quarta-feira, janeiro 31, 2007

SIM, "Porque se não tivesse ajudado aquelas mulheres elas iam meter agulhas até ao útero para abortarem."

No Diário de Notícias de 29 de Janeiro de 2007:

"Tenho a consciência tranquila, sabe? Porque se não tivesse ajudado aquelas mulheres elas iam

meter agulhas até ao útero para abortarem. Há quem pense que isto das agulhas já não existe,

que o raminho de salsa [enfiado na vagina até ao colo do útero] já não existe.

Existe, pois! Todos os dias acompanho gente que vive em bairros de miséria. Essas pessoas não vão a Espanha!

Nem tomam Cytotec. Enfiam agulhas de tricô, sim.

Atiram-se pelas escadas abaixo, sim.

"As palavras, como rajadas, pertencem a José António Pinto, assistente social da Junta de Freguesia da Campanhã, Porto,...
"

19 comentários:

naoseiquenome usar disse...

Pronto! :)
eu alinho nessa!!!
COITADINHAS das pobres desprotegidas!
Coitadinhas que só sabem o que é uma agulha de tricot (a propósito, alguém se lembra de uma???:) ); coitadinhas que só têm raminhos de salsa e cominhos e restante agricultura biológica!
Coitadinhas!!!


Depois de dia 12, vão estar todas com o fato domingueiro, perfumadas com água de rosas, aperaltadas e expeditas, a fazer fuila no hospital mais próximo e dar ao sr. dr. o raminho de salsa par um bom temperro e agulha de tricot para o fato para o cão, já que, têm assegurado que ali, com a ajuda do sdr. dr. podem abortar em condições de higiene e segurança!

Nada mais certo!

Até à próxima queca no palheiro.

Medico Explica disse...

:)

Anónimo disse...

não goze com o nosso povo, NSQNU. Talvez prefira adolescentes com um bando de crianças criadas ao Deus dará ou em instituições de acolhimento. Eu não.
CF

naoseiquenome usar disse...

Não sou eu que estou a gozar CF.
É aqui o nosso caro MEMI.
Se este artigo falasse de Médicos o MEMI já o tinha linchado por ser do pior jornalismo feito em Portugal. Mas não, apela à comiseração, pretende falar ao coração... e ainda se atreve a chamar os outros de demagógicos!?

Bem sabemos que estes casos se manterão.
Fazer a sua exploração é no mínimo desonesto!

Anónimo disse...

Depois de ler este "post" fiquei com uma grande dúvida. Como é que o Sr. J A Pinto ajudou aquelas mulheres de quem fala? Será que as levou a qualquer lado para fazerem um aborto? Sou levado a pensar que sim. Se o fez praticou um crime que está previsto no Código Penal à data que o praticou.
Vem agora divulgar isso, como se tivesse feito uma grande coisa ao infringir a lei. Se o fez, é, pois, um criminoso confesso. Será que o Ministério Público fará olhos cegos e ouvidos moucos a uma confissão da prática de um crime?
Esta minha observação não tem nada a ver com o sim ou com o não, isso são contas de outro rosário que serão contadas em 11.Fev. O que me revolta é fazer de pessos que infringem clara e ostensivamente a lei sairem dos crimes praticados como se fossem grandes heróis. Já não chegava um sargento do exército desprezar uma decisão de um tribunal ao longo de anos e agora ser um herói? Era preciso vir um assistente social de uma Junta de Freguesia seguir-lhe o exemplo?

Um Médico que passou por aqui e resolveu meter uma colherada - M. Simão

Anónimo disse...

SIM, voto sim. Sim à vida. Sim contra o aborto. Sim
contra a chaga do aborto clandestino.

o SIM é pela vida, e não obriga ninguém a abortar.

as ivg fazem-se sempre, e sempre se farão, quer se criminalize ou não.

Anónimo disse...

como a IGV se fará sempre, quer se criminalize ou não, vamos promovê-la, b'ora daí!
É este o papel dos médicos hoje em dia, mesmo daqueles que disseram defender a vida e que têm obrigação de fazer planeamento familiar.
É mais fácil mandar uma mulher aspirar o embrião, por onde passa a vida que é um contínuo, do que educá-la a planear ou mesmo a aceitar alguns revés da vida.

Podia ir para carniceiro ou talhante.

Aproveitar-se destas misérias para fazer propaganda é nojento.

Marta disse...

NSQNU - isto não é desonesto, é indecente. Isto não é demagógico, é perverso.
E viva o crime.
Vamos despenalizar/liberalizar as drogas leves - e porque não as pesadas, os pequenos furtos - e porque não os grandes, as pequenas ofensas corporais e porque não o homicídio?

Rui disse...

Deixemo-las então continuar a meter agulhas até ao útero. Deixemo-las continuar a cometer agressões aos seus corpos, com o sério risco de se tornarem inférteis ou de falecerem.
Deixemo-las abandonadas e enfiemos a cabeça na areia, talvez assim não as ouçamos a gritar entrando por um serviço de urgência com dor, infecção, traumatismo...
Vamos brincar ao mundo perfeito, em que todos conhecemos e sabemos utilizar correctamente os métodos contraceptivos.
Deixe de se questionar às mulheres "Já abortou?", a resposta será sempre "Não, eu DOMINO os ACO e o preservativo, CONHEÇO os métodos naturais como a palma da minha mão...e só terei sexo depois do casamento, não é assim que deve ser?".
...
Sabem, muitas vezes a resposta é mesmo qualquer coisa do género "Isto é confidencial não é? Já..."
Cumprimentos.

Anónimo disse...

é confidencial sim. E é crime.

naoseiquenome usar disse...

Venho deixar os n.ºs do estudo da APF.
Não vale a pena apelar à caricatura ou à Misericórdia!


Só 14,1% das mulheres apontaram falta de condições económicas para a realização do aborto; as restantes referem motivos como pressões familiares (8,0%) e/ou do marido/companheiro (9,4%), instabilidade conjugal (9,1%), problemas de saúde não enquadráveis na lei (4,2%), idade considerada inadequada (demasiado nova, 17,8%, ou demasiado velha, 2,6%)... ou por não desejar de todo ter filhos (13,2%).

Mário de Sá Peliteiro disse...

Já que o MEMI adere a uma abordagem tão leve para o assunto, talvez devesse colocar aqui umas imagens de fetos despedaçados por abortos cirúrgicos - feitos por médicos ou por habilidosos.

Anónimo disse...

Continuo sem entender: o facto de se aceitar que o aborto não seja crime não o torna uma prática obrigatória para os que com ele não concordam.
Agora dizer redondamente e globalmente NÂO é de uma dissimulação a toda a prova.
Senão vejamos outros exemplos: de facto não sei qual o enquadramento legal do consumo de drogas. Sei contudo que o tráfico é crime; mas o consumo implica tráfico. Correcto? Então e abrem-se salas de injecção assistida? Não será por uma política de minimização de danos?
E há droga nas cadeias?

No mundo fantasioso onde esta gente parece viver, onde tudo é feliz e muito temente a Deus, cheíssimos de respeito pela vida, não me constou que os problemas acima referidos levantassem grandes questões.

«Até à próxima queca no palheiro» NSQNU: por favor, se não quer fazer IVG não faça. Mas aborrece-me uma visão tão redutora da questão. Não se engravida por acidente apenas com quecas nos palheiros (que aliás não me parecem ser muito fáceis de encontrar). Já agulhas de tricot encontram-se com facilidade....

E quanto ao comentário do Sr. Mario de Sá Peliteiro: lamento, no blogue manda o dono do blogue. Se o Senhor quiser, exponha as fotos dos fetos desmembrados.
Mas exponha também crianças que já nasceram, algumas senão muitas em situações desfavoráveis, e que são maltratadas, violadas, queimadas, enfim, uma verdadeira panóplia de horrores.

Entre o preto e o branco vão muitos tons de cinzento.

Infelizmente vai ganhar o Não. Porque o fanatismo sempre foi poderoso (e atenção que aqui não me refiro aos participantes habituais neste blogue).

Mas mutatis mutandis tudo vai ficar na mesma. Quem pode pode. Quem não pode faz tricot.
CF

naoseiquenome usar disse...

CF:
A propósito de felicidade, deixo aqui o conteúdo do meu último post, em, "resposta" aos filhos do Código Penal de Vital Moreira.

Conheço bem a retórica, a doutrina, a escola, de Vital Moreira.
Aprendi-a, absorvia-a, verti-a nos exames.
Somos da mesma escola, mas como eu sou mais nova e não vivi as vicissitudes de Abril, não apregoei as doutrinas da liberdade que ufanamente então VM se prontificou defender.
Tanto as defendeu, que hoje, com muitas das suas novas posições decorrentes do novo posicionamento político, ficamos com a sensação de que de VM só se mantém o narcisismo, na quase inveja de si próprio.
Mantém contudo os tiques do discurso.
E faz passar aos mais distraídos uma imagem de segurança.
A referência aos filhos do Código Penal, não podia ser mais ofensiva, destituída de qualquer senso, irreflectida e que, só se virará contra si.
Isto porque, quer VM, que, as nossas crianças só nasçam se forem muito desejadas e amadas.
Ao cronómetro e ao milímetro, devem assim planear-se os filhos.
À semelhança das carreiras, dos amores, da vida.
Sim, porque desta forma, passaremos então, a viver num idílio, seremos todos muito felizes!
Ou VM já não vive cá, ou simplesmente não vive, ou, pelo menos, não sei do que será filho, porque, na altura do seu nascimento não havia este Código Penal, (tão-pouco os métodos contraceptivos e o acesso à informação que existe nos dias de hoje) mas, permito-me razoavelmente afirmar que terá nascido quando "aconteceu" e não por por puro planeamento. Se estiver enganada, e sob reserva, então posso ao menos afirmá-lo, em relação à grande maioria de nós.

Uma coisa é uma gravidez inicialmente indesejada, porque não se estava à espera, porque as condições não são as melhores, porque toda a vida mudará com o surgimento de um novo ser.
Outra coisa é prosseguir a gravidez e não amar o filho.
Isto não aceito.
A grande maioria das gravidezes aconteceu e ainda acontece nestas circunstâncias.
Mas o amor que se vai apoderando da gestante pelo filho que transporta em si e o amor que lhe vai dispensar após o nascimento, de todo, jamais estará condicionado pelo efeito-surpresa (negativo) da gravidez!


(quando quiserem ser hipócritas, saibam sê-lo!)

Medico Explica disse...

Para o Mário de Sá Peliteiro:

Tem aqui o link para imagens choque sobre aborto: só não sabemos se são de violadores ou não, porque caso sejam de violadores ou de mal-formações, já são aceitáveis, não é?
http://www.vidahumana.org/vidafam/aborto/primer-trimestre-fotos_index.html

Mário de Sá Peliteiro disse...

Ó CF, o blogue nem é meu nem é seu; é do MEMI, que não precisa que o defendam.
Meta-se na sua vida, homem.

Anónimo disse...

Homem, não. Mulher.
E não me parece que MEMAI necessite de defesa.
E eu de facto meto-me na minha vida. Cada um se meta na sua. Por isso acredito na despenalização do aborto.
Quanto ao Vital Moreira, de facto não tendo formação jurídica, desconheço as suas posições, com a certeza porém que ele terá direito a elas. Quanto aos filhos do Código Penal, não conheço. Desculpe a minha ignorancia jurídica. CF

naoseiquenome usar disse...

Ó CF:
Vai desculpar-me: desta vez parece que não é só o "jurídico" que não entende, ou não quer entender...

Anónimo disse...

Há poucos anos atrás as mulheres tinham carradas de filhos que andavam descalços, uns ao colo, outros presos à saia, muitos passaram fome... todos se criaram e com certeza são hoje muito felizes e agradecem por não ter sido rejeitados porque se calhar hoje muitos de nós não estavamos cá. Se formos rejeitar todas as crianças que não nascem em berços de ouro e com todas as condições possíveis, vamos ter de matar metade delas!! Acho incrível como é que se tem coragem de dizer que é preferir matar a ter um bando de crianças criadas ao Deus dará ou em instituições!! A que ponto chegou o nosso comodismo egoísmo!!