sexta-feira, abril 18, 2008

De um E-mail Anónimo... Com Muitos Pormenores ... Sobre o Terramoto da Missão!

"Cotejando a informação e dados auscultados pelo país durante o dia, segue um conjunto de informações pertinentes para analisar o quadro, reflectir e perspectivar.

Ampliar o conhecimento da versão adequada do que se passou e está em causa, nesta fase e na minha opinião, só ajuda à potencial fase seguinte. Por isso aí vai:

Face à demissão da MCSP é importante que tenhamos a informação necessária para poder ajuizar/saber/avaliar o que está em causa com esta demissão.

Ou seja:

A – Primeiro demite-se o LPisco

B – Ministra não aceita a demissão; convoca reunião com a Executiva da MCSP e ficam de encontrar um linha de acção para prosseguir o trabalho; fazem esse trabalho numa reunião em que LPisco não aparece; Face a tudo isto, 10 dos 12 (LPisco e Jurista/Fragoeiro) apresentam demissão; Ministra assume perante todos os 12 em reunião que não aceita a demissão; Depois LPisco vai à Ministra e é reconduzido e ela demite todos os restantes

C - Alguma informação factual sobre estas últimas semanas:

1-No dia 7 de Abril o coordenador da MCSP, em reunião geral, apresentou a sua demissão, tendo como objectivo acabar com a própria Missão (acta em anexo);

2-Como não conseguiu ter solidariedade da equipa, para acabar com a MCSP, foi no dia seguinte, 3ª. feira, apresentar a sua demissão à Ministra, informando-a que não conseguia lidar com as ARS e por isso se demitia, sendo incapaz de levar para a frente a reforma. A ministra não aceitou e convocou reunião com a Comissão Executiva da MCSP para quinta-feira, dia 10.04.

3-Após a reunião de quinta-feira, a Comissão Executiva ficou de encontrar uma solução de consenso interno até 2ª. feira dia 14.4

4-De quinta a 2ª. feira, o coordenador isolou-se e não aceitou dialogar com ninguém.

5-Perante tal facto, foi marcada reunião com conhecimento da Srª. Ministra para Coimbra para dia 14.04.

6-O coordenador não apareceu. Perante tal facto, foi enviado à Ministra o pedido de demissão de 10 membros (no dia 14.04).

7-Terça, dia 15.04, são todos chamados para reunir com a Ministra e o SES, tendo sido todos confrontados com a não aceitação do pedido de demissão apresentado no dia anterior. Passado 3,5 horas de reunião (18h-21h30), chegaram ao consenso de que o LPisco continuaria coordenador, ficando marcada reunião de trabalho para a proxima 2ª. feira, dia 21.04 com o objectivo de aprovar um plano estratégico para a implementação dos ACES.

8-Quarta, dia 16.04, hoje, Coordenador da MCSP estava às 8/9h no Ministério. A partir das 10h30, a comunicação social divulga as demissões e o LPisco tem autorização da Ana Jorge para convidar novos elementos. A REVIRAVOLTA ACONTECEU ENTRE AS 21H30 DE ONTEM E AS 10H00 DE HOJE. O que terá acontecido?

Em suma:

1-O Coordenador da MCSP anda há pelo menos 6 meses a adiar a reconfiguração dos CS e implementação dos ACES, porque efectivamente não quer continuar a reforma dos CS (segundo dizem).

2-A Ministra recusa às 18h de terça (ontem) as demissões e passados umas horas, manhã seguinte, sem qq tipo de contacto com ninguém, a Ministra já aceita as demissões e dá luz verde ao LPisco de se livrar dos 10 elementos, como sempre ele quiz fazer (segundo dizem).

D - Por último, reter algumas informações que se cruzam com tudo isto:

1 – Independentemente da nossa opinião, enquanto enfermeiros, sobre as USF e ACES, para todos os efeitos, esta reforma está no domínio do SNS, sector público/Estado

2 – Os ACES, enquanto estrutura pública, de fosse bem aplicada e se funcionasse, atirava borda fora as USF Privadas (as tais, e outras) que estão planeadas para todo o país em Centros Comerciais pela Sanusquali/Delarrue/PSD … o MS/actual MCSP/IAPMEI nunca deu saída ao Projecto apresentado) e as Coorperativas geridas por médicos (SIM que vem do tempo do LFP). Tudo isto depois faria convenções com o Estado. Isto para além de outros interesses em presença e em movimento.

3 – Parece que o papel do Coordenador da MCSP seria colocar de pé as USF Modelo B e depois saía …logo se via …teve que gramar os ACES e … não podendo por em prática compromissos assumidos na obscura Santíssima Trindade … fez o plano de saída vitimizado, para, reforçando o seu poder limpar o resto desta MCSP que se tem oposto a algumas coisas

4 – dizer que Ana Jorge, Luís Pisco, Branco/ARS, Sustelo/CHLCentral; Purificação/EnfDirecSMaria/actual Assessora da Ministra; EnfDirect da ULSMatosinhos e GPS; entre mais uns 20 frequentaram o mesmo curso na ASEE/EscUnivNavarra, histórica e publicamente da OPUS DEI (isto tudo é público porque está nos sites). Dizem que só entra quem se inscreve na Santíssima Trindade da Prelatura de Escrivã.

5 – Não esqueçam as enormes pressões (n noticias) dos grandes grupos privados da saúde em torno das PPP face ao governo já não concessionar a gestão clinica

Isto é apenas o início.

Abraço"

3 comentários:

Lifepassenger disse...

Desculpa vir off.topic mas pedia para actualizar o Link do Cogitare e lhe enviar um convite a visitar-nos na nova casa e novo projecto.

ABS disse...

Não sei quem é o miserável cobarde que se esconde sob a capa do anonimato nesta mensagem sórdida. Direi apenas duas coisas: (i)que este discurso é delirante e que (ii) além de José Miguel Fragoeiro, jurista, dois médicos permaneceram ao lado do Luís Pisco e não se demitiram: João Moura Reis e eu mesmo, Armando Brito de Sá, médico de família e professor da FML, sem medo de dar a cara por aquilo em que acredito. Ou seja, de doze elementos da Missão saem oito e ficam quatro. Os restantes dois elementos que perfazem dez pessoas que se demitem são os coordenadores regionais do Norte e do Centro.

Um abraço ao MEMI.

Anónimo disse...

Todos aprendemos então com o comentário anterior:
- que perder por 8 a 4, não é perder, é um empate ou uma vitória moral;
- que há 8 com medo de dar a cara, apesar de há uns 2000 anos, Jesus Cristo ter pregado a favor de dar a outra face;
- que há médicos de família que apesar de sobrecarregados de trabalho com mais 150 a 250 utentes nas USF's, ainda arranjam tempo para ler comentários delirantes e anónimos.