domingo, setembro 10, 2006

Oh nãoseiquenomeusar Não Sabe Que Nome Usar? Eu Digo!

naoseiquenome usar (cliquem na ligação que vale a pena) disse a propósito do post dos "vómitos fecalóides" e do blogue que é "um esgoto a céu aberto":

"Bem, o que faltava agora era que viesse alguém reivindicar rigor jornalístico a um blog!

Um blog que só lê e "frequenta" quem quer e ainda por cima de graça, e se o fazem porque não têm nada de útil para fazer, olhe dê graças ao aspecto lúdico e aos ganhos adquiridos com tal atitude, entre milhares de blogs, alguns sem ponta por onde se lhe pegue;


mas cada um tem o direito de os gerir como quiser, enquanto as entidades onde estão alojados o permitirem.

Ora essa! Não sei se o Sr. Dr. MEMI tem carteira jornalística. Seguramente terá carteira profissional de médico. E entre muitos artigos escritos por aqui, alguns são de grande valia. Outros há, é certo, que são de afronta, de provocação, ou de quase ofensa se se quiser.

Eu própria às vezes fico chocada. Com os comentadores do blog também.

Alguns manifestam uma "quase" falta de respeito pelos outros.

Na notícia em questão é utilizada uma linguagem muito forte, e são tecidos juízos sobre um determinado trabalho, que lamentavelmente se podem confundir com juízos sobre a pessoa por detrás do trabalho. Lamentavelmente, repito, porque pessoas argutas percebem que não pode haver confusão quanto aos papéis.

Acrescente-se contudo, a bem da verdade, que a notícia em causa nada tem de exclusiva, resultando antes da compilação de vários casos trazidos a público, quase sempre de forma distorcida e que ali também não se cuidou de aprofundar.

Acrescente-se ainda que a referência a entidades citadas como fonte do "exclusivo" é uma falácia, para não dizer outra coisa.

Mas convenhamos, caramba: o saldo deste blog que o sr. jornalista apelida de "esgoto a céu aberto", é, largamente positivo! Podemos até dizer que é um "esgoto Channel" :)

Agora o que o "sr." jornalista nunca poderia fazer, era atacar o homem por detrás do blog!

Acaso conhece-o no seu quotidiano? Como ser humano? Ou a mim, que também tenho um (pseudo, é certo, não percebo nada daquilo em termos operativos) blog. Ou aos "n", exponenciais que os têm? (em caso afirmativo, pelo desculpa. é minha convicção que não!) ...

Caso não saiba FE, isso é difamação (ou não ponderou tal, FE? ... olhe que o aviso está claro no cabeçalho do blog)!

Justificadamente, FE, conceder-se-lhe-ia o direito de criticar o blog. Mas não apresentou (ao que parece), nenhuma justificação. Foi, simplesmente, ofensivo! E, mais: se repararem bem, o Dr. MEMI,até costuma, em cada "notícia", respeitar a pirâmide jornalística, a saber - quem? quando? onde? como? porquê? - coisa de que os srs. jornalistas encarteirados se têm vindo a esquecer amiúde.

Cumprimentos bloguísticos, até para os comentadores mais "impetuosos" (muitos anónimos, o mais possível, vá-se lá saber porquê)."

Pois o nome que deve usar deve ser D. Qualidade Imparcial.

28 comentários:

Anónimo disse...

Intrometo-me.
Permito-me avaliar este momento de refexão e parabenizar o autor do blog e do comentário.
O primeiro por ter tido a coragem de o publicar.
A segunda, alma de poeta, por revelar num discurso improvisado tanto sentido de justiça comunitária. Coisa rara. Muito rara!
Em meia dúzia de linhas, analisou de forma simples, acessível e profunda, os blogs, este blog, a notícia controversa, o direito de resposta e suas possíveis consequências, demonstrou saber jornalístico e ainda conseguiu fazer uma grande vénia à comunidade bloguística!
E tudo numa mais que humilde postura "respondo-lhe caro anónimo, ... às vezes também durmo e assim...tal como trabalhar".
Sabendo do que falo, posso dizer que só alguém devotada à humanidade com grande sentido de equidade,democracia e civismo, um grande QI mas ainda maior QE o podia fazer.
Já fui visada por aqui. Entendeu-me, "nãosei".
Falo consigo agora:
Não se coiba no entanto de dizer o que entender e sempre que entender!
Ainda não sei se é um génio incógnito ou conhecido, mas tanto dá. Tem muito valor.

Cumprimentos bloguísticos.

Clara

Luis Duverge disse...

Como não há direito legal sobre um espaço virtual, o menos que uma pessoa que escreve num blog pode fazer é ser fiel à sua consciência, independentemente de tudo e de todos.
Quanto à validade e qualidade da informação veículada nos blogs apenas refiro que a informação que por aqui passa chegou a um ponto que antecipa e muito qualquer jornal diário, basta procurar.
Em relação à linguagem temos de tudo para todos os gostos. Mas quem não se julga o centro do mundo é coerente que aceite a crítica dos outros de contrário mais vale comprar um espelho.
Aproveite a liberdade de expressão ...e continue a exprimir-se.

naoseiquenome usar disse...

Clara:
O destaque aqui tem de ir para ao autor do blog.
Eu sou apenas mais um(a) comentador(a), com as minhas qualidades e defeitos.
Agradeço o comentário.
Sei que às vezes não me valorizo como devia. "É a vida", diria o Engenheiro.
Seguirei as suas sugestões.
Tudo de bom para todos.
Boa noite.

naoseiquenome usar disse...

Ahhh: e desculpe, MEMI: obrigada!

Carlos Esteves disse...

De facto é curioso. Por um lado notícias que dão conta dos vencimentos estrondosos dos médicos, por outro vemos médicos que comentam aqui que recebem pouco nos hospitais...

Nesta situação temos de colocar o nosso bom senso a trabalhar. Se os médicos ganham tão mal, como é que podem comprar BMW's, Mercedes, audi's, casas caríssimas, etc, etc...
De facto entre os que os médicos relatam e o que se vê na realidade, existem uma diferença abissal. O que leva a crer que os médicos são mentiros, oportunistas e capitalistas (em detrimento do profissionalismo).


De facto a carências de médicos leva a esta desiquilíbrio dos seus vencimentos. As regras dse mercado impõem-se. Talvez esteja na hora de criar faculdades de medicina privadas!!!!!

Assim, deste modo, a concorrência trataria do resto....

Medico Explica disse...

Oh sr Carlos Esteves, felizmente os médicos ganham o suficiente para aprender a não fazer figuras tristes como a sua. Em Portugal haverá cerca de 30 000 médicos. Mas haverá 30 mil "BMW's, Mercedes, audi's e casas caríssimas"? Mas mesmo por hipótese académica acreditemos que os 30 mil médicos têm "BMW's, Mercedes, audi's e casas caríssimas"? Cadé as outras profissões? Os futebolistas, os banqueiros, os gestores de topo, os vencedores do Euromilhões. E só falo nestes porque posso generalizar. Haverá médicos com "BMW's, Mercedes, audi's e casas caríssimas?" com certeza. E até acredito que haverá uns que valem o que ganharam e outros que se valeram e exploraram a iliteracia científica como a do senhor e caiem na primeira esparrela, geralmente na privada...

Paulo disse...

Este sr. Carlos Esteves será irmão do FE ou será o apelido que lhe cria uma insuficiência vascular cerebral afectando a globalidade dos neurónios? Será que o sr. não consegue discernir que entre os médicos como em todas as profissões ditas "liberais" haverá quem ganhe muito (o que será muito para o Sr? 3-4x o ordenado mínimo nacional?), e haverá quem ganhe exactamente o mesmo que um professor, um jornalista, um bancário. Tentar, tal como fez o FE tomar o todo pela parte é cretino e só pode ser interpretado como mal intencionado. Por isso, Sr. Carlos Esteves tenha juízo e pense um bocadinho antes de falar/escrever. E tente não generalizar conceitos como mentiroso ou oportunista a toda uma classe. Quem não se sente não é filho de boa gente.

Anónimo disse...

Procurar na concorrência médicos mais baratos? A ideia é original. É que são os médicos que concorrem, na privada, os que mais cobram e mais BMW compram.
O melhor mesmo é o senhor Esteves escolher ir ao endireita.

Anónimo disse...

Uma breve pausa de civilidade (terá dado para um café?) e regressa tudo aditivado.
Francamente.
Ó nãoseiquenome, ainda acha que vale a pena?
O que emploga as pessoas, os tugas em particular, são picardias, mesquinhices e invejas.

Azevedo

SATANUCHO disse...

cá por mim a unica coisa que não gosto neste blogue é a porra da sobreposição dos artigos e das colunas do lado esquerdo, caro memi, não quer resolver isso?

Carlos Esteves disse...

Não, não tenho qualquer grau de parentesco com o sr. jornalista Fernando Esteves.
Bom, segundo os médicos (e ao contrário do INE), a maioria dos membros da classe são empobrecidos, carenciados e com graves problemas sócio-económicos...
Mas existe alguém à face deste planeta que acredita neste “velhinho argumento” de que só alguns é que ganham “ligeiramente melhor”, e que não se pode generalizar…
A média global dos médicos em termos de vencimento, é superior à maior das outras classes, ou seja na sua generalidade ganham bem melhor. Porquê? Existe carência de profissionais e este défice é útil para negociar vencimentos, é claro (aplica a regra geral da oferta/procura)!!
Daí que a existência de médicos no desemprego ajude a regular o mercado (tal como noutros países)!
Curioso é ver os argumentos dos srs. licenciados em medicina, que de uma forma muito paupérrima ainda são os mesmos de há vinte anos atrás…
Felizmente, só em Espanha estudam milhares e milhares de médicos, que daqui a uns aninhos regressarão para aqui…

Anónimo disse...

isto realmente é um esgoto.


MCP

Anónimo disse...

Isto = MCP = FE
Há liberdade de expressão e libertinagem de expressão.
Andam por aí vermes à solta.
É o resultado da (des)educação dos novos tempos.
Depois ainda se diz que o povo é bom e que as elites é que não prestam.
Análises imparciais são pérolas em focinho de porcos.

AS

SATANUCHO disse...

obrigado.

MCP disse...

AS,
tem algum problema elistista ou é neo-extremista-pseudo-moralista?
De facto o Esteves tem razão. Basta ler "meia dúzia" de posts e respectivas respostas para rápidamente compreender a merda que aqui existe e as moscas que por aqui voam...
Mas, respeitosamente afirmo, não é uma merda qualquer. É mesmo bosta "camembert". Pseudo-estilosa, mas é bosta.
Pelo menos aqui, as gargalhadas são muitas. Pena é mesmo as moscas, pelo nunca podemos estar aqui muito tempo...
E ainda ousam em falar em educação!


MCP

francis disse...

O Poste/comentário é excelente.
De resto, quem não gosta, não come.
NSQNU tem a poesia na alma e uma alma linda!!!

Anónimo disse...

1- A existencia de médicos no desemprego ajuda muito a regular... mas é a qualidade por baixo!! Ou não conhecemos todos os médicos espanhois, brasileiros, mexicanos, cubanos, cabo-verdianos que por aí abundam nos serviços de urgencia... são os médicos no desemprego desses países e que não terminaram a sua formação, muitos já nem exerciam Medicina há vários anos! Nós estamos a receber a ralé e a oferecê-la aos nossos doentes para poupar; e ainda achamos que é a preço de saldo o que é falso, pq esses médicos indiferenciados ganham muito mais à hora que qualquer especialista hospitalar nessa mesma urgencia. No final vem a sair bem mais caro ao hospital que em vez de ter o problema resolvido numa consulta, tem o doente a recorrer 2 , 3 ou mais vezes à urgencia, algumas das quais já com complicações que vão obrigar a medicação mais cara e a internamento!! Contratar o mais barato na Medicina não é como contratar numa fábrica!O resultado não se mede à peça e acaba sempre por ir bater à porta do hospital!

Anónimo disse...

Toda a gente critica os médicos por ganharem muito e cobrarem balúrdios por uma consulta ou cirurgia quando pagamos o mesmo ou bem mais a qualquer biscateiro que vem a casa arranjar alguma coisa que se estragou ou pagamos o mesmo numa sessão de massagem, num esteticista, num cabeleireiro. Nesses casos toda a gente paga e ninguém reclama que é caro, aliás qto mais caro melhor, já o médico é sempre um ladrão porque deveria ser escravo da sociedade, trabalhar 24h por dia e de graça!!!

Anónimo disse...

Epá, ó MEMI:
Reforce o Channel e o camembert, junte Martin's 20 anos e invente um fetiche. Agora ensine os MCP e os FE's a dar uma queca.
È que andam todos mal f******!!!

AS

Anónimo disse...

Vire lá a página do FE sff, Exmo MEMI.

Contrariamente ao seu propósito inicial, acabou por lhe dar inusitado relevo.

Já deve bastar à criatura a sua própria audiência pimba e cretina, a partir de agora sugiro que continue a deixá-lo pôr-se em bicos de pé.
Lá no(s) pasquim(ns) onde escreve (ou excreta), e que higienicamente evito.

AV

Shumaka disse...

"A existencia de médicos no desemprego ajuda muito a regular... mas é a qualidade por baixo!! "

Ai sim? Sinceramente pensava que a concorrência traz vantagens competetivas em termos de qualidade. Quando há pouca gente toda a merda trabalha, quando há muita gente, então só os melhores trabalham...
Santa ignorância!!!

Raúl R Boldão disse...

De todo e ao resto, aqui há também defenda a posição que eu sempre advoguei, ou seja, a liberalização do ensino médico e o acréscimo do número de cursos. Acabam-se por uma vez as “queixas” irónicas dos médicos (como os do hospital de Aveiro. Notem que no SU o preço hora destes profissionais ronda os 25 euros/hora durante o dia) que tentam fazer passar para a opinião pública o seu suposto incómodo com a falta de elementos na sua classe, quando na realidade, regozijam-se com escassa oferta de profissionais e as consequentes vantagens reivindicativas e remuneratórias que daí advém. Ou seja, quanto menos forem, mais mercado de trabalho.

Tenho a solução. Que se formem de uma vez por todas médicos. Muitos médicos. Para que nunca mais faltem. A sua existência deveria ser tão abundante, que ao “virar” de cada esquina deveria haver profissionais do sector. Desta forma, quando houvessem carências, em poucas horas o problema seria solucionado, saindo (muito) mais barato aos (parcos e magros) bolsos dos portugueses. Poderíamos reduzir os seus salários e haveria sempre quem aceitasse as condições menos favoráveis. De facto, neste sentido o mercado seria regulado e equilibrado.


Seja qual for o contra-argumento corporativo que seja usado, o incremento do número de faculdades e consequentemente vagas, não tem qualquer implicância na qualidade do ensino. Pelo menos colocava-se um ponto final nesta novela de falta de médicos. E lá se acabava os “esfregar-de-mãos” do cinismo médico.

As rotineiras e espirituosas sagas opinativas do sr. AV é que de facto são medíocres e vulgares. É um homem sem grande conteúdo cognitivo. Tem um discurso repetitivo, no qual muda os termos e conceitos mas a ideologia está bem fixa: os médicos é que sabem, são uns coitados e merecem tudo o que de bom há no mundo. É um homem de carácter tacanho (julgando as suas palavras) e de uma pequenez ímpar. Certamente irá furiosa e raivosamente contrapor este meu post. Ou não. Seja como for é um belo exemplo do estado da classe médica portuguesa (snob, corrompida, corporativa, mesquinha e capitalista). Já dizia Fénelon “Aquele pensa que sabe muito, mas não sabe de nada, e a sua ignorância é tanta que nem sequer está em condições de saber aquilo que lhe falta”.
Sr. Alfredo, faça um favor aos leitores, à internet, ao mundo e ao tempo que virá. Cale-se.

Anónimo disse...

O Boldão voltou no seu melhor, e com menos erros ortográficos que o costume.

Ora bem, mais sai mais barato defende ele. Sem dúvida que a oferta fica diversificada, para mais por estas bandas em que há carência de médicos e se pagam salários a estrangeiros para colmatar uma falha de programação de numerus clausus atempada. Mas enfim, devo estar a ser hipócrita, segundo a visão profética do "professor".

Claro que continuará a haver sempre os "melhores" e os "piores". A qualidade continuará a ser premiada, sempre, e tanto mais quanto mais liberal for o sistema.
O "professor" Boldão agita "isso" como se fosse um instrumento com que se diverte a assustar pacóvios. Os pacóvios das profundezas da sua imaginação trabalhada, felizmente, não vivem os mesmos medos que o senhor Boldão.
Eles competiram com os melhores para chegarem onde chegaram, e não se intimidam com um qualquer psicólogo falhado travestido de Físico, concerteza interessado em ter alcançado aquilo que os alvos da sua inveja alcançaram, só que com muito menos trabalho.
Os Boldões nunca assustaram quem trabalha mais que os outros.

Mas claro, os Boldões também acham que os médicos só trabalham mais que os outros (acham?) até serem médicos. Mas não façamos mais flashbacks sobre "boldanices", há dissertações muito engraçadas no arquivo a esse respeito....

Não era assim no seu tempo (todos para Medicina a monte e fé em Deus), para sua infelicidade, pode ser que o seja no futuro. E até nem acho mal, Sr. Boldão, lamento desiludi-lo. Quantos mais houver, mais as pessoas poderão escolher, e mais escolherão os melhores, ao invés de terem que se contentar com "aquilo que há" sob pena de não receberem cuidados de todo.

Quanto ao parágrafo que me dedica, é divertido e está bem escrito.
Muito melhor leitura do que a expressão da sua visceralidade com que nos brinda desde sempre por estas bandas, onde certamente se revê com gosto na companhia de quem não lhe liga nenhuma.

E vejo com gáudio que se vai divertindo, pelo menos até ao cair da noite, quando lhe surgem os tais pesadelos de um sistema liberal de selecção de professores, em que há muitos parecidos consigo, muitos facilmente melhores que S.Exa., e uma manada de potenciais médicos a morder-lhe as canelas.

Depois acorda e vem para aqui.
Haja saúde....

AV

PS: como é facilmente constatável, a profecia boldânica de uma resposta minha (no mesmo tom) concretizou-se. Uma premonição só ao alcance de um grande Físico, que também previu o contrário, só para ter razão de qualquer maneira.
Acho que está a escrever no blog errado, e que com outra audiência, que se passeia também por aqui de vez em quando, teria certamente muito mais sucesso....

Anónimo disse...

Nãoseiquenome usar,
é meritória a sua apreciação deste caso, como seria de qualquer outro.
Permita-me referir que não passa de utopia a sua pretensão, utopia aliás demonstrada pela realidade que encimará este meu comentário (outros comentários).
Lamentavelmente.

Quer redigir uma carta sobre direitos e deveres dos bloguistas? Quem a ratificará?

Considere-me.


Cumprimentos.

Santos

naoseiquenome usar disse...

De uma vez por todas:

peço ao autor do blog que mude de assunto (eu agradeço, gosto da ribalta de quando em vez, mas na essência sou incógnita).
De resto estou a entrar em hipoglicémia (muitas horas de trabalho a tentar entender os Srs. Drs. ((ou drs :))-qualquer dia até o nosso nome se escreve em minúsculas:)))))).

Ou têm juízo ou "espeto-vos" com este texto (não, não fui eu que o descobri, vidé http://cronicasdapeste.blogspot.com/


"Ditadura, sim. Um Império se erga acima do formigueiro de corruptas urbes, das vias rápidas sem destino, das pontes quebradas pelo lixo, das muitas casas, queimadas e escuras, das muitas gentes, robóticas e sem fala. Erga-se, defenda-se, alastre-se, um fogo do espírito, uma lei acima das leis, um costume acima dos costumes, uma justiça acima das justiças, uma assembleia universal igual para todos, iguais no assento da palavra. «Nada farei, ó César, para te agradar, / Nem me interessa se és branco ou preto.» *. O mesmo direi de cada um de vós. Que comeis. Onde, quando. A que deus ou deuses rezais. Ou a nenhum. Que fazeis na cama. Com quem. Que fazeis na casa. Como vestis. Com que entretenimentos ocupais o tempo vosso. A ditadura é o Império, despreza-vos nas vossas diferenças, em todas aquelas pequenas inutilidades onde julgais que acontece a vossa vida, isso é folclore humano, isso é merda, um caos de emoções envolvido em pratas e púrpuras. A lei do Império é universal, só reconhece indivíduos nos atributos comuns da sua humanidade; perante o Império são calados os vossos deuses e o vosso ganir de matilha, as identidades medíocres que julgais acima das dos outros, os vossos tiques de pertença, que quereríeis, megalomanamente, supremos, mas que mais não são que a súmula patológica das vossas insuficiências e mediocridades e vilezas. Nada sois de vosso perante o Império, porque o Império não vos reconhece a propriedade sobre nada que seja a humanidade, sobre nada que pertença a todos, sobre nada que seja a civilização no seu progresso futuro e imparável, sobre nada que seja a manifestação suprema da liberdade como motor da História.
A civilização é a casa da humanidade. O Império, a sua assembleia única. A ditadura, a sua guardiã. Um Rei, o seu autor."



* XCIII
Nil nimium studeo, Caesar, tibi velle placere,
nec scire utrum sis albus an ater homo.
Gaius Valerius Catullus, poeta do Império Romano, 87 a.C. a 54 a.C.


ENTÃO????????????

Vamos lá discutir assuntos interessantes com civilidade, sim?


'bora lá :)

naoseiquenome usar disse...

(só um pormenor: gano 0 (zero) euros à hora - (menos) o que tenho de pagar por.... nas horas de trabalho extraordinário...)

Anónimo disse...

Shumaka ... tem muita razão... qdo há muita gente só os melhores trabalham... mas é na privada! Já os hospitais vão recrutar quem? Os mais baratos... quer sejam portugueses ou não, desde que seja mais barato é o que interessa. Porque para quem é o mais barato basta!!

Patrícia disse...

O azedume anda de mão dada com a intelectualidade, ou é impressão minha? ;)

Respirem fundo, contem até dez e acalmem-se. :D