quinta-feira, janeiro 18, 2007

Sabia Que?

De um comunicado do Sindicato Independente dos Médicos no Jornal Virtual

"PODE ESTABELECER-SE A CONFUSÃO NOS CENTROS DE SAÚDE

Foi hoje libertado para a Comunicação Social um Relatório da Inspecção-Geral de Saúde que, ainda que não identificando qualquer relação entre os congressos patrocinados pela indústria farmacêutica e a prescrição médica, identificaria os 14 médicos maiores prescritores de medicamentos. Numa contabilidade à receita e aos custos dos medicamentos prescritos, o mais gastador seria um médico de um CS de Aveiro, prescritor de 95 receitas/dia, aliás suplantado por dois outros (de Santarém e de Guimarães) com mais de 100 receitas/dia.

Nada é divulgado quanto ao nº de doentes que esses médicos atendem por dia,
quanto às doenças que têm e
à sua idade (se são idosos e com várias doenças crónicas, por ex.)
quanto ao nº de utentes na sua Lista,
quantos doentes sem Médico de Família do seu CS atendem e respectiva medicação crónica renovam diariamente.

É omitido que faltam Médicos de Família nos CS, existindo cerca de 700.00 portugueses sem Médico de Família.

É omitido que cada receita do SNS não pode ter mais do que 4 medicamentos diferentes e de cada um mais do que 2 caixas.

É omitido que há medicamentos que são tomados cronicamente e que não são passíveis de serem prescritos em receita renovável tendo que ser prescritos logo na mesma consulta para não obrigar o doente a deslocar-se repetidamente ao CS.

É omitido que as receitas renováveis de 3 vias e com validade para 6 meses têm todas a data do mesmo dia.

É omitido que há medicamentos que apenas são comparticipados na sua embalagem mais pequena, tal como é omitido que os medicamentos são caros em Portugal e que são organismos estatais que fixam os PVP e as comissões dos intermediários.

A menos que seja provado que essas receitas não corresponderam a actos médicos e actos médicos perfeitamente tipificados,
a menos que se chegue à conclusão de que essas prescrições foram inadequadas às patologias dos doentes, então se calhar esses médicos até deveriam receber um louvor do Sr. Ministro da Saúde publicado em Diário da República por trabalharem demais!

Esta jogada populista e pretensamente intimidadora dos Médicos, geradora de eventual perturbação da relação de confiança médico/doente, procedimento a que já nos habituamos a ver ser utilizado pelo Ministério da Saúde em alturas de aperto e para desviar as atenções, pode vir a lançar a confusão nos Centros de Saúde…

E se a partir de amanhã os Médicos de Família

- se recusarem a atender diariamente mais doentes da sua Lista do que o nº referente a umas tantas receitas (60? 70? 80? 90?),
- se recusarem atender
- e renovar medicação crónica aos doentes sem Médico de Família?

- Se quando à noite forem trabalhar para um serviço de Urgência já tiverem ultrapassado a sua quota diária?

Se não aceitarem ser apelidados de “reis da receita”?

Querem que os Médicos apenas atendam utentes não doentes? Como é que vai ser, Sr. Ministro Correia de Campos?"

14 comentários:

Anónimo disse...

Sabia que? a comunicação social é muito "mentirosa"????

Sabia?

Anónimo disse...

Já agora? "Libertado para a comunicação social" - será Português?

naoseiquenome usar disse...

Ponto 1)
Ponha entre aspas o comunicado para que não o confundam com o mesmo, a menos que assim o queira;
Ponto 2) Demagogia e irresponsabilidade é o que mais pulula por aí!

Medico Explica disse...

Já lá estão as aspinhas para que não haja confusão. Sou a favor das auditorias habituais do Estado aos seus prescritores. Tudo o resto é folclore.

naoseiquenome usar disse...

Obrigada MEMI.

Anónimo disse...

Parece-me que esta questão é, como muitas, uma falsa questão. Se se pretender clarificar o assunto respondam-se às perguntas feitas pelo MEMAI. Depois se vê se há ou não justificação para tal numero de receitas. Se houver muito bem.. senão aja-se em conformidade. O folclore é escusado. A mim os numeros isolados nada me dizem.
Agora resta saber se depois de um sussurro aos jornais sobre o assunto este será averiguado ou se ficará (mais) uma suspeita pairando sobre a classe médica. Factos, por favor. Mas completos.
CF

Anónimo disse...

Ainda com as suas explicações, continuo a achar o valor de 100 receitas/dia um absurdo.
Mas espero que não haja nenhuma irregularidade nestes casos.

naoseiquenome usar disse...

Bom :)
Mesmo com as aspas e o itálico (pese embora o negrito propositado de algumas passagens), constata-se que os comentadores estão a percepcionar o texto como sendo do MEMI e não do SIM :)

Anónimo disse...

Prescrever 100 receitas pode ser normal num ou outro dia onde se viram mais doentes ou se esteve de urgencia... mas isso não acontece TODOS os dias. Ora, para dar uma média de 100 receitas/dia é porque existiram dias onde se prescreveu bem mais! Há o razoável e há o exagero!!

Anónimo disse...

regra básica de gestão: estar atento a todos os desvios à norma. eu apostaria que algo está errado com esses colegas mas até se saber o que de facto se passa as TV deviam ser mantidas longe. para o público o julgamento já está feito.

Medico Explica disse...

Saberão estes doutos comentadores 100 receitas a quantas consultas corresponderão?
Saberão estes doutos coimentadores quais a regras de prescrição?

Saberão? Não!

Pois em média em cada consulta o doente poderá sair com 3, 4 ou mais receitas na mão?

100/4 = 25 consultas por dia em média...

Anónimo disse...

Esses doentes TODOS de 4 receitas na mão por consulta, todos os dias de 365 ou 366 do ano, ainda estão vivos??? ;)

Medico Explica disse...

Da lista de 3 mil utentes, já devem ter morrido 50%.

No relatório há casos que devem ser auditorados, para seu sossego.

Se um médico tem como primeiro medicamento o PLAVIX, é necessário saber porquê.

E pode haver muitas respostas, desde o favorecimento ao laboratório até ao facto de fazer muitas renovações de medicamentos de doentes hospitalares: o plavix tem caixas de 28 cp, 1 mês de tratamento. Se marcar a consulta para 6 meses, o habitual, só para o plavix leva 3 receitas se forem duas caixas ou 6 receitas, se o médico for amigo do doente e quiser que ele avie uma caixa por mês.

Anónimo disse...

RESPOSTA A SUA PERGUNTA.

FICAM A DEVER AS RECEITAS NA FARMACIA, POIS ESTAS NÃO PODEM DEIXAR MORRER AS PESSOAS.