sábado, outubro 07, 2006

Hospital de S. João, Outra Vez...

De um leitor:

"Caro Dr,
venho especialmente ao seu blog pedir-lhe para dedicar um post a dissertar a razao pela qual os medicos no S.Joao e (arrisco dizer) um pouco por todos os hospitais vao tomar cafe de bata, e mais ainda vao almocar de estetoscopio, que usam mesmo aqueles que nao fazem clinica. É um fenomeno social unico e incompreensivel visto q nao vejo os professores levarem os livros de ponto nem os mecanicos levarem as ferramentas...so uma questao. Como Microbiolgista deixou-me de cabelos em pe ha dias ver um medico amigo a cozinhar com o fato para procedimentos cirurgicos que trouxera do hospital...isto é infelizmente demasiado frequente, escandaloso, uma questao de saude publica. Por favor, explique-me. Porque do meu ponto de vista, teria suficiente argumentos para escrever um livro...Agradecido,S.P
"

14 comentários:

Anónimo disse...

Dar respostas com perguntas.
Um novo estilo, uma nova filosofia, ou uma velha maneira de não responder.

Medico Explica disse...

Meu (minha) cara (o) anónimo acima:

Estive há dias no refeitório do Hospital de Santa Maria, posso jurar-lhe que vi todos os profissionais que lá estavam a almoçar com a sua farda de trabalho. E eram variadas: médicos, enfermeiros, auxiliares, batas brancas, azuis, fatos-macaco. Quanto aos esteto, juro que vi alguns. Assim como vi muitos relógios dos enfermeiros. Não vi microscópios, nem chaves de fendas.
Que quer que eu lhe diga: que os médicos devem despir a sua bata antes de almoçar ou jantar no refeitório do seu hospital? Não sei! Mas a comissão da infecção hospitalar poder-lhe-á dar uma resposta.

Anónimo disse...

Tão crítico Dr. não tem opinião?

Anónimo disse...

Chegámos ao ponto em que o médico, idíviduo com sobre-responsabilidades sobre a comunidade que serve, tem de ter o parecer de uma comissão de um pinchavelho qualquer para ter auto-responsabilidade e sentido profissional!



AS

Anónimo disse...

É um fenómeno quase que "social" que por acaso também sempre me chocou. No São João é prática comum e não são só os médicos, é todo o pessoal que usa qualquer tipo de uniforme. Irrita-me sobretudo no shopping mas que posso eu fazer? Acho que tem a ver essencialmente com a falta de tempo e de condições espaciais de toda a gente no hospital.. E com o comodismo. Muitas vezes é também uma questão de estatuto, e não falo contra mim, pois nunca foi meu costume passar à frente dos outros para almoçar. Acho que realmente era algo a pensar para uma mudança radical. Afinal devemos dar o exemplo, ou não? Da mesma maneira que devemos lavar as mãos também devemos lavar os estetoscópios e nem é bom pensar em comer com um pendurado depois de auscultar 20 doentes...
Sou nova nestas coisas de blogues mas acho interessante a quantidade de anónimos que por aqui anda. E ainda falam em livre expressão de ideias??

Medico Explica disse...

caro AS
As comissões de Comissão de Controlo da Infecção Hospitalar são compostas por médicos, administradores hospitalres e enfermeiros. Não para si, mas para outros, podem consultar aqui:
http://www.hsm.min-saude.pt/hsmintra/tabid/358/Default.aspx#ID_1

Anónimo disse...

Um dia, olhos nos olhos, há-de explicar-me o que pretensamente quer explicar com a sua explicação MEMI.



AS

Medico Explica disse...

Caro AS

Não quero nem pretendo explicar nada. Só se for jornalista. Assim terei todo o prazer. Mas como não sei quem é, também a hipótese de "olhos nos olhos" fica posta de lado. Boa noite.

SP disse...

Caro Doutor,
Obrigado por ter dispensado alguma atencao a minha questao, porem nao obrive a respostas que ansiosamente esperava.Continuo a nao compreender a questao do estetoscopio embora tenha uma ideia e parece-me que o relogio nao e' comparavel. Fico um pouco surpreendido que a sua resposta a questao "deviam os medicos despir a sua bata" seja: "nao sei". Eu respondo-lhe com a conviccao que a experiencia e formacao academica me dao: claro que sim! E os motivos sao milhentos e do senso comum! Nao condeno a sua missao maior de esclarecer os intelectuais, mas a missao de esclarecer os seus colegas profissionais de saude neste ponto parece-me mais urgente, importante, nobre e merece muito mais que um "nao sei". Por fim, desiludiu-me que a unica estrategia para concluir sobre este tema seja a ironia (post seguinte).Temos um problema e temos solucoes (simples), falta-nos seriedade e boa vontade (de novo o post seguinte). Cumprimentos, SP

Medico Explica disse...

Caro SP:
Eu sei que o problema é muito sério, tão sério como a resistência aos antibióticos. Então se é tão sério, porque se preocupa com o problema do estetoscópio. Olhe eu digo-lhe a minha prática. tenho o esteto no cacifo. É meu, comprei-o. Quando se o deixo aqui e acolá desaparece. o lugar mais seguro é o pescoço ou o bolso da bata, mas é grande de mais. Por outro lado o esteto, para nós é um dos meios de comunicação com o coração numa emergência. Se há médicos que o usam como adereço, será de criticar. Quanto às batas, como deve saber os médicos no hospital não trabalham numa secretária, como um microbiologista. Tanto podem estar na enfermaria, como no banco, nas consultas externas, ir ao rx e até ao seu serviço, quando as análises demoram, demoram, demoram. Mas eu em relação às batas, sou contra as batas de pano. Cada serviço deveria ter à porta batas descartáveis, como se vê já em muitos sítios. As batas ou se lavam todos os dias ou não prestam...

medicazinha disse...

sou médica no s.joao e efectivamente vou tomar café de bata e estetoscópio. não saio para o shopping como fazem alguns colegas, mas nos bares do hsopital faço-o.
explicando: preguiça de me despir e vestir e evitando os milhares de interpelações de seguranças/funcionários quando não se traz nenhum tipo de farda... "posso ajudá-la?", "tem cartao de visita?" e afins.
levo o esteto, nao para passeá-lo, mas porque se o deixar no serviço corro o risco de ser indecentemente roubada, como acontece com qualquer coisa com um mínimo de valor que se deixe à vista.
e sim, lavo as maos entre todos os doentes e passo solução alcoólica no estetoscópio...

Maia disse...

olá a todos!
Esta é a primeira vez que visito este blog e desde já felicito o seu criador.
Quanto ao que se fala neste post e, eu como estudante de enfermagem apenas gostaria de salientar que o mais correcto efectivamente era o uso de batas descartavéis. Não me refiro só aos médicos mas tb enfermeiros e auxiliares. Basta pensar no caso dos enfermeiros que usam farda completa e para almoçar ou tomar um simples café teriam de a despir e pouco mais tarde voltar a vestir..não temos assim tanto tempo para almoçar. Em relação ao esteto compreendo mas há sempre tempo para o guardar num cacifo e nao se pode comparar a um relógio! Este pode muito bem ser tapado com a colocação de luvas e nao interferir em nada com os utentes.
Resta-nos apenas desejar que alguns (para não dizer todos) médicos façam o que a medicazinha referiu que faz após um intervalo...de referir apenas e aproveitando a achega: medicazinha, aos médicos nao custa muito despir e vestir uma bata...

Isabela disse...

Bem, por acaso esta questão até me parece ser pertinente.
Os técnicos de saúde não tem um armário, um cacifo seu onde possam guardar a bata e o material para ir ao bar?
Percebo que a farda identifica a pessoa como pertencente àquele local, mas um cartão também ajuda, qdo não se tem bata.
Enfim, há uma série de hábitos que não se questionam, por serem tão usuais.

HP disse...

Boas!
Sou farmaceutica e, ao contrario do que se pode eventualmente pensar, não trabalho numa secretaria, nem com certeza o microbiologista que fora atingido.
Estou neste momento a concluir um trabalho sobre "Segurança e Higiene no Laboratório", laboratório este enquadrado num Hospital e vou claramente referir esta questão das batas na minha apresentaçao. Acho que é realmente inconcebivel a ida para bar/refeitório com a bata de trabalho, tanto para o proprio profissional como para os restantes tambem ali presentes.
É uma prática que na faculdade nos ensinam a NUNCA fazer (muito facil perceber porquê nas licenciaturas na área da saúde e afins) e, no entanto, é uma prática corrente num Hospital. Não se entende....