quinta-feira, maio 29, 2008

INEM reforça socorro pré-hospitalar com mais seis ambulâncias na região centro


29.05.2008 - 17h43 Romana Borja-Santos, Público
A região centro conta, a partir de amanhã, com seis novas ambulâncias do INEM (Instituto Nacional de Emergência Médica). O reforço dos meios de emergência levou à contratação de 45 novos colaboradores, com o objectivo de profissionalizar o socorro pré-hospitalar, que tem já 75 ambulâncias inteiramente utilizadas por profissionais do instituto.Pombal e Tondela passam a dispor de duas viaturas de Suporte Imediato de Vida e Estarreja, Figueiró dos Vinhos, Mortágua e Tábua de uma ambulância de Suporte Básico de Vida. Nas três primeiras localidades a ambulância funcionará 24 horas por dia, mas nas restantes só estará disponível durante o período nocturno (das 20h00 às 08h00 do dia seguinte).



O INEM a pouco e pouco vai cobrindo o país.


Mas como?


Devemos perguntar, já que, potencialmente todos somos possíveis futuros utilizadores.


"As viaturas de Suporte Imediato de Vida têm um enfermeiro e um técnico de ambulância de emergência e estão equipadas com mais medicamentos e com um monitor-desfibrilhador, o que permite a transmissão dos electrocardiogramas e dos sinais vitais."


Estar equipada com mais medicamentos é suficiente? Transmitir o ECG, chega? Isto dá segurança ao povo? Para onde leva os doentes?


"As ambulâncias de Suporte Básico de Vida contam apenas com dois técnicos de emergência. No entanto, levam equipamento de avaliação e estabilização do doente para situações de trauma ou de doença súbita, podendo ainda utilizar um desfibrilhador automático externo, em caso de necessidade."


Continuamos com as dúvidas que temos, por enquanto.


"Pombal e Tondela passam a dispor de duas viaturas de Suporte Imediato de Vida e Estarreja, Figueiró dos Vinhos, Mortágua e Tábua de uma ambulância de Suporte Básico de Vida. Nas três primeiras localidades a ambulância funcionará 24 horas por dia, mas nas restantes só estará disponível durante o período nocturno (das 20h00 às 08h00 do dia seguinte)."


E agora deixamos de ter dúvidas, nem preciso comentar! Portugal no seu melhor!

5 comentários:

Anónimo disse...

Sim... esta do INEM é muito boa... Ambulancias a part time... tal como os bombeiros então...
Mas o mais grave continua... Podem meter uma ambulância em cada terriola, com o que quer que seja... mas se essa ambulância estiver ocupada e surgir uma situação onde seja novamente necessária? Quem sai na 2a linha? Os mesmos de sempre... BOMBEIROS (uns muito bons, outros muito MAUS). A esses o INEM já se preocupou em reforçar a formação?
Então, por mais ambulâncias e marketing enganoso que exista, o problema continua. O cancro não está a ser extirpado...
Quem faz estas medidas. nunca fez ambulância nos lugares mais remotos deste nosso Portugalzinho!!!
28795

Anónimo disse...

Penso que apesar de Guerras e Intrigas entre Bombeiros e Inem, todos nós temos de ter em conta o Salvamento.
Será lógico que as ambulâncias do Inem, às quais chamam de Part Time, vêm colmatar a lacuna de muitos quarteis de bombeiros que encerram de noite ou têm uma brigada de emergência.
Logo, os TAE ao estarem de serviço nocturno, os bombeiros trabalham de dia para poderem descançar de noite.
Certo é que se for o caso de dia, ser necessário a utilização do DAE (desfibrilhador automático), não estará nenhum TAE para operar.
Existem sempre pós e contras existe sempre a hipótese de comentarem que há quando não há e vice versa.
Será sempre uma grande utilidade tanto a ajuda do INEM como dos BOMBEIROS.
Força rapazes

Lifepassenger disse...

Sinceramente penso que é melhor ter estas ambulâncias do que as não ter.

Se passamos de uma realidade onde não havia profissionais diferenciados, em emergência e passa a haver, então há de facto uma evolução. Ou seja prefiro ter uma SIv com um Enfermeiro com Suporte avançado de vida (Formado e Creditado para ...) do que ter somente Bombeiros.

Claro que se possivel teriamos uma Vmer em cada cidade, mas pra já isso é inviavel. Quanto aos problemas ed acessibilidade a um Hospital ou cuidados de saude isso são outras historias.

António Américo disse...

o melhor é, os Portugueses que tenham possibilidades económicas, adquirirem habitação perto de hospitais centrais. Assim talvez consiga chegar com vida ao hospital

Magistral Estratega disse...

Transmitir o ECG não chega... mas fazer trombólise? hein?