quarta-feira, outubro 29, 2008

Perguntar Não Ofende: O Pepino Terá Um Caso Com A Ana De Vinhais?


O Sr Pepino é jornalista do Correio da Manhã. A Ana é uma jovem, muito jovem diria, professora de Vinhais. 


Foi colocada há 2 meses em Santarém. Mas teve um abortamento em casa (o dono do espermatozoide não aparece na reportagem). 

Por vias do Aborto foi à Urgência do Hospital, mas queixou-se, presumo, de um ouvido.

Mandaram-na para casa repousar. Sim um Aborto é sempre um Aborto, espontâneo ou não. 

Por vias disso, foi ao Atendimento Complementar do CS de Santarém e disse para a médica-que-a-maltratou (o Pepino não esclarece se houve ou não vias-de-facto): QUERO uma "cradencial" para para fazer uma ecografia e outra para uma consulta do especialista dos "óvidos".

Segundo o Pepino, parece que a médica-que-a-maltratou não tolerou as exigências, pois a piquena e giraça Ana pensou que estava no supermercado a aviar credenciais...

E aos despois, a médica-que-a-maltratou disse: vou-te maltratar e maltratou-a. E prontus
A utente maltratada, saiu do consultório, dizendo, maltrataste-me, bolas, bolas. Vou fazer queixa de ti, médica-que-a-maltratou, e vais ver que o último a maltratar é o que maltrata melhor.

Quando ia a chegar à rua, aparece o Pepino com um letreiro na testa: "Sou do Correio da Manhã, ganho à peça. As coisas da saúde valem mais. Procuro pessoas maltratadas."

E foi paixão à primeira vista. A Ana de Vinhais, segundo testemunhas oculares, vinha muito maltratada, o Pepino à procura de pessoas maltratadas. A Ana de Vinhais (confesso que tem um corpinho bem jeitoso) disse: Senhor Pepino, não chore. Eu fui maltratada agorinha mesmo. Posso servir de modelo. Não quer ir jantar a qualquer lado para lhe contar a minha história? Até lhe posso mostrar as nódoas negras, mas só a si. Estão por baixo da roupa.  No jornal não. é lá para em Vinhais perceberem como só precisou de 2 meses para ficar famosa...

O resto já se sabe, do casamento de ocasião, nasceu uma notícia que será provavelmente a notícia mais importante do nosso Serviço Nacional de Saúde nestes 30 anos de vida.

Para mais informações comprem o Correio da Manhã, umas manhãs atrás e explorem a notícia toda. Até podem fazer um recorte da foto da Ana e colocarem na mesinha de cabeceira, junto ao despertador... para recordar todos os dias de manhã antes do duche, de fazer a barba ou lavar os dentes...

31 comentários:

estrelinha disse...

Boa noite sou uma admiradora sua e pela primeira vez não gostei de ler o que escreveu,não quero dizer com isto que nao tenha razão,mas deve saber tão bem ou melhor que eu que hexistem colegas seus que são umas autenticas bestas.Eu explico vivi 11 anos em Lisboa e lá quer querira ou nao as pessoas sa diferentes aqui em Santarem os medicos ainda pensam que são os intocáveis que são os seres superiores que os comuns cidadaos deveriam sempre fazer uma venia cada vez que passam,não quer dizer que esta noticia nao tenha sido plantada mas olhe que a la medicos que deixam muito a desejar em humanismo alias acho que deveria ser uma disciplina obrigatoria no vosso curso.Continuo a admira-lo hehehe

Medico Explica disse...

Cara Estrelinha. Estou inteiramente de acordo consigo. Há colegas meus que se julgam intocáveis. Conheço alguns. Mas, também há os outros, que são a grande maioria. Os e as anónimos/as médicos/as que trabalham no dia-a-dia por cerca de mil euros no fim do mês...

Obviamente referia-me à balofice da notícia...

Anónimo disse...

O MEMAI desta vez passou-se..por certo que se sentiu maltratado com este título de uma noticia ao melhor estilo da Maria...e por falar em Maria, a tal do consultório sentimental...será que o tal espermatozóide era do Pepino ?

Anónimo disse...

Hum..o espermatozóide maroto não será antes dum dos "fumeiros" de Vinhais, essa simpatica terra transmontana que agora passa a ser conhecida não pela sua Feira do Fumeiro mas sim por Terra da Aninhas Maltratada ?

Anónimo disse...

A estratégia dos espermatozóides
http://drauziovarella.ig.com.br/artigos/estrategiaespermatozoides.asp

Os espermatozóides são muito desiguais. Na escola, aprendemos que, numa ejaculação humana, são expulsos de 200 milhões a 500 milhões deles e que todos nadam alucinados atrás do óvulo: ao vencedor, a glória da fecundação.
Parece que não é tão simples: os espermatozóides trabalham em conjunto, cada qual com uma função definida, como se fossem um exército de guerreiros disciplinados. No curso da evolução, foram obrigados a adotar essa estratégia para vencer as barreiras impostas pela anatomia sexual feminina.
A vagina humana é um lugar inóspito para eles. Sua superfície é forrada por colônias de lactobacilos que secretam ácido para defendê-la dos germes que penetram. O líquido que a lubrifica é rico em enzimas, anticorpos e glóbulos brancos dispostos a destruir invasores: bactérias, vírus, fungos ou células de outra pessoa; espermatozóides, inclusive.
Os poucos espermatozóides que conseguem sobreviver nesse ambiente ácido ainda precisarão vencer muitas barreiras para chegar ao óvulo. A pior, talvez, esteja na entrada do útero.
Na parte inferior, o útero se estreita num canal mais fino, chamado colo ou cérvix. O colo se abre na vagina por um pequeno orifício revestido por glândulas, que produzem um muco espesso para vedá-lo e impedir a entrada de germes.
Esse muco é empurrado para dentro do útero pelos movimentos delicados de um tapete de microcílios que revestem as paredes do colo. Nesse movimento ciliar, filetes do muco espesso são levados para cima, formando colunas muito próximas umas das outras. Como conseqüência, para penetrar, o espermatozóide é obrigado a espremer-se nos microcanais deixados entre as hastes de muco. Um espermatozóide mede três micra, e os canais, de três a cinco, na fase de permeabilidade máxima (ovulatória).
O trajeto pelos canais é não só labiríntico como cheio de perigos: ao invadir o muco, os espermatozóides são atacados por legiões de glóbulos brancos hostis, três vezes mais numerosos do que eles.
Na ânsia de escapar dos atacantes e abrir caminho entre os canais, os espermatozóides fazem desabar algumas das hastes de muco, ocluindo passagens e dificultando a penetração dos que vêm atrás na corrida. Estruturalmente, os espermatozóides são verdadeiros mísseis carregados de genes. São formados por uma cabeça, que traz o pacote de genes do pai, e uma cauda para nadar.
No microscópio, parecem todos iguais, mas, se olharmos com atenção, veremos que têm formatos diversos: alguns possuem cabeça pequena e cauda comprida; outros têm cabeça oval, dupla, em forma flecha, de alfinete, de remo e de charuto e a cauda reta, enrolada, dupla, curta, longa, etc., numa combinação infinita de formas.
Em 1980, J. Sivinski publicou, numa obscura revista científica da Flórida, um estudo sobre o papel do esperma na seleção sexual de insetos. Nele, pela primeira vez, surgiu a idéia de que os espermatozóides de um indivíduo competem brutalmente para evitar que o óvulo seja fecundado por espermatozóides alheios. Quatro anos mais tarde, R. Silberglied confirmou a existência dessa competição mortal entre espermatozóides de borboletas.
Em 1988, dois autores americanos, R. Baker e M. Bellis, elaboraram a "hipótese camicase". Segundo ela, o esperma carrega milhões de espermatozóides prontos a declarar guerra contra os estranhos que encontrarem pelo caminho. Essa vocação bélica do esperma é encontrada em todos os machos do reino animal, sem exceção.
De acordo com a hipótese, existiriam três grandes grupos de espermatozóides em cada ejaculação:

1) pelotão de elite: seleto grupo de nadadores imbatíveis na velocidade. Armazenam a energia necessária para o percurso em corpúsculos situados na cabeça comprida e têm cauda longa e ágil. São poucos: cerca de 1% dos milhões ejaculados;

2) bloqueadores: têm cabeça grande e cauda pequena. Nadam devagar; não são páreo para o pelotão que dispara na frente. Nem vão atrás do óvulo; são "camicases": ao penetrar os canais do muco uterino, agarram-se às paredes para obstruir a passagem dos que vêm atrás, sejam eles do mesmo macho ou de outro qualquer. A função bloqueadora ocupa cerca de 50% dos espermatozóides;

3) matadores: carregam enzimas tóxicas na cabeça e possuem antenas capazes de detectar e reconhecer espermatozóides estranhos. Quando os encontram, despejam neles suas enzimas mortais. Como os adversários reagem com as mesmas armas, espermas de indivíduos diferentes se envolvem numa luta de vida ou morte. Bons "matadores camicases" foram tão necessários para a sobrevivência das espécies que constituem praticamente a outra metade da população do esperma.
Para complicar, matadores, bloqueadores e nadadores não são todos iguais. Quanto mais árduo o percurso a ser percorrido no trato genital feminino, mais eles se especializam em determinada função a ser exercida num ponto específico do trajeto que conduz ao óvulo.
Disfarçada ou não, a estratégia reprodutiva mais empregada pelas fêmeas no decorrer da evolução das espécies tem sido a de promover a competição entre espermas de indivíduos diferentes. Que vença o mais apto é o que deseja o corpo feminino.
Nós, como todos os animais, somos descendentes de antepassados portadores de espermatozóides guerreiros que venceram incontáveis batalhas. Os perdedores desapareceram da face da Terra, no melhor estilo de competição e seleção natural.

naoseiquenome usar disse...

Ou seja:
a legalização do aborto, até às 10 se3manas, por vontade da mulher, saído daquele manhoso referendo, teve, por consequência, que, até uma Sr.ª Professora, queira tratar do assunto como dos "Óvidos".... ;))))

Medico Explica disse...

Ora viva, seja bem aparecida depois de meses de ausência...

Carago disse...

Meu caro MEMAI: não sei o que hei-de dizer, sabe? A tal menina que foi maltratada e o jornalista de nome fora do vulgar que lhe dá cobertura, são o exemplo acabado de sensacionalismo, mediatização fácil, oportunismo e desconhecimento dos deveres e da boa utilização dos serviços do SNS.
Fica-me a dúvida se o que a dita mostra na fotografia é um calendário com o dia em que o espermatozóde de testiculo incógnito subiu impante ao encontro do óvulo da menina maltratada...
Mas não acha que os termos que usa no seu comentário podem ser considerados algo impúdicos e brejeiros?

Anónimo disse...

Só para esclarecer no meio disto tudo... a doente teve um aborto espontaneo, foi ao SU e teve alta, depois de ter feito uma ecografia, presumo... como todas as doentes que estao na mesma situaçao e clinicamente estaveis... têm alta! Não há q/q indicação para ter ficado internada ou sequer sob vigilancia... afinal ela queixa-se de que? De terem sido recusados exames que não tinham q/q indicação para ser realizados?

Medico Explica disse...

Propositadamente brejeiro. A linguagem do povo. Compreensiva para todos.

NA disse...

Caro MEMAI, tem de admitir que há médicos que são umas verdadeiras bestas e que não sabem admitir que erraram ou que pode haver outra alternativa tão boa ou melhor que a que preconizam. Faço minhas as palavras da estrelinha: falta humanidade. NA

Mia disse...

As pessoas que têm menos formação, dificuldades em comunicar e poucas condições económicas são as que mais sofrem injustiças e menos meios de defesas têm. Portanto é natural que suspeitem o que não compreendem. Diga-se de passagem que na maior parte dos casos "onde há fumo há fogo" mas ainda que assim não fosse a solução passava pelo humanismo e pela explicação das coisas e não pela ridicularização do paciente. Pelos vistos não são só os jornais que tratam as pessoas como "pepinos". Há classes (ressalve-se as honrosas exepções) que pensam que o conhecimento significa superioridade. Mas não, conhecimento significa generosidade.

Medico Explica disse...

Caras ou caros NA e Mia:
Será que pensam que eu defendo colegas meus mal educados ou malcriado? Por favor. Claro que não. Será que não compreenderá o alcance do post? Diga-me sinceramente se aquela notícia tem algum jeito. Até porque nem chegamos a saber o que é que aconteceu: se discutiram, se argumentaram, se se bateram, se puxaram os cabelos.
Isso é que era giro.
Eu perante tamanha tacanhez de notícia só concluo que o Pepino fez de facto um favor à Ana: dar-lhe os 15 minutos de fama. E acredita que o dia a dia dos nossos consultórios com milhares e milhares de consultas diárias (assim por alto talvez 20 mil médicos a consultarem muito por baixo cinco doentes em cada dia dará 100 mil consultas diárias!)
Por favor, critiquem também as notícias balofas. Ao que isto chegou. Já sabemos que há negligência e erros que têm que ser combatidos..., mas por favor poupem os leitores...

Mia disse...

Tentando comprrender o alcance do post:

"Foi colocada há 2 meses em Santarém."
- não percebi a informação portanto não comento.

"Teve um abortamento em casa. Por vias do Aborto foi à Urgência do Hospital, mas queixou-se, presumo, de um ouvido.

- Presunção esta que pode pender para qualquer lado que convenha. Sendo certo que se foi "por vias do Aborto" não é provável que chegado lá se tenha queixado de um ouvido.


"Mandaram-na para casa repousar"
- Terá sido por causa do ouvido?

"Sim um Aborto é sempre um Aborto, espontâneo ou não. "
- Então afinal, foi ou não expontâneo? O que é que dizia a noticía?Tenho de ler o Correio da Manhã...) hum...se mandaram para casa descansar e não fizeram mais nada deve ter sido expontâneo. Pois... o que é expontâneo não deve merecer preocupações.


P"or vias disso, foi ao Atendimento Complementar do CS de Santarém(...)"
- A tal Ana devia ser mesmo limitada. Não tinha nada, se calhar era só uma dor de ouvido e deu-se ao trabalho de lá ir.

"e disse para a médica-que-a-maltratou"

- "maltratou" Afirmação é clara. O que significa que sim chegou a vias de facto. O Pepino não é com certeza um jornalista brilhante ou descreveria melhor as circunstâncias em que tal aconteceu.

): QUERO uma "cradencial" para para fazer uma ecografia e outra para uma consulta do especialista dos "óvidos".

- Ana não sabia dizer credencial mas precisava de fazer uma ecografia (certamente não era aos ouvidos) e uma consulta a um especialista (certamente relacionado com a ecografia. Não é preciso ser-se médico nem génio para perceber que a mulher estava preocupada com o aborto.


"Segundo o Pepino, parece que a médica-que-a-maltratou não tolerou as exigências, pois a piquena e giraça Ana pensou que estava no supermercado a aviar credenciais..."

- Qualquer mulher que tivesse um aborto ficava preocupada se a mandassem para casa sem mais exames.Era natural que fosse a um posto médico "exigir" credenciais para ter certeza que estava bem. Muito embora caiba ao médico decidir, perante a passividade de alguns percebo que se "exija". Sei de casos em que não se morreu em corredores de hospitais devido a essas "exigências". É pena ser preciso "armar uma feira" e recorrer-se à "técnica do cigano" para se ter uma assistência que se deveria ter logo à partida. Num hospital particular ou num público da Filândia primeiro faziam os exames depois mandavam-na para casa(independentemente de Ana ser uma professora saloia ou filha de um cirurgião plástico).

"E aos despois, a médica-que-a-maltratou disse: vou-te maltratar e maltratou-a. E prontus.
A utente maltratada, saiu do consultório, dizendo, maltrataste-me, bolas, bolas. Vou fazer queixa de ti, médica-que-a-maltratou, e vais ver que o último a maltratar é o que maltrata melhor."

- Resumindo: a médica deu-lhe um aviso ela não "obedeceu"(i.é, não comeu calada e duvidou que a Sr.ª Dr.ª fosse Deus) e foi agredida. Se calhar tinha medo que depois do aborto lhe "desse uma coisa má" e na sua "limitada sabedoria popular ",ou tendo um sentido empírico de sobrevivência ditado pela parca assistência fornecida pelos hospitais públicos portugueses ao Zé Povinho que os paga, pensou que justificava-se uma ecografia. Se fosse uma tia da linha de Cascais tinha direito a uma de seis em seis meses mas como o meio hospitar não é o seu hobby, Ana não conseguiu a credencial e ainda foi agredida.

(Tenho pena de Ana não ter dinheiro para ir fazer a porcaria da ecografia a um privado)

"Quando ia a chegar à rua, aparece o Pepino com um letreiro na testa: "Sou do Correio da Manhã, ganho à peça. As coisas da saúde valem mais. Procuro pessoas maltratadas."

- Claro que as coisas da saúde valem mais. Sem saúde não se faz nada. Fica-se num estado de necessidade. É indecente que alguns médicos não compreendam isso ou simplesmente não se ralem. E esse "poder" não deve ser exercído com prepotência mas de acordo com a nobreza da profissão. Errar é humano mas se as "praxe médica" não desse cobertura à falta de humanismo talvez Ana fosse para os Tribunais ao invés do Correio da Manhã.


"E foi paixão à primeira vista. A Ana de Vinhais, segundo testemunhas oculares, vinha muito maltratada, o Pepino à procura de pessoas maltratadas. A Ana de Vinhais (confesso que tem um corpinho bem jeitoso) disse: Senhor Pepino, não chore. Eu fui maltratada agorinha mesmo. Posso servir de modelo. Não quer ir jantar a qualquer lado para lhe contar a minha história? Até lhe posso mostrar as nódoas negras, mas só a si. Estão por baixo da roupa.No jornal não."

- Testemunhas oculares? Ok. Ana foi mesmo agredida. As agressões eram visíveis. Não podiam estar debaixo da roupa.


"é lá para em Vinhais perceberem como só precisou de 2 meses para ficar famosa..."

- Nã. Ana quis levar os tabefes para ser famosa? Ou será que pensou que indo denunciar a situação iria ficar exposta mas como é uma saloia de Vinhais isso não lhe importa?


P.s: Não percebo é isso dos dois meses...Estaria "grávida" de dois meses? Pois para muitos isso nem conta como gravidez mas para outros conta e digam os Srs. Drs. se em situações semelhantes quando estão no seu gabinetezinho privado não passam as "cradenciais" para uma "ecografiazita".

Medico Explica disse...

Caro Anónimo, se houve agressão, como diz no seu comentário, aconselho que a Ana escreve já para a Inspecção e para a polícia pois não tolero que algum médico, alguma vez, agrida um doente independentemente do motivo. Um doente quando está no consultório está sempre fargilizado. Só que na notícia que li muito devagar, não vi falar em "lambadas". Se isso aconteceu, há que provar imediatamente e enviar como disse oo caso para o IGAS.

Medico Explica disse...

Tentando comprender o alcance do post: eu explico

"Foi colocada há 2 meses em Santarém."
- não percebi a informação portanto não comento. ELA É LICENCIADA TEM UM CURSO SUPERIOR, É PROFESSORA.

"Teve um abortamento em casa. Por vias do Aborto foi à Urgência do Hospital, mas queixou-se, presumo, de um ouvido.

- Presunção esta que pode pender para qualquer lado que convenha. Sendo certo que se foi "por vias do Aborto" não é provável que chegado lá se tenha queixado de um ouvido. ELA PEDIU DUAS CREDENCIAIS, UMA PARA UMA ECOGRAFIA E OUTRA PARA OTORRINO = OUVIDOS.


"Mandaram-na para casa repousar"
- Terá sido por causa do ouvido?

"Sim um Aborto é sempre um Aborto, espontâneo ou não. "
- Então afinal, foi ou não expontâneo? O que é que dizia a noticía?Tenho de ler o Correio da Manhã...) hum...se mandaram para casa descansar e não fizeram mais nada deve ter sido expontâneo. Pois... o que é expontâneo não deve merecer preocupações. TUDO MERECE PREOCUPAÇÕES


Por vias disso, foi ao Atendimento Complementar do CS de Santarém(...)"
- A tal Ana devia ser mesmo limitada. Não tinha nada, se calhar era só uma dor de ouvido e deu-se ao trabalho de lá ir. NÃO, PIOR, FOI AO SAPE EXIGIR PAPEIS. ISSO NÃO SE FAZ NUM SAP. OS MÉDICOS NÃO SÃO BALCONISTAS: DÊ-ME ISTO E AQUILO.

"e disse para a médica-que-a-maltratou"

- "maltratou" Afirmação é clara. O que significa que sim chegou a vias de facto. O Pepino não é com certeza um jornalista brilhante ou descreveria melhor as circunstâncias em que tal aconteceu. DE ACORDO CONSIGO EM RELAÇÃO À QUALIDADE DO JORNALISTA.

): QUERO uma "cradencial" para para fazer uma ecografia e outra para uma consulta do especialista dos "óvidos".

- Ana não sabia dizer credencial mas precisava de fazer uma ecografia (certamente não era aos ouvidos) e uma consulta a um especialista (certamente relacionado com a ecografia. Não é preciso ser-se médico nem génio para perceber que a mulher estava preocupada com o aborto. ESTARIA COM ESSA ARROGÂNCIA?


"Segundo o Pepino, parece que a médica-que-a-maltratou não tolerou as exigências, pois a piquena e giraça Ana pensou que estava no supermercado a aviar credenciais..."

- Qualquer mulher que tivesse um aborto ficava preocupada se a mandassem para casa sem mais exames.Era natural que fosse a um posto médico "exigir" credenciais para ter certeza que estava bem. Muito embora caiba ao médico decidir, perante a passividade de alguns percebo que se "exija". Sei de casos em que não se morreu em corredores de hospitais devido a essas "exigências". É pena ser preciso "armar uma feira" e recorrer-se à "técnica do cigano" para se ter uma assistência que se deveria ter logo à partida. Num hospital particular ou num público da Filândia primeiro faziam os exames depois mandavam-na para casa(independentemente de Ana ser uma professora saloia ou filha de um cirurgião plástico). TODOS SABEMOS DE MEDICINA!! SALOIOS OU NÃO. APENAS OS MÉDICOS É QUE NÃO PERCEBEM DE MEDICINA...

"E aos despois, a médica-que-a-maltratou disse: vou-te maltratar e maltratou-a. E prontus.
A utente maltratada, saiu do consultório, dizendo, maltrataste-me, bolas, bolas. Vou fazer queixa de ti, médica-que-a-maltratou, e vais ver que o último a maltratar é o que maltrata melhor."

- Resumindo: a médica deu-lhe um aviso ela não "obedeceu"(i.é, não comeu calada e duvidou que a Sr.ª Dr.ª fosse Deus) e foi agredida. Se calhar tinha medo que depois do aborto lhe "desse uma coisa má" e na sua "limitada sabedoria popular ",ou tendo um sentido empírico de sobrevivência ditado pela parca assistência fornecida pelos hospitais públicos portugueses ao Zé Povinho que os paga, pensou que justificava-se uma ecografia. Se fosse uma tia da linha de Cascais tinha direito a uma de seis em seis meses mas como o meio hospitar não é o seu hobby, Ana não conseguiu a credencial e ainda foi agredida.

(Tenho pena de Ana não ter dinheiro para ir fazer a porcaria da ecografia a um privado) NÃO TERÁ? NÃO PARECE SER POBREZINHA

"Quando ia a chegar à rua, aparece o Pepino com um letreiro na testa: "Sou do Correio da Manhã, ganho à peça. As coisas da saúde valem mais. Procuro pessoas maltratadas."

- Claro que as coisas da saúde valem mais. Sem saúde não se faz nada. Fica-se num estado de necessidade. É indecente que alguns médicos não compreendam isso ou simplesmente não se ralem. E esse "poder" não deve ser exercído com prepotência mas de acordo com a nobreza da profissão. Errar é humano mas se as "praxe médica" não desse cobertura à falta de humanismo talvez Ana fosse para os Tribunais ao invés do Correio da Manhã. PODER PODER TÊM OS BANQUEIROS E NINGUÉM SE METE COM ELES. SÃO NEGLIGENTES, LEVAM BANCOS À FALÊNCIA E AINDA RECEBEM MILHÕES DOS GOVERNOS. MORTE AOS MÉDICOS E A QUEM OS APOIAR. VIVAM AS ANAS DESTE PAÍS


"E foi paixão à primeira vista. A Ana de Vinhais, segundo testemunhas oculares, vinha muito maltratada, o Pepino à procura de pessoas maltratadas. A Ana de Vinhais (confesso que tem um corpinho bem jeitoso) disse: Senhor Pepino, não chore. Eu fui maltratada agorinha mesmo. Posso servir de modelo. Não quer ir jantar a qualquer lado para lhe contar a minha história? Até lhe posso mostrar as nódoas negras, mas só a si. Estão por baixo da roupa.No jornal não."

- Testemunhas oculares? Ok. Ana foi mesmo agredida. As agressões eram visíveis. Não podiam estar debaixo da roupa. QUEM AS VIU?


"é lá para em Vinhais perceberem como só precisou de 2 meses para ficar famosa..."

- Nã. Ana quis levar os tabefes para ser famosa? Ou será que pensou que indo denunciar a situação iria ficar exposta mas como é uma saloia de Vinhais isso não lhe importa? SE DÁ RAZÃO À ANA, QUE RAZÃO DARÁ ÀQUELAS PESSOAS DE CUJA NEGLIGÊNCIA OU ERRO SE ORIGINOU A MORTE OU DANOS GRAVES. JUSTIÇA POPULAR?


P.s: Não percebo é isso dos dois meses...Estaria "grávida" de dois meses? Pois para muitos isso nem conta como gravidez mas para outros conta e digam os Srs. Drs. se em situações semelhantes quando estão no seu gabinetezinho privado não passam as "cradenciais" para uma "ecografiazita". 2 MESES JÁ É OBVIAMENTE GRAVIDEZ.

NA disse...

Mia e MEMAI, li o q escreveram diagonalmente, o cansaço não me dá para muito mais. Confesso que não percebi muito bem os argumentos que esgrimiram (o cansaço a manifestar-se novamente). Mas, caro MEMAI, confesso que o que comentou aos comentários de mia (se bem entendi) me pareceu carregado de arrogância. Pareceu-me... mas logo leio mais atentamente e com maior disponibilidade cognitiva. NA

Medico Explica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Medico Explica disse...

NA, conhece algum médico não arrogante? Claro que não. Todos, lendo os vossos comentários, são arrogantes. São feios, porcos e maus. Nenhum escapa. Todas as outras profissões são impolutas. Não há arrogantes, incompetentes, nunca erram. Nas vossas de certeza são todoooooos muito acertivos. Estão na graça de Deus. Mas não, não. Se um faz merda, a merda é de todos.

Mia disse...

Médico:

Resumindo:

Ana, professora, tinha sido colocada há dois meses em Santarém e estava grávida (desconhece-se de quantos meses).Infelizmente teve um aborto expontâneo e por isso recorreu à Urgência do Hospital onde pediu duas credenciais, uma para ecografia e outra para Otorrino. Limitaram-se a manda-la
para casa repousar porque um aborto, espontâneo ou não sempre
MERECE PREOCUPAÇÕES.

Preocupada Ana foi ao Atendimento Complementar do CS de Santarém onde fez algo de inadmissível face aquelas circunstâncias FOI AO SAPE EXIGIR PAPEIS (ISSO NÃO SE FAZ NUM SAP pois OS MÉDICOS NÃO SÃO BALCONISTAS) e disse À médica que veio a agredi-la:"DÊ-ME ISTO E AQUILO", designadamente disse "QUERO uma "cradencial" para para fazer uma ecografia e outra para uma consulta do especialista dos "óvidos".

A médica achou que ela era uma arrogante que deveria estar preocupada com outra coisa que não o aborto. Caso contrário não estaria alí a chatea-la mas em casa a descansar e respondeu-lhe algo do género voçê deve pensar que "TODOS SABEMOS DE MEDICINA!! SALOIOS OU NÃO. APENAS OS MÉDICOS É QUE NÃO PERCEBEM DE MEDICINA..".

Ainda por cima a mulher não parecia ser pobrezinha e poderia fazer a porcaria de uma ecografia no privado.

Ana, achou que aquilo era de uma prepotência atroz mas aquela médica não achava que as suas decisões afectam por vezes de modo permanente e inalterável a vida dos seus pacientes. A Dr.ª sequer tem noção do poder que tem nas mãos. Para ela "PODER PODER TÊM OS BANQUEIROS E NINGUÉM SE METE COM ELES. SÃO NEGLIGENTES, LEVAM BANCOS À FALÊNCIA E AINDA RECEBEM MILHÕES DOS GOVERNOS." E que pensou que se fosse para medicina ninguém se ia meter com ela e que as suas decisões seriam inquestionáveis. Agora estava a ser criticada por alguém que não estudou nada de medicina.Que lata...Por isso deu uns tabefes àquela insolente e mandou-a passear.

Ana, segundo testemunhas oculares(cujos nomes o jornalista optou por não divulgar), saiu de lá muito maltrada e decidiu denunciar a sua situação junto dos meios de comunicação. Provavelmente queria ser famosa ou fazer justiça popular.

Pobre Dra...

Resumindo: Desconhece-se de quantos meses Ana estaria grávida mas já era óbviamente gravidez quando teve o aborto. Acontece que ao invés de ir para casa descansar ela armou-se em médica e "exigiu" "cradenciais" para uma "ecografiazita" e para o Otorrino. A médica ficou indignada que numa situação daquelas Ana se preocupasse com o Otorrino e "meteu-a" no seu lugar.

Medico Explica disse...

Mia
Não vale a pena explicar a quem não quer compreender, como é o seu caso. Desculpe. Só lhe digo que se estivesse na cidade de Santarém, num SAP copm dezenas de doentes com queixas muito mais severas ME RECUSARIA A PASSAR PAPEIS. OU O HOSPITAL O PASSASSE SE ACHASSE NECESSÁRIO, OU A DOENTE RECORRERIA A UMA CONSULTA PROOOOOGRAAAMAAAAADAAA, SIM PROGRAMADA, E NÃO IRIA OBRIGAR OS DOENTES, ESSES SIM DOENTES, COM INFECÇÕES, DORES E OUTROS ACHAQUES PARA QUE UMA SENHORA PROFESSORA QUE SE JULGA DONA DO MUNDO, EXIGIR "CREDENCIAIS". O EMPODERAMENTO DO DOENTES, DE QUE SE FALA AGORA, NÃO É ISTO. SE QUER PERCEBER, PERCEBA, SE NÃO CONTINUE A ACHAR QUE A ANA É UMA VITIMA DOS "FILHOS DA P" DOS MÉDICOS, ARROGANTES, E TUDO.

Mia disse...

Médico:

Nunca disse que V.ªs Exas. eram f* da p*. O que acho é que muitas vezes são arrogantes e parece-me estranho que uma vitíma de aborto deva esperar uma consulta programada e que não seja considerada doente urgente. Mais, acho estranho que a mandem para casa descansar sem mais exames. Ela não tem culpa se existem outras queixas mais severas. Cada caso é um caso e o dela não deve ser alvo de comparações mas de um tratamento individualizado. Voçe gostaria de ir a um advogado e que ele renegasse para segundo plano a sua questão porque vc só corria o risco de uma pena de três anos de prisão e os outros clientes podiam ser condenados em 20? Acha que a sua preocupação pelos três anos é menos merecedora? E se só fosse preso porque não se fez um requerimento em tempo útil?
Segundo esta modesta opnião de quem não tirou um curso de medicina não se deve fazer comparações. Seja como for também não preciso tirar um curso de informática ou de engenharia para ver quando um computador está estragado ou quando um prédio precisa de obras. O serviço deve ser bem prestado afinal é para isso que o pagam.Mais não acho que sou eu e a generalidade dos utentes que não querem compreender. Acho que a qualidade de um serviço não pode ser só aferida por quem o presta mas também por quem o recebe e regra geral os médicos acham que só eles podem aferi-la o que significa que vivem um sentimento de Alta Autoridade e Impunidade.
Não tenho nada contra os médicos. Tenho muitos na minha família. Não concordo é com a postura da classe médica face a preocupações (muitas vezes legitimas) dos pacientes. Há quase uma ridicularização do "não médico" e é claro que isso recuso-me a compreender. E se digo isto é por entender que essa postura não Vos confere maior dignidade ou protecção. Sempre me ensinaram que a humildade fica bem em qualquer profissão.

PS:Desculpe se o ofendi não era essa a minha intenção.

Medico Explica disse...

Cara Mia

Ridicularizei a noticia e o seu conteúdo. Se ler este blog desde 2003 há muitos post a ridicularizar noticias deste género. PONTO

Se quer falar sobre a IVG, em todos os seus aspectos, com as suas sequelas fisicas e psicológicas, ok, isso será ouitro assunto e provavelmente teremos muitos pontos em comum. Concordo consigo: o aborto é uma situação complicada e a própria lei, prevê que a gravida que abortou tenha também meses de licensa. Mas, a Ana abortou? Diz na notícia que foi em casa. Testemunhas, ela, só? Não sei. Espontâneo ou não, sei que foi ao hospital (onde estão os especialistas e lhe deram alta. Só sei isso. De seguida o que ela deveria fazer era ir procurar o/a seu médico assistente e resolver o problema com ele. Não ir para um SAP exigir uma credencial para ecografia e outra para ORL (estranho que com tanto em que pensar com o aborto se lembrasse de uma credencial de ORL). Tem que haver regras... Desculpe as maiúsculas no post anterior.

MIa disse...

Médico :
Está no seu direito ridicularizar a noticia e o seu conteúdo. Da mesma maneira que o jornalista pode publica-la. Compreende-se que o faça uma vez que parte do princípio que se os especialistas dera-lhe alta foi porque fizeram o que tinha que ser feito. É um bom princípio. Um jornalista também pode partir do princípio que se o colega públicou é porque é verdade (mesmo que não seja). Cada um acredita no que quer. Quanto a mim, prefiro dar o beneficío da dúvida em qualquer situação. Se admitirmos que, quiça não fizeram tudo o que devia ser feito, ou não demonstraram que o fizeram, deixando a utente sair de lá preocupada quando somente eles podiam sossega-la, é natural que esta tivesse uma preocupação urgente e agisse como agiu - o que a meu ver não é ridículo. PONTO.

Tão ridículo é pensar que o utente tem sempre razão (Pepino Lda) como pensar que nunca a tem (Dr. House). Já me dou por satisfeita por poder esgrimar o meu ponto de vista e ainda não me ter chamado ridícula.

Portanto pode continuar a ridicularizar à vontade. Os utentes sempre vão precisar de médicos.

Que remédio!(PONTO DE ESCLAMAÇÂO)

Medico Explica disse...

A si não ridicularizo, bem pelo contrário. Só o facto de debater ideias é um bom caminho para se acabar com a iliteracia cientifica. O fim útimo deste blog. PONTINHO.

NA disse...

Caro MEMAI, infere algumas coisas dos meus comentário que são interpretações abusivas. Altamente abusivas e que em nada reflectem o meu pensamento sobre a classe médica. Nada do que eu disse se pode traduzir em "Nenhum escapa. Todas as outras profissões são impolutas.", como afirma. O que eu disse, e reforço(!), é que há médicos que são verdadeiras bestas, sem humanidade e que não deveriam, tampouco, exercer medicina. Também haverá profissionais assim noutras actividades, obviamente, mas o blog e mais especificamente o post, são sobre médicos. Cinjamo-nos então a estes. Coloca-me uma pergunta: "NA, conhece algum médico não arrogante?", permita-me então que lhe responda. Conheço! Não conheço um, conheço muitos. A grande maioria dos que conheço e com quem tenho contactado são, aliás, óptimas pessoas. Partilho, a título de exemplo, que infelizmente por motivos de saúde de um familiar, tive muito recentemente de falar com uma cirurgiã que me era completamente desconhecida e apenas posso dizer que dificilmente, seja em que área for, se encontrará uma pessoa tão humana (passo o pleonasmo), simpática, atenciosa e competente. Pelo contrário, também pelo mesmo motivo falei com outro médico que encarna perfeitamente o papel de besta. Como vê há de tudo. Mas não diga que eu afirmei que todos os médicos são arrogantes. Mas há alguns que são - e muito, obviamente. Cumprimentos, NA.

Medico Explica disse...

NA, de acordo consigo.

Dividamos todos os profissionais de todas as profissões em duas categorias: as bestas e os humanos.

ja

Anónimo disse...

É lamentável verificar como o cidadão dá tanta importância a minudências populistas que em nada contribuem para o bem comum. Evidentemente que com isto, pretendo evidenciar o quanto seria desejável, espectável, senão mesmo exigível que o mesmo cidadão se preocupasse com os reais problemas que a todos dizem respeito, seja na saúde, na educação, na justiça e mesmo na política.
Aos intervenientes mia, na e estrelinha, gostaria de lhes perguntar apenas, porque não colocam questões do tipo das que aqui colocaram, aos responsáveis da nação, sobretudo no que diz respeito aos últimos escândalos (para não mencionar tantos outros) - BPN; BCP; Fundos da Segurança Social; Caso Casa Pia; Apitos dourados; etc... etc...???
Já agora permitam-me também perguntar, porque não questionam o deficit nacional, a divergência cada vez maior da restante europa, ou até... porque não, uma exigível avaliação aos políticos nacionais e suas práticas??

NA disse...

Caro MEMAI, cheirou-me a ironia ou tenho de ir pedir uma "cradencial" para ORL? Anónimo: Eu próprio poderia perguntar pq é q o post foi sobre o que foi e não sobre qualquer uma das referências que fez... Mas, como já disse, se se está a discutir uma questão parece-me uma táctica não muito honesta dispersar as atenções dizendo: pq é q se fala disto e não daquilo? Enfim...

Medico Explica disse...

Caros e caras comentadores deste post: será que ainda não compreenderam que a ideia principal de post como este não é o conteúdo (a Ana e o Pepino, são apenas vítimas da voracidade dos media) mss a forma como determinados jornais tratam a saúde em Portugal. A Ana e o Pepino para mim pouco interessam. Haverá diariamente casos de IVG e de situações de violência (mais contra o pessoal da saúde do que contra os doentes) muito mais graves do que o que se passou com a Ana. À Ana só espero que vá crescendo e se oriente na vida sem precisar de se vir mostrar nos jornais e aprenda a utilizar racionalmente os serviços de saúde...

Mia disse...

Anónimo:
Ainda não coloquei questões do tipo das que aqui colocaram, aos responsáveis da nação, sobretudo no que diz respeito aos últimos escândalos, porque
não trabalho no Parlamento. No entanto, quando os vir darei o recado.