quinta-feira, janeiro 15, 2009

Mais uma bem trabalhada pelos assessores de comunicação do Primeiro Ministro

A propósito da intervenção no Parlamento aquando do debate quinzenal, o jornal Público refere:

Outra das medidas que Sócrates anunciou como novidade foi a contratação de mais 250 novos médicos de medicina geral e familiar, acrescentando que "este ano iniciarão a sua formação na especialidade 281 novos internos", números que "são os maiores dos últimos 25 anos".

Devido à falta de médicos de família, um despacho do ministro da Saúde Correia de Campos tornou obrigatório que pelo menos 25 por cento das vagas para especialistas fossem para esta área.

O presidente do Conselho Nacional do Médico Interno, Rui Guimarães, reconhece que o número é "um recorde", mas lamenta que estes médicos demorem, na melhor dos hipóteses, seis meses a ser colocados nos centros de saúde onde vão ficar. "Se é prioridade do Governo, que seja agilizado o processo."

O deputado comunista Jerónimo de Sousa perguntou a Sócrates como é possível falar de "reforço", quando em 2016 cerca de 80 por cento dos médicos de medicina geral e familiar estarão na idade da reforma

Com efeito os sucessivos Governos têm tido sempre que contratar para o SNS todos os recém especialistas de Medicina Geral e Familiar que aceitam as condições ...estes últimos 250 entraram para a especialidade há 3/4 anos, portanto esta não é nenhum reforço do esforço deste Governo... Qual é a novidade afinal?

De muito positivo, foi sem dúvida a determinação de aumentar o número de vagas nas especialidades consoante as reais necessidades do país...

Mas o alerta do representante dos médicos internos, esse sim é que deveria ser ouvido!
Com a falta de Médicos de Família que existe é escandaloso que os recém especialistas estejam meio ano e mais à espera de serem colocados!

2 comentários:

San'Iago disse...

E vai daí que surge na Sabado resultados de 13 relatórios do IGAS, em que detectaram qual o médico campeão de receitas e consultas no nosso tuga.
o campeão de receitas, prescreveu 96 receitas/dia, em 218 dias de trabalho, com média de 50,15 consultas/dia. cada consulta uma média de 7,7 minutos.
Os centros Saúde carecem de profissionais, não só médicos como enfermeiros, a maioria por estarem mal distribuidos...

San'Iago disse...

no contínuo do comment anterior, não quero afirmar, tal como tenta o Fernando (autor do artigo) "acusar" a classe médica de interesses com labs farmacêuticos... antes uma chamada de atenção para a falta de recursos humanos e má gestão a nível dos Cuidados de Saúde Primários, o que resulta numa correria desenfreada pela população ao acesso a uma consulta, a um tratamento de enfermagem, etc., que têm de ser feitos em tempo recorde

cumprimentos