quarta-feira, setembro 27, 2006

Que Vergonha, Senhor Ministro!

Do jornal virtual do SIM (Sindicato Independente dos Médicos)

"Numa das suas entrevistas, desta vez ao Semana Médica e publicada na edição de 21-27 de Setembro, o responsável máximo da Saúde confessa que nem sabe o nome da sua Médica de Família e diz acreditar que seja uma situação comum a muitos portugueses. E adianta que com as USF vai haver um contacto de pessoa a pessoa.

Fica mal ao Senhor Ministro o nem saber o nome da médica a quem deveria caber a gestão da sua saúde.

Talvez se utilizasse os seus préstimos não precisasse de recorrer ao Serviço de Urgência (já que SAP nem vê-lo.) quando está doente.

Que mau exemplo!

Ah. e já agora, Senhor Ministro da Saúde, deveria saber que a situação comum a muitos portugueses é saber o nome do seu ou da sua Médico(a) de Família, com o(a) qual têm um contacto pessoal com ou sem USF."

USF - Unidade de Saúde Familiar

11 comentários:

Anónimo disse...

Oh por favor.. Mais do mesmo vindo do mesmo.. Não pára de nos surpreender.. Sim as USFs vão ser totalmente diferentes.. Gostava de saber o porquê!? Então não vão ser os mesmos médicos e os mesmos pacientes? Este ministro só contribui para a ideia (totalmente errada, pré-concebida e de quem nunca realmente esteve por dentro dos cuidados primários) da descredibilização dos clínicos gerais. Quando eu, da minha pouca experiência clínica, penso que são os mais inteirados, os mais preocupados, aqueles que realmente estão lá para o doente e a quem mais o doente conhece o nome. É preciso mudar as mentalidades mas com exemplos destes fica difícil... By the way Medicina não é só Lisboa e Porto, gostava que o sr. ministro se dignasse a passar pelos centros de saude em trás-os-montes. Talvez conseguisse perceber que o simples acto de colocar um soro ou de controlar uma hemorragia (vulgo estabilização do paciente) pode salvar vidas, vidas que não aguentavam até ao Hospital de Bragança.. E como a VMER não está ali em cada esquina e os recursos são poucos, ou não se tratasse de Portugal... Cá para mim este ministro devia começar a aprender o nome da sua médica, porque por este andar se ele for à urgência inda é recambiado para um SAP (esses sítios hediondos!) Eu se fosse sua médica é que não queria saber o seu nome...

Anónimo disse...

Eu gosto do nome da minha, drª Dª Inexistência (não tenho)


Cumprimentos


AS

Anónimo disse...

Acredito que muitos portugueses como o Sr. Ministro não saibam o nome do médico de familia porque, como o Sr. Ministro, nunca precisaram de recorrer aos seus serviços ou a uma urgência! Acredito plenamente no trabalho do Sr. Ministro que reconheço como o melhor que tem sido feito nos últimos 15 anos! Coragem, ideias e grande capacidade de choque são os seus melhores atributos. Com o devido respeito pela classe médica e farmaceutica, ninguém ousara tanto em tão pouco tempo! Espero que assim continue pois ainda há muitos lobbys por abater!

naoseiquenome usar disse...

CC tem inúmeros defeitos.
Mas tem uma qualidade insuperável: não sabe mentir. Pode até "manipular", mas não mentir.
Assim sendo... bem-haja, neste caso, que não noutros, pela "ingenuidade" demonstrada.
CC não vai ao CS, quicá também não vá às Urgências (tão verborreico que anda, talvez um dia destes necessite MESMO...), por isso, nada como a verdade.
E mais, ou ademais:) quantos de nós sabemos o nome da(o) nossa(o) médica (o) de família??? Tê-mo-la, desde logo? Eu também não tenho (solidária com o AS. Aproveito paras dizer que não sou asceta. Quanto à referência à ONU, quem sabe... depende do sentido da cognominação).
Às vezes a autenticidade é incompreendida, como neste caso.
Nâo que o seja sempre! E CC sabe disso. De resto nem sei se não é o Prof. António a dar lições a CC de quando em vez!... e bem que delas precisa!

Anónimo disse...

E já agora o MEMI ou a maioria dos comentadores deste blog sabe o nome do seu médico de família? Vão lá? Está-se mesmo a ver...

Anónimo disse...

eu sei o nome da minha porque é a única coisa que entendo vinda da boca dela. isto quando a consigo ver.:) eu quero, preciso.mas, não deixam

Anónimo disse...

o anónimo foi interessante no que disse ;)
Quer mas não o deixam.
Contraditório ou não. Se percebe o nome e não percebe mais nada é porque no resto da consulta estão ocupados com outras coisas mais interessantes?
O assunto é muito mais grave do que possa parecer nestes espaços, comentados a brincar

(NSQNU, eu só brinco consigo, conheço a sua realidade, a sua equidade e a sua exigência. Até admiro que perca tempo com estas coisas.Um dia vai perceber quem eu sou)


Cumprimentos.


AS

naoseiquenome usar disse...

aiii....
AS, sejais quem fores: antes de mais, obrigada. Depois, quero dizer-lhe que gosto "disto". Em particular e traduzindo, codificado, que gosto da 2ª dinastia (D. J... M.... de A... :))))))))

(Já agora, se me conhece, peço-lhe que se poupe e me poupe a este diálogo de surdos, por aqui, num sítio que nos deve merecer todo o respeito. Saberá então, quais os outros meios para o fazer.- Não voltarei a responder-lhe por aqui, ao que quer que seja. As minhas desculpas desde já)

Mas comente lá então a sério, o post. O papel dos CS, dos médicos de família, a inabilidade do Sr. Ministro... o pael dos Sindicatos...;
A diferença entre o peso de 20.000 pessoas de três ruas de Lisboa (ex: Penha de França - ou melhor ainda, dos subúrbios de Lisboa, já que Lisboa começa a ficar deserta - e, o peso de metade disso, mas de uma vila ou cidade do interior do país...

Cumprimentos também para si! (e claro, para a " "2ª dinastia" :)))))) )

Anónimo disse...

Estive propositadamente à espera da sua resposta. Conheço também a sua DETERMINAÇÃO.No caso da 2ª dinastia não a compreendo. Eu estou aqui, giro, enxuto e liiivvreee;)




AS

(= Aveiro Sempre. Sabe que existe um déficit mensal, actual de 1,5 mil €/mês? ;) .......... )

rmp disse...

O que o sr. Ministro não saberá é que provavelmente muitos portugueses também não sabem o nome do Ministro da Saúde. Mas sabem que o sr. Ministro não vai a SAPs. E se ele não vai eles também não. Entupam-se as urgências portanto.
Como é possível manter a "dignidade" de um sistema - que bom ou mau é o que temos - quando os responsáveis políticos - independentemente das razões - a destroem posicionando-se acima dos "mortais"?

Rui disse...

E já agora, o sr. ministro sabe o nome do seu enfermeiro?