segunda-feira, dezembro 22, 2008

Quando as unhas são cortadas demasiado rentes os sabugos é que se amolam...

Nova tabela para médicos ameaça saúde no interior

CARLA AGUIAR e CATARINA GUERREIRORODRIGO CABRITA - ARQUIVO DN Saúde.


Os hospitais mais carenciados do interior antevêem uma crise com a fixação de preços máximos para os médicos tarefeiros. Directores dizem que, ao baixar os honorários para quase metade, deixa de ser atractivo para os profissionais. E urgências correm o risco de ficar vazias. Regras entram em vigor já em Janeiro


Os novos valores fixados pelo Governo para pagar a hora de trabalho dos médicos tarefeiros (máximo de 35 euros para especialista e 27,5 euros para clínicos gerais) ameaçam virar o feitiço contra o feiticeiro e deixar as urgências dos hospitais do interior do País sem médicos.

A razão está no preço, que, ao baixar para cerca de metade do que é pago actualmente, pode deixar de ser suficientemente atractivo para que os médicos se desloquem quilómetros até aos pontos mais carenciados. Essa é a leitura de directores de hospitais, médicos e sindicalistas ouvidos pelo DN de norte a sul, em reacção à circular emitida sexta-feira pelo ministério que entra em vigor em Janeiro.


"Se já era difícil atrair médicos para Bragança, agora ainda será mais", disse ao DN o administrador do Centro Hospitalar do Nordeste, que admite recorrer de forma regular a cerca de 15 médicos em regime de prestação de serviço. Embora as tabelas praticadas no seu hospital não costumem ir além dos 40 euros, Henrique Capela considera que "os hospitais do interior até deveriam ter uma margem de manobra de pagar um pouco mais além", sob pena de se tornarem muito menos atractivos do que hospitais que não exijam deslocações demoradas.


O mesmo receia o director do Hospital de Beja, Rui Sousa Santos, para quem perder médicos passa a ser um "risco real" da sua urgência. O administrador concorda com a fixação de limites nos preços que estavam descontrolados, mas apela à sensibilidade para as "especificidades do interior". "Vamos ver como o mercado reage a estas novas regras, para decidir o que fazer", esclarece o responsável do Hospital de Beja, que contrata tarefeiros por 65 euros por hora de várias especialidades, particularmente obstetras e anestesistas.


O Hospital de Portalegre também se sente ameaçado. Uma fonte hospitalar disse ao DN que a situação é "preocupante" uma vez que, por exemplo, na triagem todos os profissionais são contratados. A necessidade de recorrer a médicos tarefeiros está longe de ser um exclusivo do interior, sendo, pelo contrário, uma prática corrente em todos os hospitais, que reagem à novidade com igual preocupação.


"Ainda esta manhã médicos espanhóis tarefeiros me comunicaram que para ganharem 27 ou 35 euros à hora vão deixar de vir a Portugal porque não compensa", disse ao DN Isidoro Duarte, que ontem chefiava a equipa de urgência do Hospital de Portimão. Aquela unidade tem contratos de prestação de serviço com médicos que chegam de Ceuta, de Sevilha, de Lisboa ou de outros pontos do país. Segundo aquele clínico, cerca de metade dos tarefeiros são estrangeiros, com os espanhóis à cabeça, mas também ucranianos, moldavos ou brasileiros. Quanto aos portugueses de Lisboa que se deslocam a Portimão "é frequente virem trabalhar um fim de semana prolongado e, para tal, alugam uma casa". "Mas com os novos valores isso pode deixar de ser rentável e ficamos com um problema sério", acrescenta o médico.


Embora todos os profissionais ouvidos pelo DN reclamem a necessidade de regular este mercado à rédea solta, em que os preços/hora podem chegar aos 100 euros - como já foi pago pelo Hospital de Santa Maria a anestesistas - , a ideia predominante é que se veio "nivelar por baixo", estando desfasada da oferta e procura.


Essa é, por exemplo, a leitura do director do serviço de urgência do Hospital de Guimarães, para quem a iniciativa do Governo "vai acabar por não alterar a prática, uma vez que se não houver médicos, os hospitais ou pagam mais ou os serviços não funcionam". Carlos Santos, que é igualmente dirigente do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), está convencido de que "os hospitais vão acabar por invocar a cláusula do interesse público para pagar mais e aquilo que foi pensado para ser a excepção vai tornar-se a regra".


Fonte do Ministério da Saúde explicou ao DN que a intenção da fixação dos novos valores é sobretudo estabelecer um padrão de referência. Ou seja, admite-se que os hospitais mais carenciados do interior possam pagar um pouco mais para conseguirem atrair médicos. Mas nesse caso, e de acordo com as novas regras, tal tem de ser justificado pelo director de serviço, após esgotado o recurso à mobilidade, autorizado pela administração e publicitado na Internet.


Ou seja: o processo que justifica o pagamento acima da tabela é de tal modo moroso e burocrático que inviabiliza na prática uma solução, uma vez que manter abertos e funcionantes os serviços de urgência com um mínimo de qualidade e de quantidade não se compadece com estas delongas...


Já agora: qual é a tabela em vigor para os gestores públicos, da indústria á banca?

28 comentários:

Anónimo disse...

Lei do mercado. Se abrissem mais vagas para medicina, talvez este problema dos "atractivos" não se pusesse... mas o lobby é tão grande...

Medico Explica disse...

Caro anónimo, se esse lobi existisse, não teve força para controlar os preços? Só se fala no lobi para o controle das entradas nas faculdades. Depois o lobi desaparece. Coitadinho do lobi. Deve ser um lobisinho...

Anónimo disse...

Peço perdão. A si só lhe interessava mesmo é o preço... Pois a meu ver, há anos que as entradas são "reguladas" factualmente, enquanto que os seus ricos pagamentos ainda nem sequer passou à pratica e já merece repúdio absoluto. Zangam-se as marias...

Anónimo disse...

Acho cá uma piada!... Todas as outras profissões têm anúncios de emprego (ou falta destes), enquanto que os para os médicos há empregos mais "atrativos" (leia-se: mais remunerados...) e que coitados dos médicos, vão "ser obrigados" a não se deslocar por falta de "interesse"...

Medico Explica disse...

Caro anónimo, por mim pode estar à vontade, pois nem horas extraordinárias faço. Quanto a preços de empresa, recebo diariamente no meu mail propostas para fazer n bancos em Portugal inteiro, e vai tudo logo para o trash. O caro é que vê em tudo manipulação. A União Soviética caiu, mas neste Governo há muitos pró-soviéticos que querem regular tudo: bancos e empresas...

Medico Explica disse...

e sabe, o último a rir é o que ri melhor. Nunca vi um assesor do giverno a ter o seu preço tabelado. Quando quiserem um anestesista no interior para uma simples apendicite, talvez o encontrem no Zimbabué ou no Congo, ou um médicos esquizofrénico ou dependente, que também os há, Sabia? Controlem controlem os preço e quando forem para a provincia façam u bom seguro de saúde que englobe um rápido transporte de helicoptero para um hospital privado. O nosso SNS cada vez mais se desloca para os indigentes e marginais, como nos EUA...

Anónimo disse...

Quando o MEMAI diz "Quando quiserem um anestesista no interior para uma simples apendicite, talvez o encontrem no Zimbabué ou no Congo" acho que nem esses aparecem! Se tivermos atenção aos valores hora pagos pelo SNS ao médico hospitalar realmente dá que pensar:
- Assistente sem dedicação exclusiva a hora vai de 11.88euros a 14,35 euros, com dedicação exclusiva 18,15 a 21,90 euros
- Assistente Graduado sem dedicação exclusiva a hora vai de14.35 a 18,31 euros e com dedicação exclusiva de 21.93 a 27,98 euros
- Chefe de Serviço sem dedicação exclusiva a hora vai de 17,32 a 26,47 euros e com dedicação exclusiva de 19,80 a 30,25 euros.
A variação dos preços/hora tem em conta os escalões em que cada um estiver e consequentemente o nº de anos de serviço. Por exemplo um chefe de serviço com 30 anos de carreira pode receber menos do que qualquer contratado, mesmo indiferenciado! Se por um lado é preciso contratar médicos para os hospitais funcionarem e estes devem ser bem pagos, por outro lado também se tem de olhar para os preços que os profissionais dos quadros recebem! Seria bom haver uma revisão das tabelas salariais dos médicos hospitalares e de clinica geral, bem como dos outros profissionais de saude, para ver se realmente os profissionais se mantém no publico e até se fixam no interior!
E já agora: Anestesistas? Onde os há? Será que estamos perante uma espécie em vias de extinção?
Maria Papoila

Anónimo disse...

interessados em entrar na especialidade não faltam.
Então de quem é a culpa?

Interessados em entrar em Medicina, com notas muito superiores à média, não faltam, há muitos anos.
Não conseguem entrar.
De quem é a culpa?

Há Centros de Saúde com médicos que não têm um ficheiro completo, por não haver utentes para inscrever.
Noutros Centros de Saúde há milhares de utentes sem Médico de Família.
De quem é a culpa?

O PS e o PSD têm alternado no Governo.
De quem é a culpa?

A culpa pode ficar para tia, mas solteira não morre!

L.C.

Medico Explica disse...

Anónimo deixou um novo comentário
interessados em entrar na especialidade não faltam.
Então de quem é a culpa? DO MEMAI E COLEGAS!

Interessados em entrar em Medicina, com notas muito superiores à média, não faltam, há muitos anos.
Não conseguem entrar.
De quem é a culpa? DO MEMAI E COLEGAS!

Há Centros de Saúde com médicos que não têm um ficheiro completo, por não haver utentes para inscrever.
Noutros Centros de Saúde há milhares de utentes sem Médico de Família.
De quem é a culpa? DO MEMAI E COLEGAS!

O PS e o PSD têm alternado no Governo.
De quem é a culpa? DO MEMAI E COLEGAS!

A culpa pode ficar para tia, mas solteira não morre! DO MEMAI E COLEGAS!

L.C. DO MEMAI E COLEGAS!
DO MEMAI E COLEGAS!
DO MEMAI E COLEGAS!
DO MEMAI E COLEGAS!
DO MEMAI E COLEGAS!
DO MEMAI E COLEGAS!
DO MEMAI E COLEGAS!
DO MEMAI E COLEGAS!

Anónimo disse...

Mas caro MEMAI, não precisa de se zangar tanto. Não gostaríamos nada de saber que é voce é mais um dos médicos "esquizofrénicos ou dependentes" (que sim, diz que "também os há"!), que vai aos arames quando lhe tocam na ferida ("bolsa"). Existe boa medicação hoje em dia, sabia?

Anónimo disse...

Caro MEMAI
Sinceramente penso que não deve perder tempo a responder a alarves destes...que se tratam em estabelecimentos plenos de mordomias ou no veterinário...
Mande-os para o c****** !

Medico Explica disse...

Caro anónimo: acha que fui aos arames? Não comppreendeu o que escrevi. Numa sociedade capitalista e materialista, sem dúvida que a bolsa e o dinheiro são importantes. Sem ele não se vive. Para já ainda tem um SNS tendencialmente gratuito. Depois não sei. E aí é que vaã mexer na sua bolsa.
E sabe caro anónimo ou não tanto, não tenho preconceitos em relação ao dinheiro. Só que não o acumulo, prefiro gastá-lo e quanto mais melhor. A vida é tão curta...

Clarividente disse...

Ora, ora, os médicos andam sempre à procura de incentivos para trabalhar. Mas que espécie esta mais preguiçosa... Mas comunico aos senhores que estes valores serão meramente indicativos. Ou seja, na prática, serão uma inutilidade! É o mercado a funcionar: se há pouca oferta para a procura, os prestadores do serviço em causa ficam com a faca e o queijo na mão e o Estado refém daqueles. É o que acontece actualmente! De facto, devem aumentar-se ainda mais as vagas nas instituições que formam médicos. É inadmissível que os senhores só se movam se forem incentivados a tal, entre tantas outras modormias que exigem, como se fossem especiais de corrida, uma espécie exótica, face aos restantes trabalhadores portugueses. Escandaloso.

Anónimo disse...

Clarividente:
Sem querer entrar em polémicas gostaria de dizer que os médicos não se movimentam só para serem incentivados nem para exigir mordomias!Concordo quando diz que são precisas mais vagas em Medicina, já por várias vezes o disse, inclusive neste blog, mas isso é da responsabilidade do MS que nunca souberam fazer as contas. Quantos às mordomias, gostaria de saber onde as há: 6 anos de cursos, 1 a 4 anos à espera para entrar na especialidade, 4 a 6 anos para tirar uma especialidade, concursos para entrar na especialidade, exame de final de especialidade, concurso para provimento de um lugar no quadro(quantos não fizeram no tempo da Drª Leonor Beleza...)depois para progredir na carreira mais um concurso para assistente Graduado e para se chegar ao topo ainda é preciso fazer um Concurso para chefe de serviço! Atenção que todos estes concursos são com provas publicas e eliminatóris se o juri assim o entender. E agora pergunto, acha que depois de tudo isto, de passados 30 anos de carreira, ter uma profissão com elevado nível de stress e responsabilidade(não se trabalha com máquinas mas sim com seres humanos), ser obrigado a colmatar todas as faltas de pessoal, pois os doentes não tem culpa da falta de recursos e tem de ser vistos, operados, tratados, etc se ganhe uns miseros 17,32 euros por cada hora além do horário normal?( Isto se for chefe de serviço!)
Não estou com isto a dizer que não haja outros profissionais que ganhem muito menos, mas acho que actualmente a carreira médica está muito mal paga e talvez por isso os mais novos se "mercantilizem", abandonem o sector publico e corram de um lado para o outro. Não será o mais saudével para o profissional e para o doente, mas neste momento é o que temos no nosso SNS.
Como em todas as profissões há bons e maus médicos, há médicos que trabalham sem ter em conta as horas que passam além do seu horário sem receberem um tostão a mais e também há médicos que estão à espera da hora para se irem embora!
Não devemos generalizar, nem todos os médicos andam a correr para ganhar mais dinheiro ou fazer mais horas, conheço muitos que neste momento até pagavam para não ter de fazer horas extraordinárias!Nunca se esqueça que nada paga o descanço de cada um, o tempo que se tem de roubar à familia, os sacrificios que se tem de fazer, as férias que não se podem ter quando se quer, o fim desemana que não é possivel ir passear porque se está de serviço e não há ninguém para o fazer, o ter de pedir a um familiar ou amigo para ir buscar os filhos ao infantário pois a cirurgia atrasou, o doente não acorda ou ainda há 10 doentes na consulta ou na enfermaria par ver e controlar! Poderia inumerar um sem nº de razões que o dinheiro não paga e mais, também posso dizer: muito poucos, desde o doente, aos colegas, directores ou Conselhos de administração ( com algumas excepções felizmente) dão valor a todos os sacrificios que se fazem!
Boas Festas!
Maria Papoila( desiludida da vida)

Anónimo disse...

pois, pois, ganham tão pouco...e quando se vai ver os rendimentos anuais, portugal é um dos países da europa onde os médicos em relação às outras profissões é os que têm maior rendimento...e nos congresso internacionais??? um país tão pequeno e dos melhores representados (ao falar em pequeno, note-se tb dos mais pobres. Veja-se o exemplo dos médicos que trabalham num centro de saúde, que saiem às20 horas e estão a entrar às 20 na urgência do hospital x, o sap que funciona com dois médicos e sós está de serviço um (note-se que ao fim do mês é pago aos dois)....um sem fim de vergonhas...coitados tão injustamente tratados sr intelectual

Anónimo disse...

Pronto!

Largaram o pedantismo de casta!

Anónimo disse...

por acaso estive numa consulta das agora chamadas abertas, e estava uma senhora com falta de ar, e o médico disse que teria de esperar pela sua vez, ou ir para a Urgencia do hospital, e a coitada assim o fez....passado 30 m apareceu uma ambulancia com uma doente, passou á frente de todos...porquÊ?? porque tinha sido consultada em casa por um colega (particular ou seja a pagantes)e o colega atendeu logo....porque não foi para o hospital como a outra se a consulta era para não urgentes???? "LObezinho"?!! não, que coisa, não existem....são uns santos pobres ciotados....

Medico Explica disse...

Espero que os anónimos comentadores sejam coerentes com os seus comentários e denunciem no Livro de Reclamações e à IGAS todas as graves denúncias aqui relatadas.

Não se acobardem por trás de comentários e DENUNCIEM.

Eu, médico, já reclamei junto de vários serviços, incluindo serviços de saúde e contra médicos, colegas meus.

Quanto à inveja dos ordenados, devíamos ganhar muito mais, muito mais mesmo, deveríamos ser os mais bem pagos. A sorte é quie há sempre uns patos e incultos que recorrem à privada e depois gostam de dizer: fui ao professor x, ao director do serviço y, como ficam contentes os incultos e ricos esses médicos. Iliteratos! Analfabetos. Como gostam de ir à privada só para se pavonearem junto seus colegas de escritório.

Vós, comentadores nada percebem do que dizem e são uns patos. Pagam centenas de aérios para irem ouvir umas baboseiras dos senhores doutores....

Anónimo disse...

E qual foi o resultado das reclamações?
O que aconteceu a quem foi objecto das reclamações?
Que mudanças resultaram das reclamações?

Fico curioso porque, em casos de reclamações de que fui tendo conhecimento, muitas objectivas e fundamentadas, não resultou nada.

Imperou a preocupação corporativa de desculpabilizar comportamentos menos correctos dos profissionais, desde médicos a administrativos.

Anónimo disse...

Não vale a pena os medicos reclamarem por causa do salário, ninguém acredita porque as pessoas são totalmente ignorantes em termos de Medicina, mas são completamente invejosas em termos de dinheiro, por mais miseravel que seja o salario... é que se lhes perguntarmos se querem trabalhar noites, fins de semana, 24h seguidas, estudar toda a vida, provavelmente não estão dispostos e nem os médicos estão dispostos a fazer esse trabalho sem ser remunerado. As pessoas têm a mania que os médicos têm de ser escravos da sociedade e devem trabalhar de graça enquanto os doentinhos coitadinhos usam e abusam do sistema, insultam, criticam e fazem tudo qto lhes apetece. Se os medicos têm um curso duro, uma vida ainda mais dura, responsabilidades como nenhuma outra profissão, horários inumanos... isso não interessa, são medicos, é para trabalhar e não reclamar! Mas o problema é que isto está a acabar, porque os jovens que se formam agora não estão mais para contentar esta sociedade que não os respeita e não lhes dá valor, só os sabe acusar e vive à custa do trabalho dos outros e dos subsidios e rendimentos mínimos... e depois vai reclamar para a urgencia porque paga impostos!... pois vai passar a acusar com razão porque estamos a criar um bando de médicos mercenários que só correm pelo contrato... querem que os medicos sejam funcionarios publicos? tratam-nos como tal? pois eles vão passar a comportar-se como tal... começando por mim... Caro MEMAI, pode enviar-me essas propostas de contratos para trabalhar pelas empresas? termino para o ano a especialidade e preciso de ter qualidade de vida. Eu não os deito ao lixo, vou escolher os melhores e trabalhar para ganhar dinheiro... Não é disso que nos acusam? Pois é isso que vão ter!
An - portugal2001@hotmail.com

Clarividente disse...

Reclamar? Onde? A quem? Com que expectativa, caro "Médico que não Explica"? Realmente, acho que não vale a pena! Nada muda e os que deviam ser punidos, pela sua incompetência, não o são! Continuam impunes e a exercer como sempre exerceram. Então se falarmos da Ordem dos Médicos... A sua real função (e preocupação) é apenas "limpar" a imagem eventualmente manchada dos seus associados. Nada mais. Os doentes, que se danem. Foi isso que disse, há uns dias, a uma médica, numa clínica, quando confrontado com o tempo de espera para a dita senhora me atender. E a senhora ficou muito ofendida, coitadinha, disse que não estava ali a brincar e para apresentar queixa ao director clínico. Para quê? Ora, pagando (e bem) quero ser prontamente servido. É um direito que me assiste. Mas nem a clínica privada escapa à incompetência e à indolência que reina no seio da classe médica. É por isso que são precisos mais médicos, é por isso que é preciso competição: para seleccionar os melhores! Uma espécie de selecção natural, sabe?

Anónimo disse...

"Vós, comentadores nada percebem do que dizem e são uns patos."
Muito bem, já deu para perceber quem é que aqui manda, sabe e dita. De nada valerá trazer para aqui opiniões e argumentos diferentes dos seus, porque afirma imediatamente que os "contra-corrente" são uns "incultos", uns pobres "patos" que nada sabem do assunto, e que você sabe de tudo. Sabe, isso mostra muito da sua personalidade. Sabe que mais? Voce não sabe nada de boa educação, considera que só os seus congéneres estão aptos a opinar sobre os seus rendimentos. Se aproveitar para baixar o nariz e descer do pedestal frágil que voce pensa estar eternamente colocado, verá que a vida não é só dinheiro. Nem ser o "superior" entre os "patos".

Medico Explica disse...

Há comentários e comentários. E também há insultos. Aos autores e a uma classe inteira. Isso não tolero e em geral uso a mesma moeda. NÃO DOU A OUTRA FACE.

Respeito quem tem opinião diferente, mas opina. Aceito todas as opiniões contrárias ou divergentes, como tem acontecido desde o inicio do blog.

Não pactuo com generalizações, insultos baratos, comentários contra os médicos, como profissionais. De um caso isolado, há alguns comentadores que se masturbam na generalização e você, caro anónimo é um deles. Mesmo assim, Bom Natal e desculpe se se sentiu incomodado. Já sabe como sou!

Pago na mesma moeda.

Anónimo disse...

A tradição da classe médica portuguesa é nunca assumir, prontamemte, o erro. Desculpas, têm sempre uma pronta a sair. Assim se vê como este país ainda tem tanto de terceiro-mundista. Os médicos, enquanto classe profissional, são um bom exemplo deste anacronismo e do seu perpetuar na sociedade portuguesa.

Anónimo disse...

O meu carro foi à revisão. Na factura do mecânico vinha assim: 1h de mão de obra, 42 euros.
O meu pc foi para formatar, na factura do técnico de informática vinha assim... mão de obra, 37,5 euros à hora.

Os médicos ganham muito???

Mecánico - 42 (formação 0)
Informático - 37.5 (formação 1/2 anos)
Médico - 15 a 35 (formação 12 anos)

Para bom entendedor...

TXL, MS

Anónimo disse...

AHH!! Então agora para decidirmos correctamente o salário dos médicos, devemois compará-lo com o dos mecânicos e afins! Ora que rica solução... porque é que ninguém se tinha lembrado disso?? Bom, até agora alguém com 12 anos de formação o ter proposto. Muito bem, continuamos com os argumentos.. sem fundamento....

Anónimo disse...

Então acha justo o mecanico ganhar mais que o médico? Pois a esses ninguem critica que roubam os clientes mas o médico que é uma das profissões mais dedicada à sociedade só recebe criticas e insultos por querer receber um salario justo... não é querer ganhar milhoes, é simplesmente não querer ganhar a miseria que ganha nos hospitais publicos...

Anónimo disse...

Sem fundamento são todos os arguimentos dos ignorantes, invejosos, preguiçosos, mal-agradecidos e afins que só sabem criticar uma classe a quem devem a vida e quem recorrem quando precisam! Aí é Sr. Dr. por favor ajude-me que estou a morrer, mas depois de receberem a ajuda cospem na cara e atiram tomates.... dispensamos este tipo de pessoas por aqui que não trazem nada de construtivo, apenas rancor por que de facto, trabalha a sério e dedica a sua vida a cuidar dos outros. Por acaso os comentadores que fazem as críticas qto ganham e o que fazem pelos outros?