sábado, dezembro 20, 2008

Hoje Deprimi-me!

Sim, deprimi-me, não por causa dos SAP ou dos helicópteros, mas pelas nossas famílias. Aquelas tão lestas a protestar e aparecer nas páginas dos jornais quando levam os seus idosos às urgências e as coisas correm mal.

Ao programar as consultas para a próxima semana num lar de idosos da segurança social, preparava-me para agendar para o dia 24 de Dezembro um período de consultas.

Mas, lembrei-me que era véspera do Natal, da festa da família e disse à funcionária: "Se calhar este não deve ser um bom dia, pois é o dia da consoada e não deve estar cá ninguém!"

Ouço uma gargalhada e a resposta: "Oh doutor, talvez um não passe cá o Natal, os outros, terão muita sorte se os familiares se lembrarem de telefonar!"

Como sou ingénuo, retorqui, "Não acredito. Então não me diga que estes idosos, muitos viúvos e viúvas, não vão passar o Natal com os filhos? E muitos vivem aqui ao pé!"

"Já lhe disse, dos 5o que cá há, talvez um vá consoar com a família."

"Então, olhe venho eu no dia 24 dar as consultas e falar um pouco com eles."



Por favor, não me gritem mais aos ouvidos que o Natal é a festa da família!

Quanto muito será a festa dos oportunistas, do dinheiro, de tudo, menos do amor.

Obviamente, Aquele que nasceu em Belém, não tem culpa.

2 comentários:

Sahaisis disse...

E é bem verdade...eu que vou trabalhar no dia 24 e que tenho a minha preciosa cirurgia repleta de casos que são tudo menos cirurgicos sei que seguramente 70%dos doentes que vão permanecer internados são doentes que a família não quer em casa...e eu...ingenuamente...ainda acho isso assombroso...mas já me disseram que é mais do que comum e que me vou habituar :(

Luisa_B disse...

Bom dia Dr
Queria dar-lhe os parabéns pelo blog por essa humanidade que anda tão ausente no meio familiar e entre outros sectores infelizmente!
Sendo Natal as pessoas sentem-se mais frágeis porque fomos educados na religião a sentirmos assim.
Para mim apesar de não estar internada fisicamente, mas de coração "doente" pela incompreensão geral e que afecta demais o meu filho e a sua vida, este ano não há Natal aqui em casa. O Natal é estar feliz e a felicidade este ano foi roubada a muita gente.
Não haverá uma prenda para ele porque gastei tudo com a saúde dele e depois como não bastasse com a parte de apoio jurídico. Espero e desejo que o seu coração aqueça os vários outros que aí estejam a necessitar de ajuda física e uma palavra de carinho, isso nunca devemos negar a ninguém porque pode ser a diferença para a pessoa que a ouve e ter a força de seguir em frente.
Bom Natal!