terça-feira, março 28, 2006

Gripe Aviária: Leia Um Cheirinho De Ciência

Retirado do Jornal Tempo Medicina.

A lista de pessoas que vão ter prioridade na quimioprofilaxia da gripe foi encarada pelos meios de informação geral «de uma forma muito desagradável» e numa «perspectiva negativa», disse Graça Freitas, no Porto, lembrando que tal medida é para «benefício da sociedade».

A questão da lista das pessoas com prioridade para receber oseltamivir, recentemente apresentada, foi levantada por Filipe Fróis, do Serviço de Pneumologia do Hospital de Pulido Valente, no passado dia 18, no decorrer de uma mesa dedicada à pandemia da gripe, integrada nas Jornadas Galaico-Durienses, que decorreram no Porto.

Este médico referiu que o assunto foi divulgado à população «de uma forma extremamente negativa», sendo «útil esclarecer os colegas sobre os critérios que presidiram à elaboração dessa lista de pessoas indicadas para fazer quimioprofilaxia de longa duração».

A subdirectora-geral da Saúde Graça Freitas, prelectora nesta mesa, reconheceu que, de facto, houve «situações muito desagradáveis» na informação, garantindo que esta medida «não vai privilegiar elites», nem os cidadãos incluídos são beneficiados.

«Pelo contrário, são pessoas que vão trabalhar no duro horas e horas a fio», acentuou. Como explicou, Portugal procedeu como todos os países desenvolvidos, visto que a reserva de oseltamivir, além de contemplar o tratamento para 2,5 milhões de portugueses, se destina também à quimioprofilaxia das pessoas «consideradas prioritárias», porque vão «prestar serviços essenciais ao País».

Quanto aos critérios, Graça Freitas esclareceu que não foram apenas contemplados médicos e enfermeiros, sendo a escolha feita por «um grupo de peritos», em função do tecido social e seus grupos profissionais, e, naturalmente, «com base na literatura internacional».

A responsável disse mesmo que, se vier a contrair a gripe, gostaria que «um dos médicos presentes ou outro qualquer» estivesse saudável para a tratar. «Isso é a noção de quimioprofilaxia prioritária», frisou, garantindo que «o resto da população não vai morrer por falta de medicamentos».

Planos de contingênciaNa sua apresentação, dedicada ao tema «Que fazer antes, durante e depois» da pandemia da gripe, centrado, nomeadamente, na aplicação do plano de contingência, que como se sabe se estende a vários ministérios e empresas, Graça Freitas disse que foi necessário fazer cenários, os quais tiveram que ser revistos.

O cenário mais crítico apresentado refere-se a um pico de uma semana em que, com uma «taxa de ataque» de 25%, estarão doentes 413 mil pessoas. A subdirectora-geral da saúde enumerou ainda outros cenários para consultas médicas no período pandémico, apontando quatro eixos «importantíssimos» que estão a ser desenvolvidos: «A informação em saúde, a prevenção e controlo com medidas de Saúde Pública (internamento, ambulatório, vacinas e medicamentos), a comunicação e a avaliação do processo».

A responsável disse que estão a ser criados mecanismos para «impedir fugas de medicação armazenada», lembrando que quando os frascos do fármaco forem distribuídos aos centros de saúde, farmácias e hospitais, o mesmo doente, com o mesmo episódio de gripe, só pode ter acesso a uma receita. «Mesmo que vá a 10 médicos diferentes, tem que haver algum tipo de controlo, e isso passa obviamente pela informática», sublinhou, lembrando ainda que «há que impedir os médicos de prescreverem a quem não reúna critérios para prescrição».

Mutação adaptativa.

Na mesma reunião, Maria de São José, professora da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, fez o ponto da situação da gripe aviária, lembrando que um dos receios mais evidentes é que os humanos possam ser infectados de forma concomitante com o H5N1 e o vírus da gripe sazonal.

Neste caso pode ocorrer a recombinação, ou seja, a mistura dos genes de uma estirpe humana com o H5N1, situação que, informou a especialista, «daria ao vírus da gripe aviária aquilo que ele pretende: possibilidade de se transmitir facilmente, adquirindo uma hemaglutinina». Mas também a mutação adaptativa pode ocorrer, já que «quanto mais tempo este vírus estiver no homem mais possibilidades temos que recomece a adaptar-se», sublinhou Maria de São José, reconhecendo que «a situação não é, de maneira alguma, favorável para nós».

Como lembrou, a evolução do H5N1 durante os anos 2004-2005 foi «muito preocupante», sobretudo porque «aumentou a variedade de hospedeiros» e começou a matar aves migratórias e também gatos e tigres (147 tigres, segundo disse, morreram na Tailândia por comer carcaças de galinhas infectadas).

Falência multiorgânica: Maria de São José comparou a gripe de 1918 com a gripe aviária, no que diz respeito a severidade, lembrando que os doentes têm apresentado, além da pneumonia viral primária, que se complica depois com a síndrome de dificuldade respiratória aguda, «uma falência multiorgânica», inferindo que «parece ser a resposta imunológica a responsável por este quadro tão dramático».

De qualquer forma, a farmacêutica referiu que, apesar de hoje se tentar extrapolar a mortalidade desta gripe para a de 1918, temos que pensar que presentemente temos muito melhores cuidados de saúde, muito mais medicamentos, mais meios de diagnóstico e muito maior capacidade de produção de vacinas.
Por outro lado, em 1918 havia «uma população muito mal nutrida, saída de uma guerra».

Traçando um quadro mais optimista, Maria de São José disse que o H5N1 pode continuar a ter dificuldade em «saltar a barreira das espécies, como de resto continua a ter, se atendermos aos milhões de aves de capoeira que já foram infectadas» e aos 177 casos humanos. «Sabemos que não estamos perante um vírus humano» e que ele «tem dificuldade em se adaptar à multiplicação nas nossas células», disse, concluindo, ainda num cenário optimista, que o H5N1 «pode nunca chegar a ter capacidade de se transmitir de pessoa a pessoa».

H5N1 «aumentou a estabilidade ambiental»«O vírus está muito mais voltado para as aves domésticas e para os modelos animais, e aumentou a estabilidade ambiental, o que começa a tornar possível a transmissão ambiente-pessoa, como já aconteceu em alguns casos através de fezes de galinhas ou de outras aves domésticas doentes», salientou Maria de São José.

De resto, para a especialista, o que se passou na Turquia foi «alarmante» (aparecimento de 20 casos humanos em apenas duas semanas), já que no Sudoeste asiático, conforme recordou, «nunca se criaram clusters tão grandes», o que a levou a concluir que aí possa ter havido também transmissão inter-humana.

Por outro lado, «mostrou-se que as estirpes H5N1 isoladas na Turquia começaram a apresentar alterações preocupantes, ou seja, uma mutação», sublinhou a especialista, esclarecendo que isso «faz com que a hemaglutinina da gripe aviária já comece a aumentar a sua afinidade para os sectores das células humanas»....

A gripe e o «empolamento interno» O «empolamento interno e internacional» relativamente à gripe das aves foi criticado pelo pneumologista José Miguel de Carvalho, do Hospital de Santarém, ao defender que o que se tem visto até agora são «situações autonomizadas».

«Por exemplo, na Turquia não haverá grandes meios», em termos de equipamentos sociais e de habitação, e «noutros locais as coisas acabam por ser evitadas». O facto de morrerem 100% das aves infectadas não é novo para este especialista, uma vez que se trata de «um mecanismo de autolimitação de expansão» da doença com a mortalidade.

«Até agora não temos exemplos de que o tal cenário catastrofista seja real», disse, considerando que, no entanto, continua-se a «vender o panorama de pânico» de 1918.

«Acho que há uma distorção», sublinhou. O pneumologista recordou que, apesar de tudo, há muitas doenças subestimadas no mundo. «Muitas pessoas morrem por falta de tratamento e, mesmo nos nosso país, há falta de dinheiro para comprar os remédios e às vezes morre-se por causa disso», acrescentou, lembrando ainda que «em muitos locais as autoridades de Saúde subestimam essa questão, mesmo a nível internacional».

4 comentários:

Anónimo disse...

que foleiro está este layout... mude para o antigo!

Medico Explica disse...

para já há 2 contra e 1 a favor!

Mário de Sá Peliteiro disse...

Olha o Memi a reconhecer ciência a uma farmacêutica...
Não foi só o template que mudou...

Já agora a minha crítica, construtiva, ao template:
1- está melhor, mais suave, mais moderno
2- O problema de rolamento não se tem verificado

3- O subtítulo - com os anúncios, contador,avisos - está um pouco desordenado visualmente. A melhorar
4- Os arquivos ocupam muito espaço, letras melhor que palavras (Março, em vez de 3)
5- O Correio [aqui] é pouco gentil
6- A imagem do canto sup esq devia ser substituída, a casa não diz nada
7- Faz falta uma lista de links, seja de blogues ou outros sítios (não se esqueça do Boticário; OF; ANF...)

Jyromino disse...

NEGÓCIO DA CHINA

Extracto do Editorial do número 81(abril-2006) da revista DSALUD (www.dsalud.com ) por José Antonio Campoy

¿Sabes que o vírus da gripe das aves foi descoberto há 9 anos no Vietname?

¿Sabes que desde então apenas morreram 100 pessoas EM TODO O MUNDO DURANTE ESTE TEMPO?

¿Sabes que os norte americanos foram os que alertaram da eficácia do TAMIFLU (antiviral humano) como preventivo?

¿Sabes que o TAMIFLU apenas alivia alguns sintomas da gripe comum?

¿Sabes que a sua eficácia perante a gripe comum está questionada por grande parte da comunidade científica?

¿Sabes que perante um SUPOSTO vírus mutante como o H5N1, o TAMIFLU apenas aliviará a doença?

¿Sabes que a gripe das aves apenas afecta as aves?

¿Sabes quem comercializa o TAMIFLU? LABORATÓRIOS ROCHE

¿Sabes a quem comprou a ROCHE a patente do TAMIFLU em 1996? a GILEAD SCIENCES INC.

¿Sabes quem era o Presidente da GILEAD SCIENCES INC e ainda hoje principal accionista? DONALD RUMSFELD, actual Secretário da Defesa dos USA

¿Sabes que a base do TAMIFLU é o aniz estrelado?

¿Sabes quem ficou com 90% da produção mundial desta árvore? a ROCHE

¿Sabes que as vendas do TAMIFLU passaram de 254 milhões em 2004 para mais de 1000 milhões em 2005?

¿Sabes quantos milhões mais pode ganhar a ROCHE nos próximos meses se continuar este negócio do medo?

Ou seja, o resumo desta história é o seguinte:

Os amigos de Bush decidem que um fármaco como o TAMIFLU é a solução para uma pandemia que ainda não aconteceu e que causou em todo o mundo 100 mortos em 9 anos. Este fármaco não cura nem a gripe comum. O vírus não afecta o homem em condições normais. Rumsfeld vende a patente do TAMIFLU à ROCHE e esta paga-lhe uma fortuna. Roche adequire 90% da produção do aníz estrelado, base do antivírico. Os Governos de todo o Mundo ameaçam-nos com uma pandemia e compram à ROCHE quantidades industriais do produto.
Nós pagamos o medicamento e Rumsfeld, Cheney y Bush fazem o negócio....