terça-feira, outubro 04, 2005

Fico Tonto Com Tantos Comentários!

"... Era bom, descentralizar o poder médico e dividi-lo com os enfermeiros por exemplo, esses sim, competentes e cumpridores, pelo que vejo nos hospitais. São uma classe muita experiente, com conhecimentos, humanos, inteligente e não consumem (?) dinheiro inútil ao SNS. A ex-ministra da saúde Leonor Beleza, bem sabia o valor dos enfermeiros, mas os médicos rapidamente trataram de a correr do ministério! Mas também não digo que seja todos bonzinhos, mas ao menos valem o dinheiro que levam... deviam levar muito mais!!! "

Gostava que o sr Raúl R Boldão [anonymous-comment@blogger.com] me explicasse cientificamente este comentário.

P.S. Não quero iniciar qualque guerra com os enfermeiros, pelos quais tenho elevada estima, especialmente pelos licenciados, pois trazem uma visão da enfermagem diferente e que foge à antagónica dicotomia médico-enfermeiro.

7 comentários:

Raúl R Boldão disse...

Explico com muito gosto. A classe médica é a classe uma das classes mais prepotentes e autoritárias (mais alguma vez, refiro que não são todos, mas por causa de alguns profissionais paga toda a classe) da sociedade. A própria opinião pública reflecte esta opinião a julgar pelos elevados índices de violência física e verbal para com os médicos. Mas, é claro que todos precisamos deles, daí a necessidade de algum controlo neste tipo de atitudes, que devo dizer, condeno. A inspecção geral da saúde no seu último relatório, ARRASOU a classe médica, muito por causa da falta de cumprimento de horários (chegam tarde, saem cedo, não aparecem para trabalhar, etc... enquanto isso, labutam afincadamente na privada). Existe uma TOTAL falta de controlo no pagamento de horas extraordinárias (pagas segundo um parâmetro que sim, eu sei, está legislado - pagas pelo topo da tabela, acha justo?). Por exemplo os PECLEC (agora com outra denominação), feitos em alguns hospitais em horas de serviço normal foram pagas como horas extra!!! É grave!! O relatório fala ainda da crescente número de reclamações acerca da assistência médica, principalmente em Centros de Saúde!
Alguns médicos chegam a "desviar" utentes do hospital para a privada e vice-versa, demonstrando uma promíscuidade absoluta entre estes sectores!!
Existem médicos, que tal como todos os funcionários públicos, além de receber o seu vencimento ainda cobram um montante por cada utente atendido ou exame realizado (ex. ecografias e medicina do trabalho nos hospitais)! Se são pagos para realizar as tarefas, como explica pedirem ainda mais dinheiro para fazer aquilo que o seu vencimento já contemplava!! Existem um sem número de atentados e esquemas entre a classe médica, muito devido ao facto do presidente do conselho de administração habitualmente ser... médico!!
Os Enfermeiros? Cumprem horários rigorosamente, são pagos de acordo com o que fazem (em muitas zonas do país, não lhes é pago horas extra, pelo contrário, é tudo pago em tempo),os enfermeiros licencidos não são pagos como tal (é grave!!), não exite promiscuídade de transferência de doentes entre público e privada, têm um avançado sistema de gestão, com gestores devidamente habilitados, que não permite gastos exagerados(gestores: enfermeiros-chefes, supervisores e director). Num estudo recente da revista pro-teste (variante teste saúde), os enfermeiros foram considerados o aspecto mais positivo dos centros de saúde, com bom atendimento, simpatia, eficiência e eficácia, boa gestão, presença constante....
Nos hospitais e centros de saúde, os enfermeiros produzem, enquanto os médicos não produzem tanto, porque simplesmente estão ausentes... sendo pagos na mesma e não é contabilizada uma falta ao serviço!!
Acumulação de funções na Função Pública: alguns médicos (os ditos profs...) que trabalham em diversos hospitais, dão aulas nas faculdades por exemplo!! A carreira de enfermagem só permite que: ou trabalhem ou ensinem... não desperdiçando assim recursos (digo "desperdiçar" porque os médicos ao mesmo tempo que dão aulas deviam estar a atender doentes, certo? ou fazem as duas coisas ao mesmo tempo?)
Ou então dou-lhe o exemplo daqueles que conseguiram obter exclusividade de 42 horas e não trabalham nem 20 horas e ainda acumulam fora! Bem sabe que não podem! No final do mês recebem vencimentos maravilhosos, cheios de horas extra e afins! No fim de tudo, sem terem trabalhado e não produzido o suficiente, aposentam-se com reformas milionárias (que eu até compreendia se tivessem trabalhado bem!!)como se pode ver no site www.cga.pt (o site da caixa geral de aposentações), onde é frequente ver um médico com uma reforma entre os 4000 e os 5000 euros!! Além de tudo ainda viajam à borla, com ajuda dos srs. delegados, o que significa que nem precisam de gastar do seu vencimento! Não vi alusões graves em relação aos enfermeiros no referido relatório da IGS, os médicos, pelo contrário, foram DESANCADOS, porque será? Agora agradecia a sua explicação.

p.s. Não sei, o que tem contra os enfermeiros não-licenciados!

Raúl R Boldão disse...

Depois de tudo isto, porque é que o presidente de um conselho de administração, não há-de ser um enfermeiro? Ou acha que é melhor colocar os profissionais (médicos) não cumpridores no poder? Se os enfermeiros sabem, conhecem, cumprem e produzem, porque não descentralizar o poder médico e divi-lo com os enfermeiros?

p.s. Bem sei, que podem não ser "santinhos em pessoa", mas cumprem e fazem cumprir!!

Anónimo disse...

Bom bom, era que em vez de pretender espalhar tanta lama em cima de uma classe inteira, na sua maioria de dignidade ímpar, se limitasse a denunciar às autoridades competentes todas as falcatruas de que pelos vistos é conhecedor e testemunha, de alguns que poderão (e deverão) existir concerteza no panorama da classe que tanto parece odiar.
A não ser que se sinta bem no lamaçal, e não consiga ir além da denúncia, que por não ser dirigida a ninguém em particular e envolver um grupo muito genérico, é injusta e cobarde, porque não serve para punir infratores e suja o nome dos que cumprem.

Alfredo Vieira

Anónimo disse...

Para além de tds as barbaridades ditas (mais valia ir Às autoridades competentes e acabava com a história), ainda me tem de explicar como é que pensa que um prof de medicina não pode exercer medicina??? Deixam de haver anos clínicos, é?

Johny disse...

Senhores,
Eu sou um jovem recém-licenciado em medicina, o que me torna um possível "mau da fita" segundo o sr. Raúl...
Acho importabnte contribuir para esta discussão por vários motivos:
- é certo que o sr. Raul tem razão nas falhas que aponta...Não deviam acontecer!
- É certo que os enfermeiros são muito mais controlados, ou pelo menos assim parece...

Ora, mas os médicos são médicos, e para além de terem de ser bem pagos pelo desgaste do estudo decisões e trabalho incessante ate o corpo o não permitir continuar, e os enfermeiros sendo enfermeiros... Chegamos a conclusão:
Os futuros profissinais têem de ser melhor seleccionados!! E apostem nisso...As notas não devem ser o método de aceitação na licenciatura de medicina...E pensem nisto: CORTAR O MAL PELA RAIZ!!

Destination disse...

A NOTA NÃO DEVE CONTAR??? Pasmei!!Se alunos de excelência, trabalhadores afincados que têm que ser durante o curso, no final resultam em tão maus médicos... imagine-se só se a nota não contasse e entrassem no curso alunos maus só porque são muito simpáticos e têm jeitinho para os doentes... grande parte deles sem capacidade de trabalho porque nem sequer capacidade de estudo tiveram para ficar com boas notas e médias!! Livrem-nos desse tipo de médicos!!!

Johny disse...

Caro(a),

Permita-me uma correcção..."não devem ser SÓ as notas a contar"..Pese embora eu julgue que este esclarecimento não seria necessário...
Primeiro, um tom agressivo e despropositado ao assunto, sem uma visão global da situação, e sem um comentário criticamente construtivo...Diga, têm alguma coisa contra os profissionais da medicina, sejam eles novos ou velhos?
Segundo, o senhor(a) porventura sabe qual é a diferença das notas nos cerca de três milhares de alunos quer todos so anos se candidatam ao curso de medicina? POrventura não viu recentemente uma entrevista na RTP sobre um jovem que se sentia injustiçado por não ter acedido ao curso com uma média de 18.13? Isto significa que existem muitos alunos com médias elevadas(18,...) que não acederam porque simplesmente não havia lugar...Porque de 2500-3000, acedem cerca de 1300....
Terceiro, acha que todos os alunos com boas notas de Portugal, só porque temn as melhores notas devem vir para medicina? Mesmo que não tenham "Jeitinho nenhum para trabalhar em grupo e falar com as pessoas", como o senhor argumenta? Não, só porque teve média de 19,54 virá a ser um bom médico!! Apesar de detestar falar com as pessoas e não ligar nenhuma ao trabalho em equipa...(porque ainda persevera na mentalidade familiar de muitos portugueses, que ser médico é que é bom...então toca a convencer o filhinho, através de uma proto-lavagem cerebral que dura uma infância, a seguir essa carreira...Isto é o que mais se vê)
Quarto, para sua informação, há alunos que estudam muitos e outros que estudam menos (depende do tipo de capacidades de cada um), por isso, não tenha pena deles...Tenha pena é de si, se se dirigir com essa atitude a alguém menos tolerante...
Quinto, se perceber de medicina, o senhor(a) percebe que ser médico não é como ser engenheiro, olhar para números, fazer cálculos e pis-pás...Assunto resolvido!! Não é apenas isso, é isso junto com uma boa dose de Humanidade, uma boa capacidade de comunicação, ser organizado, justo, atento e com capacidade de sacrifício, entre outras muitas coisas...
Sexto, não acha que de entre todos os candidatos, poderia haver alguns com menos uma ou duas décimas que fossem mais vocacionados para esta área? A maioria dos indivíduos que entra em medicina, ou tem familiares que dão umas luzes sobre o ofício, ou então o jovem não sabe o que o espera...Apenas aquela ideia que perdura do João Semana, ou do senhor rico lá da aldeia a quem toda a gente pede favores...Mas o que é trabalhar como médico...Nem um lampejo!
É por este motivo que há poucos anos tentaram implantar o método de entrevista ou similar (teste psicotécnico) nos indivíduos com média superior a 14 que quisessem aceder a medicina, para ter um peso na nota final...este método encravou na secretaria... Mas é isto que eu defendo quando digo que SÓ as notas não devem contar!! Há mais parâmetros a ter em linha de conta, que poderiam seleccionar melhor os profissionais para esta área, do que simplesmente as notas!!
É por essas e por outras que depois se queixam dos médicos...Há alguns muitos que andam por aí, mas que gostavam de estar a fazer outra coisa...OBVIAMENTE que não se tornam os melhores profissionais...E isto está mais do que comprovado!!
A multinacional Accenture está a descobrir a galinha dos ovos de ouro..Vai a uma empresa, testa e avalia os profissionais e põe-nos a fazer aquilo que eles mais gostam...Obviamente que as empresas atingem muito melhores resultados!! é necessário esperar mais trinta anos para que Portugal, alheio ao que se passa no resto do mundo, perceba isto?
Apenas um senão...Emperra muito nas secretarias...E Portugal assim vai tropeçando até ao fundo das tabelas!! E isso não o pasma?? Não, deve ser aceitável....