quinta-feira, fevereiro 16, 2006

Um Médico Às Mãos do Sr Dr Boldão!

  Posted by Picasa

20 comentários:

Patricia disse...

Devia aparecer um aviso antes de abrir o blog! Ai ai ai que ia deitando fora o almoço :\

Sandra Feliciano disse...

ahahahahahahahahah...

tou aqui que nem posso, MEMI!!! :-D

Pedro G disse...

As teorias Boldanianas

Estou a fazer um estudo sobre esta recente corrente de pensamento, pelo que queria partilhar algumas conclusões.

“Boldanianismo: corrente do pensamento que permite, a partir do conhecimento profundo que se tem das características de escassa parte, poder generalizá-las ao todo. De acordo com esta corrente de pensamento, a simples extrapolação credibiliza uma teoria, podendo ser ainda ser suportada por certos artifícios de pensamento.”
In “O meu dicionário” – Edição do autor

Pedro G disse...

Artifícios Boldanianos
As teorias boldanianas são facilmente suportadas e dificilmente rebatíveis em virtude de certas estratégias interessantes que vamos de seguida abordar.
Um desses artifícios é a utilização de argumentos lógicos e defensáveis para destruir as teorias contrárias, tendo o devido cuidado de não usar os mesmos argumentos para a construção da teoria que se quer defender. Um exemplo: teoria boldaniana - “conheço uns médicos corruptos e portanto os médicos são todos corruptos, aliás como toda gente sabe”; argumento – “de acordo com o barómetro TSF os médicos estão no topo das profissões que recolhem mais opiniões positivas”. Este argumento é claramente absurdo porque a estatística é a ciência menos científica que existe (a seguir à medicina) e a amostra não é representativa e foi feita por telefone e provavelmente aos familiares de médicos que beneficiam do seu gordo salário e dos estofos de pele da sua viatura, etc, etc. Já a teoria em si, baseada no “eu acho que..., conheço um médico que..., toda a gente sabe que...” é de longe cientificamente mais defensável.
Outro alicerce de uma teoria boldaniana é a utilização da chamada “opinião pública”, que pode ter como heterónimo “senso comum”. Esta entidade anónima apoia de forma inestimável uma teoria ao fazer desvanecer a responsabilidade pessosal do autor no meio de uma responsabilidade imensamente maior e anónima (portanto inatacável). A opinião pública sabe que os médicos ganham tanto mais quanto menos fizerem; e como nenhum faz nada, auferem um rendimento que permite fazerem-se todos transportar em carros de luxo. Se alguém não concordar com esta afirmação do senso comum, é porque será com toda a certeza um ser incomum.
Complementando este alicerce, temos ainda as notícias dos jornais. A opinião pública sabe que os jornais são instituições não lucrativas, que têm como objecto de trabalho a Verdade na sua maior pureza e como objectivo a sua divulgação ao maior número possível de pessoas. Notícia que saia na capa do Correio da Manhã ou do 24 Horas (um recente mártir às mãos das forças anti-Verdade) é de certeza tão pertinente quanto verdadeira. Dir-se-ia mesmo que a opinião pública e a verdade jornalística actuam em verdadeira simbiose na credibilização de uma teoria boldânica.
Outro suporte do boldanismo são os monstros que assolam o inconsciente colectivo. Um preto, digo um melanodérmico, quando é preso por ter assaltado uma loja, é vítima de Racismo. Da mesma forma uma viúva idosa a quem não é permitido casar com o seu gato companheiro de longos anos, é vítima de Descriminação (e a Constituição proibe a mesma em relação à orientação sexual, sem especificar que tem que ser intra-espécie). E um médico que tenta defender-se de acusações gratuitas e injustas está apenas a ser Corporativo. Portanto, os argumento contra uma teoria boldânica menos favorável ao médico são automaticamente descredibilizados por serem fruto do Corporativismo.
Uma teoria boldânica é também suportada por afirmações (ou perguntas retóricas) pujantes, ignorando todos os aspectos relevantes que poderiam torná-la menos sólida. Por exemplo, a teoria de que os médicos portugueses são os lenocinas do erário público, ao terem um salário superior aos congéneres espanhois, pode ser enfatizada com a questão retórica “será que Portugal é um país mais "endinheirado" que Espanha?”, ignorando o pormenor de que em Espanha os salários são globalmente bastante superiores aos nacionais e que nesse mesmo país há licenciados em Medicina no desemprego.
O que existe de filosoficamente apaixonante no boldanismo, é a perversão do processo de geração do conhecimento. Primeiro nasce a teoria, quer por geração espontânea, quer da percepção individual que se tem de algo. Seguidamente procura-se, em vez de testar a sua veracidade, garanti-la pelos meios possíveis. Por fim tenta-se proteger essa mesma teoria contra todas as intempéries adversárias.

Pedro G disse...

E por falar em geração espontânea... Esta teoria surgiu empiricamente a partir da observação do nascimento de seres vivos em matéria putrefacta. Posteriormente alguém tentou contrariá-la, fechando matéria putrefacta num recipiente e verificando que não nasciam larvas de mosca, ao contrário do que acontecia com a mesma matéria num recipiente aberto. A defesa boldânica da teoria da geração espontânea defenderia algo do género que tal se devia a que as moscas tinham medo do escuro...
De acordo com esta filosofia foi já possível chegar a algumas conclusões importantes neste blog:
Que o país “tá como tá” em virtude do mau estado da educação, o qual deriva directamente de os professores serem profissionalmente reprováveis ao dedicarem o tempo lectivo ao jogo do berlinde e às suas próprias aulas de ginástica. E também de serem moralmente reprováveis ao desfrutarem sexualmente dos cônjuges alheios.
Que os médicos são corruptos, com centenas de estratagemas para extorquir dinheiro ao magro orçamento do Ministério da Saúde e com ele comprarem os potentes carros em que se locomovem ( lembre-se por exemplo o médico Ferreira Diniz!)

Pedro G disse...

Descobri, se bem penso postado pelo MEMI, que uma hérnia encarcerada se pode manifestar por tosse. Aderi ao boldanianismo! A partir de hoje vou passar para a cirurgia qualquer doente que se apresente na urgência com tosse. Quando descobrir que uma dor de garganta pode ser fruto de uma epidural feita há 11 anos, que uma panoftamia se pode manifestar por fala de ar, edemas marcados e farfalheira intensa e que uma hemiparésia poderá ser manifestação de uma fractura do colo do fémur, deixarei de ser necessário na urgência do meu hospital. Vou então abdicar dessas horas extraordinárias que me obrigam a fazer, e que contribuem para a pornográfica delapidação do erário. Talvez posssa finalmente dedicar-me a trabalhar para algo verdadeiramente edificante e para o qual estudei e continuo a estudar – ter o meu Jaguar (Mercedes têm os construtores civis e eu não quero ser confundido!).

Pedro G disse...

Oração a S. Boldão

Boldão nosso que estais na cátedra,
Santificado seja o Vosso nome
Venha a nós a Vossa sapiência
Sejam seguidas as Vossas teorias
Assim pelos jornais como pela opinião pública,
A censura Vossa de cada dia nos dai hoje,
Perdoai-nos os nossos Mercedes
Assim como nós perdoamos quem nos ofende,
E não nos deixeis cair em mão de médico,
Mas livrai-nos desse mal,
Amén

(escrito por um médico corporativista)

Pedro G disse...

Boldanices comentadas

"Qual será o motivo que faz com que a classe médica seja o inverso de todas as outras... ou seja, são mais bem pagos aqui do que na terra de nuestros hermanos!"
(Deve ser um motivo tão insólito quanto o que leva os médicos espanhóis que fazem a especialidade em Portugal quererem regressar a Espanha.)

"como é possível que um médico espanhol, ganhe menos do que os potugueses?", será que os médicos portugueses têm algo que os médicos espanhóis não têm??"
(Sim. Um carro de alta gama.)

"Mas também quando um interno português começa a ganhar tanto dinheiro no início da carreira, penso que o meu vencimento como professor universitário é deveras baixo."
(A julgar pela argúcia das suas afirmações, eu acho que é demasiado elevado!)

"É o que de bom têm a medicina portuguesa, sendo confirmado pelo nosso 12º lugar no ranking da OMS!!" - Esta espantou-me! Quem ler isto, fica a pensar que é graças aos médicos... o que não corresponde à verdade! O SNS é que ficou posicionado em 12ª lugar no ranking da OMS... graças a um sistema gobal de profissionais e instituições, onde os médicos são uma parte de um todo global onde se incluem: médicos, enfermeiros, técnicos diagnóstico, nutricionistas, assistentes sociais, auxiliares, administrativos... até porque este ranking têm a haver com questões que não estão directamente relacionadas com a prática médica!
(Se afastassem os médicos do SNS estaríamos de certeza mais bem classificados! Felizmente existem todas as outras profissões do SNS que diluem a imoralidade e incompetência dos médicos.)


"O que me questiono é: será que um médico com o mesmo tempo de serviço, aufere o mesmo do que eu? Aufere mais, ou menos? Não quero saber a resposta, porque à partida sei que o rendimento de um médico com o mesmo tempo de serviço que o meu, é superior. Mas, será correcto? (A julgar pelos seus argumentos, parece que sim. Também não acho correcto que o Presidente da República ganhe mais que eu. Já me disseram que não posso comparar alhos com bugalhos, mas mesmo assim não me parece bem.)

"Gostava de ter um BMW ou um mercedes, como quase todos os médicos têm."
(Onde posso ir buscar o meu??!!)

"atribuo muita importância à distribuição salarial equitativa numa sociedade de direito e livre expressão."
(Nisso estamos de acordo! O Tozé das Bejecas, que tem um café aqui no bairro, devia ganhar o mesmo que eu. Infelizmente para mim, ele ganha mais e tem um BMW.)

"Pode parecer um pouco parolo estar a discutir isto aqui e desta forma, mas bem sabe que eu não perco uma oportunidade para "pisar uns calos" aos médicos..."
(Só um pouco... Eu nos meus tempos livres - leia-se quando não estou a maltratar doentes – prefiro jogar à bola.)

"porque a maioria dos médicos gosta de ostentar, mesmo que não tenha possibilidades para o fazer..."
(Já tentei mesmo vender a minha mãe para poder ostentar um potente carro. Deram-me pouco dinheiro por ela. É professora!)

"Não precisei de ler muitos mais posts para compreender melhor o “perfil psicológico” do MEMI."
(Acho que passou ao lado de uma brilhante carreira de psicólogo!-não de psiquiatra, que para isso teria que ser médico. Que horror!)

"Mas como em filosofia estou de certeza absolutíssima mais “à vontade” que o amigo (e porque um físico nem só de física percebe!)" (Diria mesmo, espero que ao menos de física perceba, já que de médicos é por demais óbvio que não.)

"é que estes senhores que nos disponibilizam as notícias do mundo (jornalistas) passam a vida a redigir artigos a indiciar médicos (segundo o MEMI de uma forma injusta), no entanto, nunca vi um jornalista a escrever uma notícia a dar conhecimento que um professor universitário foi acusado disto e daquilo..."
(será da irrelevância social deles ou pelo facto de de os seus erros só se notarem na geração seguinte, ao contrário do erro médico? Da minha parte, peço desculpa pelo facto de o médico (tal como o padre) pertencer ao imaginário colectivo do Homem, ao contrário do professor universitário.)

"o cerne da questão é que todos sabem que a generalidade dos médicos faz isto ou diz aquilo."
(Na generalidade TODA a gente geralmente sabe que geralmente TODOS os médicos são a pior criação de Deus. E caso sejam humanos- facto por provar-contrariam a tese do homem criado à imagem e semelhança de Deus)

"Quem é que nunca recorreu ao SU de um hospital e foi maltratado por um médico?… ou simplesmente ignorado?.. ou até tratado de uma forma depreciativa por alguém que se pensa superior em relação ao resto dos humanos?"
(em relação ao resto dos humanos não. Mas em relação ao Dr. Boldão é difícil não se sentir superior.)

"Pelo facto de um médico estar a ser acusado de pedofilia (Ferreira Diniz), eu não venho cá dizer que todos são pedófilos…"
(se dissesse, ninguém estranharia...)

"Agora, vá perguntar a alguém que encontre na rua, se os médicos são amáveis ou respeitosos e ficará espantado com as respostas!!! Não é preciso nenhum estudo sociológico!"
(claro que não é preciso nenhum estudo, muito menos um tal barómetro TSF. Basta a opinião avalizada do Dr. Boldão e a sua firme crença que isto é assim)

"Mas eu só vejo uma classe permanentemente em greve neste ou naquele hospital, sempre com o objectivo de se lhe pagarem horas extra…sempre horas extra…!!"
(Se SÓ vê isso, talvez esteja na altura de comprar óculos. Hoje em dia é já possível comprar óculos - e com receita para descontar pela ADSE passada pelo optometrista - sem ter que recorrer a um médico.)

"Se o seu problema é ser médico, e trabalhar muitas horas seguidas, não fosse para médico… simples! Já alguma vez me ouviu aqui queixar do meu trabalho?"
(De facto não. Só se queixa que não tem um carro de boa marca e que ganha menos que os médicos.)

Mário de Sá Peliteiro disse...

Muitos dos comentários deste post e do anterior revelam muito sobre a atitude "Portuga".
Enquanto que aqui se passa o tempo discutindo se os médicos e os professores ganham mal ou muito mal, empreiteiros habilidosos, com a 4ª classe de adultos, dão gorjetas de 40.000 contos a vereadores!
Num país onde as grandes fortunas se concentram, onde imperam as negociatas, a corrupção, os negócios obscuros, a inteligência desse país perde-se em zaragatas fraticidas deixando que a plutocracia os explore cada vez mais.
Os médicos e os professores ganham mal, digo eu, mas daqui a 10 anos ganharão pior, disso podem ter a certeza.
Por exemplo, enquanto que os médicos guerreiam com os seus primos farmacêuticos, afundando-os sempre que podem e em tudo que podem, as Sonaes, os Mellos, os Espíritos Santos, as Medis, etc, etc espalham os seus tentáculos e preparam-se para os transformar em meros técnicos, empregados amorfos, moços de recados.

Enquanto que aqui os comentadores parece que se orgulham de ter um carro mau e de ter um salário miserável, alguém estará a cogitar a melhor forma de futuramente os explorar.

Fazem bem, continuem a vossa masturbação masoquista colectiva.

Se quiserem um novo tema para desancar, posso dizer-vos que tenho um Mercedes E, moro num T5 em frente ao mar, tenho uma casa de montanha no Gerês e sou cliente de private banking. Não me parece muito tendo em consideração o quanto estudei, trabalhei e arrisquei. Entretenham-se.

Medico Explica disse...

caro Mário Sá Peliteiro, tem toda a razão no que diz, mas sabe que retirar comentários não fica bem. Mas olhe que muitos, de tão primários e com teorias boldonianas, deveriam sê-lo.

Luis C. disse...

Caros,

Os blogs são um fenómeno excepcional que nos permite, além de tudo o resto que seja possível e imaginário, estudar um pouco de psicologia!

Há uma máxima que vem de tempos longínquos da minha infância, que é a seguinte: "Dinheiro gera dinheiro"!

Os homens desde os mais velhos tempos sempre foram uns trastes, corruptos, avarentos e gananciosos. A diferença é que uns merecem o que ganham e outros não. Portanto, e partindo do comentário do Mário Peliteiro, sugeria a todos os meus colegas, que por uma vez deixassemos de pensar cada um no seu umbigo e começassemos a pensar no grande umbigo que é a nossa classe, tornando-nos definitivamente os verdadeiros corporativistas, ganhando muito dinheiro, evitando que nos escravizem, vergando as vontades aos nossos pontos de vista, tendo sempre em conta fazer melhor e merecer o que ganhamos. Não podemos deixar que nos usem como ferramentas mas devemos ser os mestres que usam as ferramentas!!

Se existem grandes "grupos de saúde" que não tem nada a ver com médicos (apenas entraram neste negócio porque tiveram dinheiro para o incicar), sendo os médicos seus empregados, lanço a seguinte sugestão:

- porque não nos associamos nós os médicos, criando o maior grupo de prestação de cuidados de saúde português e utilizamos gestores por nós escolhidos como instrumentos?

Se não são de confiar os "instrumentos" portugueses, existem no estrangeiro instrumentos alternativos altamente confiáveis! O negócio seria criado por nós, nosso, gerido por nós e o nosso local de trabalho...teria tudo para ter sucesso, e para todos termos aquilo que sempre desejamos, seja um carro, uma casa, um stradivarius, um piano, um picasso ou o que quer que seja...

Não nos devemos deixar escravizar, porque ao deixar que nos escravizem perdemos o controle das nossas vidas... poderá parecer que saimos a ganhar no imediato, mas uns anos após a diferença será gigantesca!!!

Colegas, deixo isto à vossa consideração,

Cumprimentos

Raúl R Boldão disse...

Em parcas palavras - porque o sr. ou suposto sr., não merece mais - gostaria de dar as boas vindas ao sr. Pedro G. – um neo-iluminado no panorama das acusações surrealistas! Estávamos a carecer de uma lufada de ar fresco… mas, para mágoa de muitos “leitores ávidos de sangue”, o que diz nem uma lufada é! Néscio.

Só li aproximadamente ¼ dos seus comentário, porque de atrocidades e imbecilidade já estou eu farto… e de “neo-pseudo-intelecto-iluminados” ainda mais! Por isso nem os comento…

No entanto, denotei uma elevada apetência pela minha pessoa, desde já o aviso: na afamada curva de Gauss (que o sr. AV tanto adora), no que toca à sexualidade, eu situo-me no ponto máximo do eixo dos yy, que coincide com a faixa central do eixo do xx, ou seja, sou heterossexual. Por isso, apesar da sua obsessão pelo sr. Boldão, agradeço a predilecção, mas deve estar equivocado na pessoa.

Raúl R Boldão disse...

Rui Frade… Médico usurpador e mentiroso ou altruísta? Como a generalização lógica e unânime não é bem-vinda neste blog, falemos então em casos particulares que contribuem para um todo chamado “classe médica”…
O sr. Rui Frade, por bom gosto e iniciativa própria auto-intitulou-se psiquiatra. Coloco duas opções: ou era um homem abnegado dono de um espírito humano grandioso, ou um simples mentiroso licenciado em medicina cujo propósito era sacar dos utentes avultadas somas monetárias (altamente provável)!

Mas não… o sr. Rui Frade, como bom homem que é, nos seus cartões de apresentação profissional, não coloca “médico psiquiatra”, mas sim “médico psiquiatria”… o que na realidade é bem diferente… se assim o sr. Juiz o entender! O gosto pela ajuda aos utentes do foro psiquiátrico era tanto que decidiu ocultar e deturpar a verdade em prol de tantos os que precisavam da sua ajuda… a troco de 80 euros a consulta, claro!

Mas como os seus argumentos são avassaladores em pleno tribunal, no intervalo, em frente às câmaras da televisão (RTP, SIC, TVI) exclamou: “o sr. Juiz deu-me um intervalo para fazer xixi”… o que deita por terra a teoria de médico mentiroso… embora fosse descoberto depois que nem isso era verdade, pois ao que consta, o sr. foi fazer cocó””.. e pensar um pouco mais como articular o seu processo defensivo!!

Mas como em justiça existe um fenómeno chamado “presunção da inocência”, ou seja, alguém é sempre considerado inocente até que se prove o contrário… o sr. Rui Frade para já um bom homem, filantropo e bem feitor (tentou ajudar o sr. “Bibi”) até que se demonstre o contrário… e claro, a usurpação foi por uma boa causa, até porque segundo o sr. Rui Frade, ter ou não ter uma especialidade vai tudo dar ao mesmo… o que é um excelente louvor ao ensino da medicina.

Anónimo disse...

eheh...boa! Se calhar Pedro G. é Pedro Gay... esta até doeu! O Boldão pode ser muito tolo mas manda umas bem afiambradas!!! A da curva de Gauss está imbatível!! Tendo em conta o dirsurso e a forma inciva como fala, se realmente o Boldão é um professor associado de física, até suspeito quem seja! Por acaso o Dr. Boldão não têm o hábito de chamar os alunos de "abéculas"? (só lhe pergunto isto)

Raúl R Boldão disse...

Ao Sr. Anónimo: Não. Não chamo abéculas aos meus alunos.

SATANUCHO disse...

bom dia, uma questão que não tem nada a ver com o post,
O hospital de ponta delgada tem inficiencias de pessoal médico que se tentou corrigir este ano , foram abertas 11 (onze) vagas para entrada directa para o quadro, sem passar pela casa da partida e em ganhar 2 contos, como se dizia antigamente. Nenhuma delas foi preenchida por falta de candidatos.Eu sei que isto é um fim do mundo mas o que é que se pode fazer para servir a população condignamente ???? alguem tem sugestões???
já se fala na contratação de medicos espanhois...

Medico Explica disse...

Santanuxo, que quer que lhe diga? Há países com regiões muito mais longíquas que os Açores e têm resolvido o problema. Eu acho que se se pagar bem ou mesmo muito bem, rapidamente arranjam médicos para ir para lá trabalhar. Quanto aos espanhóis, é um filão que se está a acabar...

Raúl R Boldão disse...

Satanucho: está a ver porque é que a falta de médicos e uma situaçãoi cómoda e vantajosa do ponto de visto de mercado para a classe médica? Repare no que diz o memi: arranjam médicos para lá se "pagarem bem ou muito bem"... Se houvesse mais oferta de que a procura até se "arranhavam" para ir tomar posse dessas vagas... Assim, ainda que de uma forma legítima, tem possibilidades para fazer exigências monetárias...a abertura de mais faculdades de medicina era uma solução para muitos "problemas" do sistema de saúde.. pelo menos colovava-se "uma rolha" na boca reivindicativa dos médicos ávido-capitalistas!!

Raúl R Boldão disse...

Ser Sr. Doutor já não é o que era...

Porque o acesso ao ensino superior foi privilégio duma minoria restrita, os títulos "Sr. Doutor", "Sr. Engenheiro", "Sr. Arquitecto" ainda representam um estatuto social para uma geração à qual este ainda ficou vedado, mas que agora vê os seus filhos consegui-lo.
Enganado: Os filhos conseguem os títulos, mas não os privilégios nem o prestígio, que lhe pertencia. Tem lógica: Uma elite, tornando-se maioria, deixa de ser elite.

Não tenho muito pena pela ambição social frustrada.
Se agora concorressem os licenciados, sob o critério da competência em vez do da classe, o eventual sobreinvestimento na formação superior até economicamente se justificava. Mas não sei se isso já acontece aqui. Na Alemanha sim: Os médicos, por exemplo, já não ganham fortunas, em vez disto o doente tem escolha e é bem tratado por isso: como cliente.

in http://quaseemportugues.blogspot.com/2004_12_01_quaseemportugues_archive.html

Raúl R Boldão disse...

E porque afinal o "senso comum" não é só o sr. Boldão:

Deixem lá os médicos em paz...

Todos nós sabemos que muito se foge ao fisco em Portugal. Especialmente os profissionais liberais. Mas, pelo que deduzo da leitura do Semanário Económico, essa não é a realidade de todas as classes incluídas no lote dos profissionais liberais.

De acordo com este semanário, em média, cada médico, declarou como rendimento ilíquido anual, em 2003, qualquer coisa como 307.985€. O que, em moeda antiga, já sei que não estão para fazer contas por isso faço eu, representa, qualquer coisa como 61.745 contos. Ou, mensualizando, se tivermos a bondade de contar 14 meses por ano (com subsidio de férias e Natal) , 4.410 contos por mês.

Ora bem. Ainda de acordo com o mesmo semanário, grande parte dos profissionais liberais que tenham adquirido automóveis de valor superior a 50.000 (10.000 contos) serão auditados.

Parece-me mal! Lá porque a média dos médicos em Portugal pode comprar um carro de luxo de três em três meses, não quer dizer que fujam ao fisco. Mais... se um qualquer profissional declarar ao fisco que ganha, por mês, qualquer coisa como 4.500 contos, por que raio é que acham que ele anda a fugir ao fisco?!

Bem, aparte a, aparente, gralha do Semanário Económico (até a ilustração tem os mesmos números, pelo menos foram coerentes), passemos a conversa mais séria.

Ainda de acordo com o artigo do SE, baseado em números oficiais, os louvados ganham, em média, 2.503€ ilíquidos por ano. Qualquer coisa como, em moeda antiga, 36 contos por mês. Coitados... vão morrer de fome!

O quê?! Não sabem o que são louvados?! Eu também não sabia, mas de acordo com o Dicionário da Língua Portuguesa Contemporânea, da Academia das Ciências de Lisboa, são avaliadores, ou peritos.

Mudando de assunto. Eu também não gosto de touradas. Só mesmo da pega! Essa parte ainda é equilibrada! Mas presumo que os toureiros ainda gostem menos de touradas. É que, dos 46 registados como profissionais liberais, em média, ganham 3.072€ ilíquidos por ano. Mais uma vez, cerca de 44 contos por mês. Taditos!

Para terminar, que já chega de palhaçada, os Analistas de Sistemas ganham, em média, por ano, 7.607€. Ok! Cerca de 109 contos por mês. Só podem estar a brincar! Eu, quando subcontrato estes gajos, pago-lhes em média 500 contos por mês! Fazendo contas: 500.000$00 x 12 = 6.000.000$00 / 14 = 428.571$43 por mês.

Ou seja, se eles dizem que ganham, por ano, 7.607 € e eu lhes pago, em média, 29.927€ é porque andam a fugir ao fisco em 22.320€ de base de imposto! E ainda falam dos médicos! Mesmo que estejam a fugir ao fisco, pelo menos declaram valores bem altos de rendimentos!

E não digo mais nada! É que eu trabalho por conta de outrem, e não fujo aos meus impostos!
_____________________________________



Para quem não percebeu a piada dos médicos, também não vou explicar!



in http://orelhasquentes.blogs.sapo.pt/arquivo/303976.html