qualquer um pode ter acesso aos vencimentos de um professor associado c/agregação na função pública... Retalhos da vida de um professor... acho que vou escrever um livro também!

Medico Explica disse...

Caro Dr Boldão:

O meu ordenado base, ilíquido, passados 28 anos é de 2.426,58 euro. O ordenado base, ilíquido, passados 27 anos da minha esposa, professora do ensino secundário é de 2.512,08 euro. Quem ganha mais?

Luis C. disse...

Caro Boldão,

Devo salientar não se verifica o paradigma da experiencia relacionada com a idade em todas as carreiras! Há carreiras cuja actividade é estatica, ou seja, podem mudar os procedimentos, mudar as instalações, mas o fundamento é sempre o mesmo! Convenhamos, um advogado ou um Juiz, mesmo que as Leis sejam alteradas, o exercício da sua profissão é sempre o mesmo. Este é um exemplo...Existem outras profissoes, nas quais não incluo engenheiros, cientistas, e tenho certa relutância em pronunciar-me sobre os professores! E isto porquÊ? Porque se existem alguns que trabalharam e se actualizaram, aprenderam, estudaram para progredir no grau da carreira (e, tambem, subir no escalão de vencimento), existem outros que nada fizeram, perderam capacidade pedagógica, desactualizaram-se e são relutantes em evoluir para os novos tempos (prejudicando o ensino de portugal)... Muitas particularidades a considerar! Ora, nem todos nem nenhum...

Relativamente ao 12º lugar do ranking, devo dizer que tem razão, é pelo trabalho de uma equipa variada que se conseguiu atingir esse patamar. No entanto, o eixo central de todo o SNS é o doente, logo seguido pelo médico, a estrutura de apoio clínica (enfermeiros, técnicos e auxiliares) e pela equipa administrativa... ora, directamente relacionadas com a medicina, há tres categorias: médicos, enfermeiros e tecnicos! Ora, temos de convir que o cerne, ou seja, o ponto de partida desta maquinaria é o médico e as suas decisões e actos, trabalhos e avanços/desenrascanços(ou não, dependendo do que se entende por ponto de partida, mas na maioria é assim)!
Não prestando particular atenção a este ponto, também lhe posso dizer que vigora no corpo de enfermagem o estatuto de experiencia/capacidade/idade relacionada com a ascensão na carreira, sendo que, no entanto, como a pratica de enfermagem é relativamente mais estatica (as mudanças não sao tantas em tão pouco tempo- ou seja, as punçoes, injecções, movimentações, curativos, apoio psicologico ,etc mantêm-se relativamente constantes no tempo), a experiência atinge-se mais rapidamente, e podem sobrevir individuos mais jovens capazes de liderar.
Então, seguindo o fio do meu raciocínio, tem que compreender que esta profissão, assim como a de militar, exige sempre mais e mais do indivíduo. Actualização literaria, formação especifica, formação tecnica, formação pessoal, capacidade de pedagogia, progresso nas qualidades e capacidades do serviço subalterno ao individuo, etc, etc...

Ora, a politica do nosso pais é que esteve mal. trabalhando pouco quer-se ganhar muito, mas nesta profissão não nos e permitido! Nem pelos nossos colegas, nem pelos nossos doentes, nem pelo sistema, nem por nos proprios...Ora, se lhe disser que um medico nos seus anos de formação geralmente trabalha (não em todas as areas) 60 a 80h por semana, mais o trabalho que leva para casa (estudo, trabalhos de investigação, formações, revisão de conceitos e conteúdos, etc), diga-me lá se não acha que está justamente pago?

Eu já em tempos afirmei que as grandes fortunas dos médicos não sao geradas no SNS, mas sim no privado! E se existe privado, é porque existe mercado para ele e gente que se disponibiliza a pagar!
No SNS até é bem dificil ganhar bom dinheiro...

Raúl R Boldão disse...

MEMI, repare apesar do seu vencimento-base ser inferior ao meu vencimento, o vencimento total dos médicos com o mesmo tempo de serviço é sempre superior ao meu (como? não sei.)... Mas as manifestações exteriores de riqueza são inúmeras, quer nos médicos que só trabalham no SNS, quer nos que trabalham no público ou privado... Como o fazem? Desconheço. Sei que o meu vencimento-base é igual ao meu vencimento total (pouco mais de 4007 euros, não me recordo ao certo até aos cêntimos). Mas o trabalho, empenho, dedicação e esforço que tenho tido, mereceia outra recompensa. Tanto eu, como a milhares de profissionais por esse país fora. Gostava de ter um BMW ou um mercedes, como quase todos os médicos têm. Como o compram, não sei. Eu não consigo. Também, confesso, não sou muito materialista (mas gostava de ter...), mas atribuo muita importância à distribuição salarial equitativa numa sociedade de direito e livre expressão.

Medico Explica disse...

Caro dr Boldão: não vamos começar a bater no ceguinho. Já nos explicou em mensagens anteriores que os seus amigos médicos não são exemplo para a classe. Há médicos com BMW e Mercedes? E depois? Eu só não tenho. Quando vou para o trabalho passo por uma escola C+S e acredite que vejo lá marcas BMW e Mercedes de professores. Muitas? Não. De onde vem o dinheiro? Não sei nem me intressa. Mas que o há, há. Talvez nas explicações não declaradas. Senhor Boldão, deixe de analisar profissões por um sinal exterior de um ou dois dos seus membros...

Raúl R Boldão disse...

Não é uma análise empírica de um ou dois membros da classe, é uma afirmação que foi gerada pela opinião pública e é do senso comum... Essa escola, pela qual passa, onde vê BMW's no estacionamento dos professores... já pensou que os respectivos maridos ou esposas podem ser médicos e daí ostentarem BMW's?
Ou vai dizer que a esmagadora maioria dos médica guiam clio's ou marcas coreanas de gama baixa, moram em casas degradadas, ou então não consguem suportam as contas ao final do mês? Curioso a existÊncia do Automóvel Clube Médico... não existem automóveis clubes professores, secretários ou auxiliares de acção educativa!!! Certamente não era necessário um clube automóvel privado para uma classe como os médicos, sobejamente conhecidos por serem mal pagos, não é? E fico hoje por aqui.

P.s. Sabe, estou a fazer um trabalho no computador, e como literalmente me está a dar "trabalho",a questão da remuneração inadequada paira sempre sobre a minha cabeça nestes momentos... talvez amanhã já me passe.

Medico Explica disse...

Sr Boldão, o senhor pode ser boa pessoa, mas não haja dúvida que está muito longe de conhecer sociologicamente os médicos. Para si, as 3 dezenas de milhar de médicos são todos iguais aos seus amigos médicos (que já nos disse que fazem parte daquele número de casos de polícia,mas que por serem seus amigos não os denuncia!). Olhe tenho dois caros (para três pessoas) e qualquer um deles tem mais de 6 anos!

Luis C. disse...

Senhores,

Bem, acho que é desnecessário fazer comparações de propriedades!!

Supondo- "Eu sou o herdeiro de um conde, sou médico, e continuo a ser rico como era antes". Acha que está mal eu ser rico? Que é que o senhor julga que sabe acerca de mim através da marca do meu carro? Gosto de Simca´s...E aos domingos ando com um mercedes classe S! Esta abordagem ao assunto confere uma visão extremamente redutora. Eu conheço um padeiro que tem 2 BMW, e um médico riqusíssimo que tem um citroen ZX... Conheço um empreiteiro com 3 empregados que tem um BMW M3, e um médico com um Volkswagen Passat... Conheço muitos médicos que têm mulheres riquissimas, e médicas que têm maridos empresários riquíssimos (selecção sexual permitida pelos estatutos, na maioria dos casos...)
Ora, conheço médicos que vieram do nada e se fizeram ricos, enquanto conheço outros que nada fazem e ricos são!! Estão a perceber a ideia??
30.000 indivíduos é demasiada gente, e atenção!! Médicos não estão apenas casados ou juntos só com médicos... Portanto, 30.000 indivíduos é demasiada gente para se inferir o que quer que seja sobre o que não se sabe... faça um estudo, e mostre resultados! Assim, prestava um serviço ao País e a todos os que se sentem injustiçados pelo rumo que a vida lhes permitiu tomar...

Agora, um pequena picardia:
- Senhor Boldão, vive mal? O único que lhe paira sobre a cabeça é o desejo de ganhar mais para poder permitir-se luxos e ostentação?

É que se a sua prespectiva se reduz a essa noção de igualdade, acho que o senhor devia viajar um pouco mais por Portugal e conhecer o verdadeiro país! Todas aquelas pessoas sobre as quais se pronuncia...Sem excepção!!

Raúl R Boldão disse...

Não me diga que está tentar a inverter a situação... daqui a pouco está a dizer que a única classe que tem um clube de automóvel privado passa dificuldades financeiras... ou é preciso realizar um estudo sociológico para chegar à conclusão que comparativamente a claase médica é a mais bem paga... até demais, quiçá?? Faça um exercício: comapre os vencimentos dos médicos norte-americanos, com as outras classes do mesmo país! Existem inúmeros sites para o efeito...

Pode parecer um pouco parolo estar a discutir isto aqui e desta forma, mas bem sabe que eu não perco uma oportunidade para "pisar uns calos" aos médicos...

Nem que ganhasse milhões de euros, Luís, a minha vida mudaria. Sempre levei o mesmo estilo de vida, quase independentemente do meu vencimento... tenho o mesmo automóvel há 11 anos (e não é um BMW ou Mercedes Benz), tenho os mesmos hábitos de sempre e consumo aqui que sempre consumi. A ostentação não me atrai, mas foi uma forma prática e rápida de demonstrar aqui os bons salários médicos... até porque a mioria dos médicos gosta de ostentar, mesmo que não tenha possibilidades para o fazer...

Ainda ninguém conseguiu disponibilizar aqui uma tabela salarial dos médicos espanhóis...

Medico Explica disse...

Disse o sr Boldão: "porque a maioria dos médicos gosta de ostentar, mesmo que não tenha possibilidades para o fazer...". Você não tem emenda! Estraga qualquer discussão com essa sua generalização. Você tem um trauma qualquer com os médicos! Qualquer coisa que vagueia pelo seu inconsciente e é necessário exorcisar. Você deve sonhar com médicos, deve dar aulas e como exemplos coisas dos médicos, deve viver rodeado de fantasmas de médicos. Consigo não se consegue discutir nada sobre a saúde, porque toda a sua crítica tem um só sentido cego. Para mim chega.

Anónimo disse...

Para quem atravessa, invariavelmente tds os dias, o parque de estacionamento de um grande hospital (HSM) não se vê assim uma quantidade estrondosa de BMW's e Mercedes. Vejo alguns mas não o suficiente (nem de perto) para dizer que a maioria dos médicos do HSM tem carros de gama alta. Vejo até mtos Fiat's, mtos citroen's, mtos polos... Tantos para não poderem ser tds de funcionários, enfermeiros, auxiliares...´

Sinceramente, não me parece correcto andar sempre a fazer generalizações e quanto aos rendimentos, consigo lembrar-me de profissões que envolvem menos tempo de estudo, menos dores de cabeça e menos responsabilidades e nas quais se ganha quase tanto como um director de serviço e muito mais cedo... Algo a que sempre achei mta piada: em quase tds as carreiras a quantidade de dinheiro que se ganha é uma demonstração de sucesso profissional mas em medicina sempre que se ganha mais um bocado (quer seja por subir escalões na carreira no SNS ou por trabalhar no privado - é trabalho à mesma e há quem esteja disposto a pagá-lo e têm esse direito) já são uns "ladrões" que se aproveitam da sua posição. Os médicos tb têm famílias, tb têm ambições e não vejo porque é que não podem ganhar um pouco mais (desde que cumpram as suas obrigações e a lei, claro). Não andam a roubar ninguém: se sobem de escalão é por mérito e há pessoas dispostas a pagar no privado (eu tenho um seguro privado, recorro quase sempre ao privado e não me arrependo - acho que tenho o direito de escolher quem e onde me atendem).

O sr. raul boldão fala no seu primeiro comentário em criar mais faculdades de medicina para criar concorrência. Talvez fosse melhor ver quanto custa cada aluno ao estado por ano... Talvez não compense assim tanto...

Anónimo disse...

E pronto, de facto bastou deixar a conversa demorar-se um pouco mais, e o aparentemente regenerado Sr. Boldão, de volta ao mundo da sanidade argumentativa, ruiu estrondosamente.

Lá voltaram as famosas afirmações, que espero sinceramente não virem de um "Professor" mas sim de "alguém que se diz professor" (porque estimo e acho fundamental a excelência da classe em causa), do género: "toda a gente sabe...". O físico metafísico, como lhe chamei com propriedade em tempos.

Quanto a salários, vá lá ver a tabela salarial, e chega à conclusão que um Chefe de Serviço (topo de carreira) sem exclusividade ganha 1500 euros líquidos. Claro que compra o carro que quiser, há créditos, há poupanças, e cada um as gasta onde bem entender. E há a privada (é sem exclusividade, senão ganharia um pouco mais...). Mas esta conversa, argumentativa, não lhe convém, pois não? Tenho a certeza que conhece alguém que acha que isso tudo não é nada assim....

A conversa dos carros é bem demonstrativa do irreal (!?) que só pode ser este professor....
É que se fosse pelos carros, Portugal era mais rico que os Emirados Árabes. E a Holanda estaria ao nível do Zimbabwé.

Mas o senhor Boldão, que se acha um profissional do primeiro mundo, para quem o princípio da falsicabilidade de Popper é vizinho do "acho que isso não está bem porque ouvi dizer...", é que sabe.

Bem haja Sr. Boldão, paladino da luta contra o corporativismo dessa força negra que é a Medicina em Portugal. O futuro far-lhe-á justiça. Inventei em tempos uma história muito gira a esse propósito (que é a sua maneira de ser), que reza mais ou menos o seguinte: o mesmo Cristo foi no ano zero profeta profícuo, seria no ano 2000 esquizofrénico.

Não é assim tão profundo, julgo que é capaz de entender....

AV

Anónimo disse...

DE FACTO ISTO DE RECORRER A FALSOS PADRES EXORCISTAS EM VEZ DE IR A UM MÉDICO TEM MT Q SE LHE DIGA. MAS NESTE CASO O PADRE AFIRMOU-NOS SER FORMADO EM PSIQUIATRIA. ACHO Q QUEM PRECISA DE UM PSIQUIATRA É ELE. qUEM VIU O SIC 10 HORAS NA SEXTA FEIRA DEVE SER DESSA OPINIÃO. NÃO SABIA Q OS PADRES ANDAVAM A ASSOBIAR ÀS MULHERES Q PASSAM NA RUA?

Raúl R Boldão disse...

Então meus senhores? O MEMI está farto das minhas argumentações, porque acha que nenhuma pode ser extrapolada para a classe médica. Como fica sempre aborrecido com esta minha atitude, presumo que se considere "água pura" no reino médico. Estou farto! - refere. Está farto que o “Sr. Boldão” venha com argumentações tolas e ridículas que atingem a imaculada classe médica.

Um blog tal como este, presumo eu, deve respeitar acima de tudo a liberdade de expressão - que é seguramente um dos direitos mais importantes do homem enquanto ser humano e enquanto raça inteligente. Nem que seja respeito pela liberdade de expressão exacerbadamente desajustada ou até quixotesca.

Nunca percebi o que tanto incomoda as críticas. Não serem verdadeiras? No início, quando me “depararei” com este blog foi numa altura em que o autor tinha colocado um post a “derrengar” fortemente num jornalista. Não precisei de ler muitos mais posts para compreender melhor o “perfil psicológico” do MEMI, daí que, da parte do autor não me pasma a defesa acérrima dos médicos e da sua classe, porque todos são uns imaculados, inculpáveis, e acima de tudo despretensiosos.

Quando os médicos são convocados para a barra do tribunal, é porque alguém “tramou” os médicos, quando alguém glosa os médicos, são uns irreais sem poder argumentativo. E isto vem de alguém que um dia quis demonstrar que o povo gosta dos médicos, servindo-se de uma sondagem sem rigor científico (feitas pelos tais jornalistas imbecis) … tentei explicar-lhe isso na altura (se tive sucesso não sei…), mas a ocasião convinha-lhe, e aí os jornalistas já eram porreiros!!

O Sr. Alfredo Vieira, é aquilo a que o povo cognomina de “poeta das areias”… Um subalterno do blog, que vem em defesa esporádica do “brasão médico”, em jeito de “braço direito” do MEMI…
Um dia referiu ser médico… e franqueza acima de tudo, tal como ele tem suas legítimas dúvidas acerca da minha pessoa (serei professor??... ou escondido atrás de um monitor de computador, serei um adolescente com aparelho nos dentes e rosto acneíco, ávido por confusões?... ou então um ex-médico exonerado e com a vaidade ferida em busca do apreço perdido??), eu também tenho o direito a ter as minhas dúvidas sobre a sua identidade… até porque o seu nome não me é desconhecido de outros blogs por onde já passei embora sem alvitrar (só escrevo neste…)… Digamos que as suas opiniões suscitam dúvidas quanto à veracidade das circunstâncias… e claro estimulam sempre alguns sorrisos, quanto mais não sejam pela imbecilidade dos mesmos.

Mas voltando ao comentário do “hilariante poeta das areias”… achei curioso a sua referência ao “princípio da falsicabilidade” de Karl Popper… até porque como digo, a sua referência a esta teoria do Popper não é novidade, ou seja, repete-a inúmeras vezes noutros blogs, o que me leva a pensar se só conhece isto? Mas como em filosofia estou de certeza absolutíssima mais “à vontade” que o amigo (e porque um físico nem só de física percebe!), não a irei explica porque em frente a toda a gente aqui do blog, pois seria humilhante para si, mas desde já lhe digo que se trata de uma teoria e não de um princípio (no máximo poderia ser denominado de critério). Experimente ler Karl Popper e depois diga alguma coisa. Repito ler, e não “dizer que lê”, para não voltar a fazer referências mentecaptos nos blogs, pois ao invés de mostrar cultura filosófica demonstra plangência de espírito. Quanto a si, fico por aqui, pois podia ficar aqui a “sová-lo” fortemente toda a noite em termos filosóficos… porque se na realidade for médico, aceito a minha humildade de conhecimentos médicos e dobro-me perante a sua superioridade neste campo… Mas não ande por aí a espalhar iliteracia, pois o MEMI já passa muitos flagícios a combate-la… não vamos fomentá-la!!!
Habitualmente, quando tenho contacto com alunos, divido-os em duas classes: os casos-esperança e os casos-perdidos. O sr. Alfredo Vieira fica classificado nos primeiros, mas tem de me prometer que vai ler Popper como TPC’s…

Em relação aos médicos, e à sua riqueza pessoal (já nem falo em automóveis), compreendi agora que eu estava errado… afinal também passam dificuldades financeiras, são uns pobres coitados que trabalham de sol a sol, que não podem trabalhar até aos 65 anos, pois o peso do estetoscópio ao pescoço prejudica a coluna e aumenta sua a incapacidade física. Além disso são fortemente penalizados pela lei quando são pagos pelo topo da carreira em regime de exclusividade… coitados, a culpa é do governo que os obriga a fazer horas extra a fio (às vezes mais de 48 horas seguidas de banco)… O Correia de Campos é um mauzão!

luis C. disse...

Sr Boldão,

Abstenho-me de tudo o mais a não ser:

Ser Médico é realmente ser importante! Importante para as pessoas que necessitam, importante para a sociedade, importante para nós próprios e importante para todos os outros. Todos temos o nosso lugar, o qual a sociedade os permite ocupar (sim, porque se a sociedade realmente não nos quiser, nos ca nao ficamos).
Ora, posto isto, pode haver muita pouca confiança de sua parte nos médicos. É o seu legítimo ponto de vista. É livre de expressá-lo e tentar convencer alguém da sua causa. No entanto, enquanto a sociedade nos quiser cá e nestes moldes, todos cá continuaremos, assim como o senhor no seu lugar.

Realmente, o que o senhor relata de mal na classe médica, tem a ver com a maneira de ser do povo português, e não com o ser médico... pense nisto!

Bem hajam

Medico Explica disse...

Sr Raúl R. Boldão, segundo a sua teoria da generalização ou teoria boldãoiana:

"Os professores são todos uns tarados sexuais (foi preso um por pedófilia, posso assegurar que são todos), os professores são todos uns ladrões (sem dúvida, na escola de uma amiga minha, uma professora passou o ano a roubar as carteiras das colegas, mas eu posso afirmar que são todas umas ladras, porque uma foi-o), os professores são todos uns cabrões porque eu conheço um caso de uma professora que pôs os cornos ao marido, também professor, portanto posso garantir quer os professores são todos putas e cabrões), os professores são todos uns violentos pois uma professora deu tamanha estalada num aluno que lhe provocou uma equimose e posso assegura que todos os professores são uns esquizofrenicos violentos). E não admito que o senhor professor Boldão se venha defender, pois ele sabe que eu falo verdade e não admito tão pouco que ele venha dizer o contrário, pois caso o faça está a ser corporativista, pois todos os professores, incluindo os universitários, são tudo aquilo que disse acima, pois pelo menos conheço um caso que é a prova da generalização (teoria boldiana)".

Raúl R Boldão disse...

O que o Luís refere concordo em pleno. Aliás, já elogiei aqui várias vezes o Luís pela sobriedade e inteligência dos seus comentários. Ao MEMI: fiquei estupefacto com o seu post... Acho que nem o camarada Alfredo Vieira faria melhor! Não me defendo, porque como referiu no seu comentário, não admite que eu o faça. Respeito.

Mário de Sá Peliteiro disse...

Que raio de conversa ...

Anónimo disse...

Hilariante, ver o Sr. Boldão "ofendido". Começa logo mal, falando no Ser Humano enquanto Ser inteligente. O infra põe desde logo a teoria em causa. Popper no seu melhor... se me permite a ousadia.

Diz ler-me noutros blogs e critica a coerência da invocação de uma das teorias pilar da argumentação científica, que depois diz não querer desenvolver por receio de "ofender" os meus sentimentos.
Que piedoso, fico comovido com a metamorfose....

Seja como for, ainda bem que já não vai dissertar sobre o tema, já se sabe que iria acabar num qualquer "amigo meu conhecedor do meio, Professor Catedrático discípulo do Austríaco", disse que era assim ou assado.... E eu não sou versado na arte da discussão com base nessa sua filosofia argumentativa.

Depois fica sentido com o MEMI que escolhe a denominada teoria boldaniana para defender uma série de calúnias (leia-se factos em boldaniano) para ofender (leia-se denunciar em boldaniano) o dito cujo. E claro, tenta passar a imagem que sou uma espécie de capacho do MEMI, vá lá não se ter lembrado da hipótese do heterónimo.

Para coroar a tal linha de pensamento cada vez mais previsível, lá invoca um "amigo" que escreve no blog (e bem), história de dar credibilidade às críticas, a cereja no bolo da vitimização lamechas.

Vá queixar-se para outra freguesia, Sr. Boldão, os meus advogados são os meus doentes, que me podem reconhecer quando calhar sempre que lerem os meus comentários nos blogs ou noutros sítios, porque não me envergonho do que sou e do que penso. Por isso assino. Por isso comento.

Já sabemos que sua excelência não pensa o mesmo. Deve ser modéstia.... Uma pena não se expor perante os seus alunos, eles haviam de gostar do que sua Exa escreve, de ver o que sua Exa pensa (pensar é força de expressão). Se é que há alunos....

Alfredo Vieira, sempre ao serviço da sua pretensa boa disposição, até porque isso também é saúde.

Anónimo disse...

Esqueci-me da pérola: o último parágrafo!

Um exemplo perfeito da personalidade esquizóide do autor, que eu defendo apesar de não ser a favor de diagnósticos on-line.

Ele diz em jeito de ironia que pronto, os médicos são todos uns "pobrezinhos".... Esquizóide porque se esqueceu que nenhum aqui se queixou de tal coisa. Esquizóide porque existe uma diferença entre dizer-se que não se é rico e entre ser pobre (ou sequer achar-se que se ganha mal). Esquizóide porque um professor deveria saber essas diferenças todas.

Esquizóide porque trabalhar não é só fazer argamassa nas obras (como ele próprio deve fazer, suponho, o que vai de acordo com a minha teoria do professorado que ele representa e explica a argúcia do interlocutor). Esquizóide porque a responsabilidade da saúde dos outros pesa no decisor (eventualmente mais que a de "educar" - valha-nos Deus...). Esquizóide porque não sabe o que é trabalhar 24 horas seguidas numa urgência, mas faz de conta que sim. Esquizóide porque não sabe, apesar de tal lhe ter sido dito já repetidas vezes, que as horas extraordinárias são uma imposição legal (sem mais detalhes), motivada por uma carência de médicos nas urgências. E não uma "maneira fácil" de ganhar dinheiro.

Nem tudo isso é esquizóide, mas o texto ficou mais bonito assim.
Aliás tenho uma certa dificuldade em discernir, não sou Psiquiatra. Admito que a maior parte possa ser pura patetice....

AV

Raúl R Boldão disse...

O Mário de Sá Peliteiro têm razão… que raio de conversa! Vem agora o Sr. Alfredo Vieira em sua defesa, com os mesmos ditos do costume. Enfim. Mas fiquei de certa forma satisfeito, pois uma coisa o Sr. AV entendeu: existe uma teoria ou critério de falsicabilidade e não um “princípio”. Mas nota-se no seu discurso uma certa irritação, pois andou a escrever “nem-sabe-muito-bem-o-quê”!! Talvez depois disto tenha resolvido ler um pouco de Popper!!
Embora a música deste senhor seja a mesma em todos os blogs, o disco tem “riscos”… Há uns tempos atrás resolveu enveredar pelo mesmo tipo de discussão no blog do Eng. J. Tilly (será que o problema está no Sr. AV??... ou estará em mim, no Eng. Tilly e por aí fora…??) sempre numa atitude que agora chega a minha vez de apelidar de “esquizóide”…
Chego a pensar se realmente sabe o que está a escrever….

Anónimo disse...

Vide João Tilly (aos leitores).
Depois expliquem ao Sr. Boldão em quem está o problema.
São parecidos sim senhor. A cassete funciona para os dois.

AV

Medico Explica disse...

O Eng. Tilly teve uma perda num passado recente culpando os médicos (ou o sistema). Compreendo a sua cólera. Não compreendo a do Sr Boldão. Ou pelo menos não nos contou se aconteceu alguma coisa. A minha filha, estudante universitária numa Universidade pública, contou-me uma situação que se passou com um professor. É incrível uma professora chegar diariamente 20 minutos depois da hora marcada para as aulas, alegando que vem das aulas de ginástica. Sr Boldão, como vê, TODOS os professores são uns déspotas, gozam com os alunos e levam o seu ordenado pago pelos nossos impostos. (Apliquei a teoria Boldãoiana aos professores!)

Anónimo disse...

Esse senhor boldão, deve ser um assistente de 1º ou 2º triénio equiparado, ou um professor convidado, à procura dos seus 15 minutos de fama. Mas o que é demais é demais!
Ovelhas-negras existem em todo o lado.
Nos médicos, nos fisicos, nos professores, nos engenheiros,etc... Mas generalizar? Francamente!
óptima réplica MEMAI!

Afonso Cidade

Raúl R Boldão disse...

Talvez eu tenha compreendido a cólera do MEMI para com os jornalistas… é que estes senhores que nos disponibilizam as notícias do mundo (jornalistas) passam a vida a redigir artigos a indiciar médicos (segundo o MEMI de uma forma injusta), no entanto, nunca vi um jornalista a escrever uma notícia a dar conhecimento que um professor universitário foi acusado disto e daquilo... Está bem que estamos a falar de “campos” diferentes… mas, o cerne da questão é que todos sabem que a generalidade dos médicos faz isto ou diz aquilo. Quem é que nunca recorreu ao SU de um hospital e foi maltratado por um médico?… ou simplesmente ignorado?.. ou até tratado de uma forma depreciativa por alguém que se pensa superior em relação ao resto dos humanos?
Pelo facto de um médico estar a ser acusado de pedofilia (Ferreira Diniz), eu não venho cá dizer que todos são pedófilos… Agora, vá perguntar a alguém que encontre na rua, se os médicos são amáveis ou respeitosos e ficará espantado com as respostas!!! Não é preciso nenhum estudo sociológico!
Quanto à professora da sua filha, faça queixume dela, ou deixe de pagar os seus impostos… se eles não estão a ser bem aplicados, recuse-se a contribuir com o seu dinheiro para uma professora chegar tarde às aulas!
Mas eu só vejo uma classe permanentemente em greve neste ou naquele hospital, sempre com o objectivo de se lhe pagarem horas extra…sempre horas extra…!! Segundo o Sr. AV o governo obriga “através de um decreto-lei injusto” os médicos a fazer horas extra, depois têm sempre outro “decreto-lei injusto” a compelir a estado a pagar pelo topo da tabela em regime de exclusividade! Quanta injustiça sofrem estes doutores!!!
Em relação ao “poeta das areias” (Alfredo Vieira), estrela da argumentação, com um PhD em Karl Popper, é um “guru” nestas andanças e nas demagogias. Façam isso mesmo, vejam os blogs onde escreve. Esta figura acha quee que o “objectivo fundamental e contrutivo (à maneira portuguesa), que é a de insultar uma classe de gente, maioritariamente ímpar no panorama merdoso da intelectualidade nacional. “Os cagões”, pensam 99% dos leitores, “a acharem-se superiores”. Ninguém pede que o reconheçam. Apenas que não chateiem com as futilidades com que gostam de os brindar gratuitamente.” (Viera, A. (2004) in “http://joaotilly.weblog.com.pt/arquivo/cat_saude_publica.html”).
O homem é um artista! Gostava de discutir isto de outra forma… tenho uma certa curiosidade em saber quais são – segundo a sua perspectiva – os problemas dos médicos portugueses. Além de achar que já há médicos suficientes em Portugal, tal e qual afirma no site do Sr. Tilly… Ora bem será uma lógica de mercado (tentar manter uma oferta de médicos inferior à procura), ou então numa lógica mais capitalista e egoísta (menos médicos em Portugal, mais dinheiro para cada um)??? Ou ainda manter um status social?? Sabe, se muita gente for para medicina, assim qualquer um pode ser médico e dá cabo do prestígio… assim tipo modelo espanhol, onde qualquer “néscio” pode ser médico…

Se o seu problema é ser médico, e trabalhar muitas horas seguidas, não fosse para médico… simples! Já alguma vez me ouviu aqui queixar do meu trabalho? Ou não me diga que a professor da sua filha também chega 20 MINUTOS atrasada às aulas porque teve no jacuzzi? Tanta gentinha espera dias e dias, meses e meses, anos e anos por uma consulta, e o sr. memi fica aborrecido com 20 minutos!! Olhe, “na privada”, os médicos até batem com os “pés no cú”, esfolam-se e matam-se para atender doentes.. e rápido!… depois admira-se que a violência contra os médicos tenha aumentado exponencialmente nos hospitais e centros de saúde?? Mas não… ficou melindrado com 20 minutos! Que anedota! Ó homem vá fazer queixa, corra, bata com os “pés no cú” como faz na privada, e diga ao director dessa faculdade, que parece mais parece um “circo”, só porque os professores (esses cães danados e culpados do não pagamento das horas extra aos licenciados em medicina) vão às aulas de ginástica, que o Boldão manda cumprimentos. Essa professora, tem de ser colocada de quarenta… foi-lhe diagnosticado um “fetiche” pelo ginásio!
Sinceramente… vocês os dois… com médicos assim, a SIC pode mandar o Herman José à fava!!

Anónimo disse...

quer que lhe diga porque é que os jornalistas escrevem sobre médicos e não tanto sobre professores? A saúde toca a tds de uma forma ou de outra enquanto que o ensino só toca a quem lá anda. Para além que os professores são sempre vistos como uns coitadinhos e os médicos com um sentimento contraditório entre a adoração/endeusamento (a meu ver, responsabilidade da comunicação social) e a raiva/inveja (para a qual tb contribui em mto a comunicação social).

E se os médicos trabalham horas extraordinárias, porque é que razão não devem receber pagamento? Daqui a pouco vai dizer que os médicos são como os missionários e como tal não são pagos, não?

E quanto a más experiências com médicos, eu devo ter mm mta sorte porque acho que posso dizer que nunca tive nenhuma. Sempre fui bem tratada tanto no público como no privado. E quanto a atitudes depreciativas acho que as únicas que alguma vez recebi foram de pessoas que, ao contrário de mim, nunca conseguiriam atingir os seus objectivos mas acham-se no direito de julgar os outros e colocarem-se a elas próprias num pedestal de quase santidade (qnd isso nem é verdade...) como se fossem possuidores de td a verdade. De médicos ou estudantes de medicina, nunca...

Raúl R Boldão disse...

Ó Alfredo, não me venha mandar recados sob a capa do anónimo! Ou então é um anónimo sortudo que acha bem ques os médicos recebem horas extra pelo topo da tabela, e não pelo sei indice. Palonço!

Anónimo disse...

Discretamente, MEMI chamou-me a atenção mais acima. Obrigado e rectifico. De facto, o Sr. Tilly teve um acontecimento muito desagradável na sua vida, uma má experiência com um familiar, que justifica a sua própria exaltação em algumas discussões que tive com ele. Não deixei de ter, todavia, as discussões, sempre que achei que ele ultrapassava os limites do aceitável em generalizações. Acabámos, julgo, por chegar a um meio termo.

Ou seja, ele tem um motivo. E um motivo bom, para não gostar de médicos, ainda que irracionalmente faça generalizações aqui e ali.
Ou seja, misturei duas coisas no mesmo saco, que não pertencem ao mesmo saco.

Quanto ao senhor Boldão, não lhe alimento mais a esquizofrenia, a não ser que me apeteça, o que não é o caso hoje.
Ele refere uma passagem, que não poderia de facto estar mais correcta com o meu pensamento de hoje em dia (às vezes mudo de ideias, não é o caso). Aconselho todos os que estranharam a irem lá ler esse e muitos outros posts que foram colocados nessa altura, e a começarem do princípio para se contextualizarem (se tiverem paciência para o Boldão e para mim, o que não é fácil...).

Bem sei que agora queria que eu dissertasse consigo sobre os estudos que dizem que em Portugal não há poucos médicos. Ou sobre a "irracionalidade" de se pagarem horas extraordinárias "obrigatórias" pela tabela máxima, como diz (S.Exa acharia que deviam ser obrigados a trabalhar 54 horas semanais, pagos por baixo, etc...). Ou sobre matemática e estatística, que diz que se eu quisesse ter enveredado pelo seu curso teria podido, e que o contrário está longe de ser uma certeza (dedução com provável significado estatístico), que na curva de Gauss o meu curso diz que estou numa ponta, e que o seu não diz nada (pode estar, pode não estar...), que se o facto de os melhores entrarem em Medicina, e todos os médicos serem maus, das duas uma, ou não são os melhores e temos um ensino da treta (lã se vai a virtuosidade do seu modus vivendi...), ou são os melhores e custa-lhe a digerir.

Claro que uma discussão sobre os podres (que é apenas uma parte, e não o todo) da Medicina é impossível consigo. O que se pode e deve melhorar nunca será conseguido, enquanto tivermos espécimens como o seu a enquinar a reabilitação do reabilitável, a extinção do irremediável (que você não consegue discernir do resto) e o louvor do louvável.

Quanto a este seu último post, do anónimo e não sei que mais, não se trate não... :-) Há os que ouvem vozes, e os que vêem posts.

AV

Luis C. disse...

Senhores,

As discussões são interessantes, se mantidas num bom termo...
O Sr. Alfredo Vieira e o Sr. Boldão nota-se que já não é de cá nem de agora a sua disputa verbal, mas podem e devem controlar-se um pouco, como quem diria, manter o "nível" cá em cima!

Os médicos em Portugal são, "actualmente", e friso, "actualmente", seleccionados pela sua inteligência e capacidade de trabalho (entenda-se estudo), não pelo seu feitio ou pela sua personalidade!! Se calhar, este é um ponto para parar e reflectir...

Os médicos, em virtude das condições sócio-económicas do nosso pais, encontram-se no grupo dos mais privilegiados. Ora, se existissem muitos senhores do petroleo, construtores automoveis, patroes da construção, grandes empresas multinacionais, bancos de nível mundial, comerciantes de larga escala, correctores de bolsa, inventores, grandes quantidades de matéria prima, artesãos, turismo de 1ª e em larga escala, armadores de empresas internacionais... Provavelmente, assim como na Espanha, os médicos estariam incluídos na classe média!! Outro ponto para reflectir...

Ora, capacidades para formar há poucas. É um país pequeno e tem poucos hospitais de excelência...Forma-se de acordo com as capacidades! Está segundo as regras de mercado, mas os ajustes vão acontecendo!! A ideia, parece-me a mim, é formar poucos, mas bons!! Não há capacidade para formar muitos e bons... São as inerências da formação em medicina, porque ao contrário de outras áreas, não são permitidas falhas!! Este ponto tem pouco de discutível.(os responsáveis são pessoas de bom senso e muita razoabilidade e não economistas, preocupam-se primeiro com a medicina, o doente, a saude, e so no fim com o dinheiro...portanto, essa vertente economica não se coloca em causa!)

As pessoas recorrem demasiado às urgencias do SNS porque poucas tem seguro de saúde (há muitos pobres) e sobrecarregam o sistema (ao contrário da maioria dos outros paises com os quais nos comparamos, logo, é necessário mais gente durante mais tempo nas urgÊncias, que é onde são requisitadas as horas extra. Ora, se alguém as trabalha, é lógico que lhes sejam pagas, ou não? Deve-se trabalhar de borla?
Ponto a discutir.

O médico é necessário, faz falta, e deve ser respeitado. já repararam que as pessoas quando se dirigem ao SNS pensam sempre que são mal atendidas e acham-se no direito de refilar e reivindicar e até passar a vias de facto (as vezes, e digo as vezes, podem ter razão, mas não é a chapada que os assuntos se resolvem), porque o problema delas e maior que o dos outros (ao contrario da educação), e logo devem ser feitas as coisas com eles entendem? Ora, no SNS toda a gente reclama, com os médicos!! Porque é deles que precisam... Mas, reparem no seguinte: quando vão a privada e pagam de 50 a 100€ ou mais, mesmo que sejam maltratadas, nunca se queixam?? O médico é bom, estava era mal disposto, etc...PorquÊ?
Ponto a discutir. (eu acho que é porque as pessoas se responsabilizam pela sua escolha, e querem e são atingidas por uma onda de educação e compreensão, porque os próprios não se enganam...)!


Os jornais... Caros, os jornais assim como a TVI vendem números...
E o que é que vende? Em portugal não sao as boas noticias nem a informação... é a peixeirada no sentido literal da palavra!! Vejam-se os big brothers lideres de audiencia, big show sic, 1ª companhia, herman sic, etc etc etc... jornais como o publico ou DN não trazem dessas noticias, porque?

Bem e com isto me fico....

Anónimo disse...

AV disse: "(...)que se o facto de os melhores entrarem em Medicina ..." Isto é, com certeza, uma piada!! A ponta onde você está colocado é a do seu nariz, que está demasiado empinada.

Anónimo disse...

Não quero ferir as susceptibilidades do Exmo anónimo, e por isso rectifico:

Onde se lê "os melhores" leia-se:

"Se, de acordo com os critérios de entrada para o ensino superior, os que melhor alcançam esses mesmos critérios têm escolhido, nos últimos anos, e preferencialmente, Medicina..."... etc....

Se assim escusar ouvir, eventualmente, comentários à ponta do nariz e apaziguar alguns egos feridos, por mim excelente, era isso que "aquilo" queria dizer, logo esqueçam a primeira forma.

Dr. Luís C. (e julgo que sei o que quer dizer o C... :-), tem toda a razão, respondi depressa demais, escusadamente, e não contribuí para a "retoma" do nível. Mea culpa. Agradeço a chamada de atenção, fica rectificada a empolgada distracção.

AV

Anónimo do Nariz disse...

Caro AV,
Gostei da correcção que fez, ela demonstra que o Sr. tem capacidade de análise e que sabe exprimir com correcção os seus melhores pensamentos. Por isso nem vale a pena discorrer mais sobre o assunto em causa.
Queria dizer-lhe ainda que não sou um ego ferido, como parece supor, simplesmente tenho o hábito de estar atento aos actos falhados.

Raúl R Boldão disse...

Gostei da frase: "Gosto de estar atento aos actos falhados...", quer quer dizer que gosta de estar atento ao AV.... será?

Anónimo disse...

Ó Boldão, tenha lá paciência, toda a gente tinha percebido o sentido da coisa, sem ser necessária a sua perspicaz análise às profundezas (da falta) do pensamento da criatura! Mas começo a gostar de si, desse seu lado patusco ;-) Um abraço!

AV

Raúl R Boldão disse...

O Sr. Alfredo Vieira é um espécimen interessante. Dono de um sentimento de superioridade q.b.!! E claro, foi honesto no seu comentário: “os alunos de medicina são os melhore e mais inteligentes”!! Como alguém se insurgiu contra, reformulou-o, e serviu-o de uma forma mais diplomática. A isso chama-se demagogia, homem! Mas não é preciso andar aqui a enganar ninguém, porque basta fazer uma ou duas sinapses e utilizar só mais dúzia de neurónios para compreender a sua complexidade!

Para si é conclusivo: os médicos sabem, os médicos podem, os médicos mandam, os médicos, os médicos, os médicos…. Quanto a si, digo-lhe o que o Eng. Tilly já lhe disse uma vez (e só lhe digo mais esta): quando eu andava no equivalente ao ensino secundário, os alunos com melhores notas e mais inteligentes, enveredaram para as ciências exactas (os que forma estudar para a universidade, o que naquele tempo, como deve imaginar, não eram muitos): engenharias, matemáticas, físicas, etc… Os menos dotados, mas de famílias abastadas foram para medicina… (um deles é um cardiologista razoavelmente conhecido na praça pública, aluno medíocre, mas vingou e conseguiu ser bom médico)! Hoje em dia, as notas de acesso são claramente inflacionadas. Os alunos dos colégios privados e escolas “clubísticas”, preenchem grande parte dos cursos de medicina… as outras escolas por arrasto inflacionaram as notas de todos, para que os seus alunos pudessem ter acesso ao curso de medicina (e claro, existem aqueles casos, de alunos que merecem inteiramente as boas notas e a consequente entrada para medicina).
Nos cursos de físicas, matemáticas, etc… existe um fenómeno: existem os alunos que caíram lá de pára-quedas, sem motivação para o curso, e aqueles alunos cuja sua inclinação e escolha era claramente aquele curso! Estes últimos são distintamente inteligentes, dotados de uma capacidade mental e cognitiva invulgar (não é por nada que os homem mais inteligentes do mundo, eram físicos ou matemáticos). O homem que foi considerado como o mais inteligente de todos os tempos foi John Von Newmann, famoso matemático, Gauss (aquele cuja “curva” o Sr. AV tanto gosta de referir) foi outra personalidade invulgarmente inteligente… Feynman, Einstein, Fermi, Newton, John Nash (imortalizado recentemente num filme cinematográfico), Bohr, Pauli, Oppenheimer, Heisenberg, Murray Gell-mann, Hubert Reeves, Tesla, Lynds, Marconi, Euler, Alessandro Volta, Young, Faaraday, Doppler (este nome recorda-lhe algo?), Poincaré, Hertz, Röntgen (este nome recorda-lhe algo?), Planck, Curie, Rutherford, Cerenkov, Hans Bethe, Francis Crick (descobriu a estrutura do DNA… e era físico!), Schwinger, Charpak, Rubbia, Ting, Geiger, Moseley… entre outros! Como pode ver mentes brilhantes no mundo da física/matemática não faltam…

Não fique, Sr. Alfredo Vieira, com a ideia que medicina é um curso que só pode ser frequentado e concluído por alunos “muito inteligentes”… em Portugal, a questão centra-se no seguinte: devido à boa visibilidade social da medicina, todos querem candidatar-se ao curso para serem médicos… noutros países onde a representação social do médico não tem tanta relevância, são os alunos médios que frequentam o curso de medicina e são médicos como os outros todos… depois do 25 de Abril no nosso país entrou muita gente para a faculdade de medicina com médias baixas…e hoje são bons médicos… O que deita por terra o argumento que só conseguem ser médicos os alunos mais inteligentes… o que é deveras falacioso e presunçoso!

Digo-lhe mais, um aluno de inteligência média pode tornar-se um bom médico, mas um aluno de inteligência média não pode ser um bom físico!!

Em relação às horas extra dos médicos (mais uma vez…), reitero a minha explanação: não sou contra as horas extra (entenda-se de uma vez!), sou contra horas extra pelo topo da carreira (ou faço um desenho?)… acha justo alguém na base da tabela fazer horas extra e receber pelo topo da mesma tabela?? Andamos a brincar com o dinheiro dos contribuintes? Ou os médicos acham-se exclusivos e merecedores de mais regalias do que todos os outros? Que vos obriguem a fazer extra o problema é vosso… serem pagos de uma forma errónea, é um problema de todos nós, tributários do capital púbico… Não intentem ser ilusórios neste assunto, porque sabem BEM que não é correcto este tipo de pagamento… Agora, se for conforme o escalão de cada um, “daí a César o que é de César”… Quem está no escalão x, obviamente não tem direito a receber pelo escalão y!

No que concerne à capacidade de formação dos médicos pelas universidades existentes… Antes da existência dos actuais “numerus clausus”, todos sabem qual era o ritmo de formação dos médicos…! Se existem poucas escolas médicas, abram-se mais… Na minha opinião, a maioria dos médicos estão preocupados é com o mercado de trabalho e não com a qualidade da formação… Temem “menos dinheiro ao final do mês”… para falar em bom português!!!

Mas claro, vir acusar médicos para um blog de medicina, é a mesma coisa que gritar pelo F.C. Porto em pleno estádio da luz…

Mas… até é curioso ser um físico a impulsionar recordes de comentários num blog médico… irónico.


p.s. Achei muito interessante o amigo AV dizer "toda a gente percebeu o sentido da coisa..."... ora aqui está uma generalização do sentido literal da palavra... incongruente com o seu sentido anti-generalização que tem vindo a demosntrar... diz uma coisa e faz outra!

Medico Explica disse...

Sr Boldão: Desculpe que esta média mente lhe diga, mas o senhor ainda não percebeu qual o problema das horas extraordinárias. Informe-se. Segundo: físico é uma coisa, professor universitário é outra. Terceiro: este blog nunca teve comentários. A sua abertura coincidiu com a sua entrada. Quarto: apesar de médico e obviamente sub-humano, sou democrático e a favor da liberdade de opinião.

Raúl R Boldão disse...

Leia melhor o que escrevi. Então qual é o problema em relação às horas extraordinárias no meu comentário?

Medico Explica disse...

Informe-se melhor e verá que a sua afirmação não é verdadeira. Por muito que esteja informado sobre a minha profissão, ainda não compreendeu qual o problema das horas extraordinárias. A sua afirmação está errada e já expliquei neste blogue qual o problema.

Raúl R Boldão disse...

Resuma em duas linhas o problema principal das horas extra, s.f.f.

Anónimo disse...

Sr. Boldão

Estou tão arrasado com os seus dois parágrafos iniciais que só tenho que me subjugar à sua superioridade intelectual. Eu devia ter desconfiado que, quando entrou para Física, a Física era o melhor curso, e que nessa altura só os QI border-line iam para Medicina, essa pseudo-ciência que carece de interligações sinápticas (se eu percebi bem, as suas duas bastaram para desfazer a falácia), e cuja popularidade se deve a uma questão de moda.

Mas terei lido bem? Os mais "inteligentes" (sinónimo: que tinham melhores notas "sic") iam para ciências exactas? Quanta arrogância, digo agarrado ao meu cotovelo ferido....
O Sr. anonymous (o seu fã), vai mesmo aos arames agora. "Nem o Boldão...", estará ele a pensar neste momento....

Quanto ao interesse que suscita na classe, e isto vindo de médicos, Sr. Boldão, como lhe saberá dizer qualquer doente (assumido), nem sempre é bom sinal. Desconfio que muitos lêem os seus comentários com delírios oníricos sobre o interesse científico que terá esta psico-patologia, e a pensar em que revista publicar o artigo científico (desculpe, já sei: pseudo-científico), ou como ficaria o Sr. Boldão num póster sobre... bem, não vou cometer a crueldade de aniquilar a imaginação dos leitores. Até porque a descrição do quadro sindromático começa a ser concorrida por estas bandas....

Quanto ao seu post-scriptum, noto-lhe uma certa excitação perante a perspectiva de ter arrebanhado mais um discípulo. Não lhe desfaço a ilusão, o exemplo que vem da Dinamarca mostra que isso pode ter consequências devastadoras.

Bem haja, Sr. Boldão. Não se esqueça de continuar acutilante como sempre. Nós gostamos!

AV

Raúl R Boldão disse...

AV: tenha lá calma homem(!), voçê ainda se espuma da boca..

Luis C. disse...

Sr. Boldão:

Uma hora extra é considerada uma hora extra sendo paga segundo os seguintes esquemas.

Hora extra pelo indice 100 para especialistas - consoante a ocasião em que é realizada, e cito, noites, feriados ou fins de semana - pode ser paga sob a percentagem de 100%, 125%, 150% 200% etc...

Ora, existem 2 escalões de pagamento, o dos internos e o dos especialistas. Os internos não sao pagos pelo indice 100.

Ora, se o senhor reparar, quando refere que sao pagas pelo topo de carreira no máximo, repare que o salario dos topos de carreira é uma percentagem de mais de 100% do índice, que é 1900 e qualquer coisa euros. Logo, as suas afirmações são quasi totalmente erradas!

As horas são pagas a um preço fixo segundo são especialistas ou não, sendo melhor pagas quanto menos grata for o turno em que são realizadas.

São pagas segundo o critério: especialista - não especialista.

E há ainda os tarefeiros, que são individuos contratados fora dos quadros, pagos a um x por hora estipulado pelo contrato colectivo que o hospital realiza. POrtantos, não há injustiças de um medico especialista com 5 anos de carreira ser tão bem pago como um chefer de serviço... Ambos ganham o que trabalharem...E porquê? Porque todas as horas extra são trabalhadas na urgencia e taxadas segundo o turno.

Não acha que se nao fosse justo o governo há longos anos teria mudado isto?? No governo não há medicos para defender estes interesses...

Medico Explica disse...

Caro Luís C., também não é esse o problema das horas a que o dr Boldão de refere. Como vê senhor Boldão, a "coisa" é tão complicada que até para os médicos é dificil compreender...

Anónimo disse...

Desta feita não percebi.
Ainda me espumo da boca?
Ilumine-me, o meu neurónio está cansado... ;-)

AV

Anónimo disse...

Gosto da forma como retira da lista de pessoas mais inteligentes nomes como: Sócrates, Aristóteles, Platão, Rosseau, Kant, Locke... E a estrutura do DNA não foi apenas um feito do dr. crick. Houve mais pessoas envolvidas para além de um físico.
Achei curioso de ter falado de Einstein... Ele era um aluno medíocre que conseguiu ser eleito pessoa do século pela revista TIME.

Aquilo que acaba com a sua teoria é o facto que ao tentar generalizar tanto, acaba por ser tão reducionista e esquece-se que se o mundo só vivesse da física, não seríamos humanos mas sim robots. Há a escrita, a pintura, a literatura, a filosofia, a biologia, a química..., e até, a medicina.
E, é verdade, estou no 2º ano de medicina e até agora posso dizer que ainda não conheci pessoas que sejam donas de inteligências médias. Conheci algumas das pessoas mais inteligentes no meu curso e eu venho de uma família com grande "queda" para a matemática e para a física...

Raúl R Boldão disse...

Então devia saber que Einstein nunca foi um aluno mediocre.. os alunos mediocres não têm bases científicas para formular as teorias que ele formulou... leia biografia de Einstein... pode ter sido um aluno desinteressado (já conhecia todas as matérias que eram leccionadas nas aulas!), mas mediocre nunca foi...

Anónimo disse...

Luís C: desiste, meu caro.... Numa comunicação, há emissor (tu), há mensagem (boa), e tem que haver o receptor. E a não ser que estejas a querer passar a mensagem à saciedade, pseudo-endereçando-a a quem não a quer nem vai perceber, estás a perder tempo.

Bem sei que existem por vezes flutuações enganosas de lucidez aparente (também já me deixei enganar). Mas volta sempre ao mesmo. Tipo aquelas demências....

AV

Raúl R Boldão disse...

Refiro-me a este tipo de "coisas":

"Médicos querem horas extras pagas da mesma forma que as dos clínicos com contrato de exclusividade

Utentes estão a ser reencaminhados desde o dia 1 para Guimarães
As urgência de Obstetrícia e de Ginecologia do Hospital de S. João de Deus, em Vila Nova de Famalicão, não está a funcionar desde o passado dia 1. A partir das 21 horas e até às 9 horas, todas as urgências são reencaminhadas para o Hospital de Guimarães, confirmou o administrador do hospital, José Alberto Peixoto.
"Os médicos do serviço de Obstetrícia e de Ginecologia querem que as horas extras sejam pagas da mesma forma que as dos médicos que têm contrato de exclusividade. Não se trata de uma greve, porque os médicos continuam a trabalhar, mas só cumprem as horas a
que são obrigados por lei", diz o director do serviço, Mário Vieira da Silva.
Todos os doentes que forem às urgências entre as 9 e as 21 horas estão a ser atendidos normalmente, com equipas de dois médicos por cada turno. Durante a noite só funcionam os cuidados mínimos, assegurados apenas por um médico que cuida das situações de urgência interna, não procedendo a novos internamentos.
Segundo o administrador do hospital, José Alberto Peixoto, os centros de saúde e os bombeiros do concelho foram avisados para a situação e, ainda esta semana, pretende reunir-se com a Administração Regional de Saúde do Norte, para tentar encontrar uma solução para o problema.
O serviço de obstetrícia e de ginecologia é composto por 14 médicos. Contudo, há clínicos que não trabalham durante a noite e outros que não fazem serviço de urgência, devido à idade: é o caso dos clínicos com mais de 50 anos, que não são obrigados, por lei,a fazerem noite, e dos médicos com mais de 55 anos, a prestar serviço de urgência.
O JN tentou apurar até quando se vai prolongar a situação, junto da Administração Regional de Saúde do Norte. "Está marcada uma reunião, para esta semana, com o director do hospital para discutir este assunto e tentar resolver a situação", disse, ao JN, o assessor do director da ARS Norte."

Noticia publicada pelo Jornal de Noticias

Raúl R Boldão disse...

MÉDICOS RECEBERAM MAIS DE 373 MIL EUROS EM HORAS EXTRAORDINÁRIAS:
| - O Hospital Distrital de Faro pagou aos médicos 373.470,00 euros (74.878 contos) relativos a horas extras efectuadas por 84 médicos, entre o período de Março e Dezembro do passado ano. Esta verba corresponde a um suplemento que visa corrigir a desigualdade que existia entre os médicos em regime de 35 horas e os que trabalham em exclusividade (42 horas).

in Jornal do Algarve

Raúl R Boldão disse...

Médicos: Relatório acusa excesso de horas extra



Relatório acusa médicos de fazerem demasiadas horas extra
É quase um vencimento paralelo: os hospitais estão a violar a lei e a pagar aos médicos demasiadas horas extraordinárias. Contudo, não se verifica um aumento da produtividade.


A conclusão é de um relatório da Inspecção-Geral da Saúde, hoje divulgado na imprensa e segundo o qual a situação é praticamente generalizada nos 88 hospitais investigados.

Por lei, os médicos não podem receber mais de um terço do salário em horas extraordinárias. Ainda assim, é isso que acontece e de tal modo que os gastos com esta modalidade aumentaram mais de 50 milhões de euros só entre 2000 e 2002.

Ouvida há pouco pela RR, Ana Borja, presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa, confirma que estes custos estão a subir e explica que é aos conselhos de administração dos hospitais que cabe controlar o pagamento das horas extra, até porque, de acordo com o mesmo relatório, são os próprios médicos que preenchem os papéis referentes às horas que alegam ter trabalhado.

in radio renascença www.rr.pt

Medico Explica disse...

Então sr Boldão, sabia mas mentiu. Será que deliberadamente? Referiu-se ao "topo da carreira".

Olhe sr Boldão, eu que não trabalho em exclusividade ainda espero que me paguem os meus retroactivos desde 2004. E sabe, foi um Ministro que decidiu e penso que bem, pois o trabalho nas urgências é igual para todos, quer se esteja em exclusividade ou não e o valor de cada hora em exclusividade é maior que em não exclusividade. Quiseram nivelar por cima, paciência, agora que paguem ou mudem a lei.

Título de Jornal: "Professor Universitário ganhou em 2005 28 000 mil euros e trabalhou em Universidades distanciadas 100 km" (teoria boldiana)

Medico Explica disse...

Sr Boldão, sabia que até há pouco tempo os professores, incluindo os universitários, tinham redução de horário por motivos de idade e depois ganhavam horas extraordinárias por essas reduções? Que moralidade era essa? Reduziam 12 horas por semana por não aguentarem os alunos, mas para receberem mais 12 horas extraordinárias eram já valentes... Falta de moral há em todas as profissões, incluindo a medicina.

Luis C. disse...

Bem, apesar de já começar a acusar o cansaço de estar sempre a mostrar os motivos por detras das afirmações proferidas por senhores que nao têm o trabalho de as pensar, é com muito gosto que explico o seguinte:

- suponho que o período relativo ao pagamaneto dos tais 74.000 contos em horas extraordinarias se deve a 1 ano de horas extraordinarias. Ora, (arredondando) 84 médicos recebem 1000 contos extra num ano por horas extraordinarias.

1000 horas extra a 4 contos a hora são duzentas e cinquenta horas extraordinarias no ano.

Ora, isto dá, mais ou menos 5 horas extra por semana...(porque um ano tem 52 semanas).
QUE EXAGERO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

(Já foi dito que as horas trabalhadas no SU são ou devem ser pagas por igual...Todos as trabalham igual)

Isto é demagogia sr Boldao...Um fisico deve saber bem trabalhar com os numeros, para perceber que se disser o montante total por atacado vai impressionar muito mais que se disser por pessoa, pois é irrelevante!
Ganha mais um ministro em deslocações, do que um médico a trabalhar no su.
Suponhamos, tb se o senhor der uma explicação por dia a 20€, no final do ano amealhou 6.000 e muitos euros...e so explicou uma hora por dia... Isto é so para comparar, senhor Boldao!
Assim, espatifando numeros astronomicos no ecrã do pc so engana os imberbes e sem cabecinha para pensar!


Sobre as horas extra e produtividade.

AS horas extra são nas urgencias, portanto a produtividade nas urgencias é garantir que ninguem assente moradia lá a espera de ser atendido!! Capicce? Acho que não e preciso dizer mais nada...

Querem medicos pagos a soldo de empregado de macdonald's? Pois tenham-nos, que quem tiver 2 palmos de testa percebe que só sai a perder, e depois acabara ate por querer que se pague o trilo ou o quintuplo para falar com alguns dos que antigamente la estavam! Por mim, tudo bem, so saimos a ganhar, e a ganhar muito. Deixem-nos...

Se não ha aumento da produtividade, é porque os parametros que estao a ser medidos são errados, as considerações feitas sobre os dados erradas, os objectivos propostos errados...Ou seja, o economista é mau, e os curtos de vista e inteligencia não compreendem as verdadeiras razoes pelas quais o nosso mundo se movimenta! Lá está, individuos mediocres a tentarem perceber o que o seu inelecto nao consegue reproduzir...O que dá? asneira...

Para que consolidem esta ideia recomendo a leitura de Freakonomics, um livro de Steven Levitt.

Este mundo é para todos, mas apenas alguns sabem realmente cá andar...Portanto, Sr. Boldão, mais uma vez, se não sabe do que está a falar, provavelmente vai dizer asneiras...Ora, de asneiras estão as nossas ruas e os nossos albergues nocturnos cheios!

Falácias é para os políticos, teorias para os matematicos, mas a verdade das coisas é para todos.

Aqui, o unico que anda enganado é você, porque se não andasse, provavelmente estaria disfrutar do seu carrao numa praia tropical a perder tempo a pensar em novas maneiras de evoluir e avançar, com a sua própria vida...

Isso da igualdade é o seguinte, se todos nos praticarmos a concorrencia segundo as leis estipuladas, toda a gente vai para a frente, a igualdade obtem-se! ora se quiserem ser iguais a tirar em vez de tentar conseguir, cria-se a desigualdade e os mais fracos são literalmente triturados. A história já nos repetiu esta fábula centenas e centenas de vezes!

Por exemplo, não e nenhuma surpresa se os partidos de extrema direita começarem a erguer-se novamente, a sociedade bater no fundo, o crime explodir e a violencia tambem e rebentarmos numa guerra onde ganha quem tiver mais....

Portanto, o senhor está a jogar do lado errado da barricada...

Raúl R Boldão disse...

O montante refere-se a um diferencial entre a dxclusividade e não exclusividade.

Se o trabalho deve ser todo por igual a todos... então um professor com um dia de profissão deve receber exactamente o mesmo vencimento do que eu, já com décadas de profissão... se pensar bem, todos fazemos o mesmo...
Nem tudo pode ser assim!... se existem escalões e índices na função pública é para serem respeitados e servirem de referencia para os vários pagamentos...

Acerca das horas extra dos médicos, vá ao site do IGIF e leia bem quantos milhões de euros pagou o erário público aos srs. doutores...!

C. Nogueira disse...

Ó Boldão não vale a pena! Esses senhores que gostam de se intitular doutores nunca vão admitir que o processo de pagamento das horas extra é injusto. Nem nunca vão admitir nada de nada (e não falo só nas horas extra)... Haviamos de ter uma limpeza a sério na Função Pública. Bem, se fosse muito a sério ficávamos só com meia dúzia de médicos, e esses iam-se consolar de ganhar dinheiro. Vou-me calar que já estou a dar ideias aos doutores!!

Medico Explica disse...

BOLDANICES: "De acordo com este semanário, em média, cada médico, declarou como rendimento ilíquido anual, em 2003, qualquer coisa como 307.985€. O que, em moeda antiga, já sei que não estão para fazer contas por isso faço eu, representa, qualquer coisa como 61.745 contos. Ou, mensualizando, se tivermos a bondade de contar 14 meses por ano (com subsidio de férias e Natal) , 4.410 contos por mês."

O sr Boldão e seus acólitos já demonstrou que o seu grande problema são os ordenados dos médicos. Resumindo: INVEJA. Sempre foi um problama dos portugueses. A INVEJA e a HIPOCRISIA. O Sr Boldão diz que conhece médicos prevaricadores e afirma que os não denuncia porque são seus amigos.

Mas estou consigo Sr Boldão, também estou com inveja destes números que apresentou: se eu ganhasse 4,5 mil contos por mês, nem perdia tempo a discutir consigo. e Você refere que é uma média. Eu quero o meu dinheiro. Quem se está a abotoar com a minha parte?

Serafim disse...

Um dia o meu carro avariou e chamei um mecânico. Eu chegou lá, olhou, desapertou um parafuso, tirou uma anilha, soprou, voltou a pôr tudo no lugar e cobrou-me, na altura, 2.500$00.

Eu disse-lhe "dois contos e quinhentos por soprar para uma anilha..."
Ele respondeu: "Não. Por soprar é só 1 escudo. Os outro 2499 escudos são por saber onde se sopra."

DO mesmo modo, quando se paga uma hora a um médico não se está a pagar só essa hora. Existe a amortização de um custo enorme que deve pagar muitas coisas:
- o facto de ele ter perdido a sua adolescêcnia a estudar para entrar na faculdade,
- o facto de ter frequentado o curso mais longo e trabalhoso que existe,
- o facto de, depois de de ter uma licenciatura ter feito mais dois anos de internato geral, sujeito a tutela e hierarquia e todo o tipo de arbitrariedades pelos chefes,
- o facto de ter perdido mais um ano em que nada mais se faz a estudar para entrar para o Intewrnato Complementar, para um dia poder ser especialista,
-o facto de ter frequentado um Internato Complementar, com exames, trabalhos, visitas médicas, avaliações diárias,
- o facto de estar a lidar com a matéria prima mais nobre e a que exige mais responsabilidade,
- o facto de o falhanço ser intoleravel e intolerado nesta profissão,
- o facto de verdadeiramente não haver folgas e muitas vezes o doente vir para casa com o médico, sob a forma de preocupação, de estudo, ou até de telefonemas.

A sociedade, e principalmente as pessoas que tendem a exigir mais dos médicos, tendem a considerar que a profissão médica é especial, por isso tem obrigações especiais. Esquecem-se normalmente de reconhecer que deveria haver alguma contrapartida.

Em vez de dizer que os médicos ganham demais, deveriam defender que as condições de trabalho podiam ser ainda melhores. Como doentes lucrariam.



Não era preciso dizer, mas... eu sou médico.