domingo, novembro 06, 2005

Paixão, Amor e Sexo*

Frases retiradas do Diário de Coimbra, de 6 de Novembro, num artigo assinado por Ana Margalho, sobre as XXIII Jornadas de Estudos de Reprodução:

"Todo o amor tem um principio, uma continuidade e um fim, nem que este final signifique o início de um novo amor."

"O amor à primeira vista só pode ser sexo."

"... as pessoas procuram uma relação especial, mais do que um companheiro especial."

"Vivemos no tempo da «monogamia seriada». Mais do que mantermos um amor para o resto da vida, somos fiéis a «um amor de cada vez»."

"«O casamento dura enquanto há amor», logo, «a falta dele é razão suficiente para o divórcio» e para encontrar outra pessoa para amar."

"«Não nos podemos esquecer que, quando escolhemos uma mulher ou um homem, desprezamos um bilião de outras mulheres ou de homens."

"Allen Gomes não acredita muito no conceito de almas gémeas. «Parecem amores combinados por computador»."

"... homens e mulheres têm tendência natural em atrair-se por homens e mulheres enigmáticas e a paixão ou o amor têm tendência a desvanecer-se sempre que o outro passa a ser uma pessoa conhecida."

"A maioria das pessoas falar de amor e tem medo de falar de sexo."

"O homem, quando casa, perde uma das suas grandes virtudes: a sedução."

"Quando casa, é como se tomasse posse e, a partir daí, a sua sexualidade deixa de estar associada à sedução, mas à sua própria satisfação."

"Cada vez mais as pessoas que recorrem a sites de Internet para conhecer novas pessoas ... As pessoas não estão totalmente satisfeitas com as suas escolhas. Procuram algo que não encontram. Já não é a pessoa especial, é a relação especial. Neste momento a relação é mais importante do que a pessoa."

* Título de um livro de Francisco Allen Gomes, psiquiatra e sexólogo.

7 comentários:

ABS disse...

Recomendo vivamente a leitura do livro que dá título ao post. Um conjunto de textos equilibrados, bonitos e bem humorados, que podem ensinar muito a quem os lê.

Anónimo disse...

Nunca li tantas frases com tantas vacuidades/ e repletas de tão grandes disparates./ Vejo oceanos de banalidades/ onde outros vêem falsas verdades.

Faça-nos um favor MEMI, leia o livro e não transcreva citações.

Um seu amigo.

José Manuel Cabral disse...

Pelo, contrário. O Allen Gomes, sabe do que escreve. Não peretence aquele grupo que escreve sempre o mesmo durante toda a vida. Adapta-se aos tempos. Nunca ouviu dizer "mudam-se os tempos, mudam-se as vontades..."?

ABS disse...

Caro anónimo, creio que não leu bem o post. O MEMI não cita o livro. Transcreve fragmentos jornalísticos (?) de uma notícia sobre umas Jornadas. O título do livro serve apenas de leitmotiv.
E concordo consigo. É uma fiada de lugares-comuns. Mas não são do livro.

Medico Explica disse...

Exactamente por serem "lugares-comuns" é que a jornalista os decidiu escrever na sua notícia para um público comum. O mesmo fiz para o público comum deste blog. Mas atenção, apesar de ainda não ter lido o livro, estes "lugares" ditos comuns, são a realidade que muitos não querem aceitar.

T. disse...

De facto, o livro merece umas horas de leitura e outras tantas de reflexão.

[...]
Inútil seguir vizinhos,
querer ser depois ou ser antes.
Cada um é seus caminhos.
Onde Sancho vê moinhos
D. Quixote vê gigantes.

Vê Moinhos? São moinhos
Vê Gigantes? São gigantes.

António Gedeão

Cláudia Morais disse...

Encontrei hoje o blog e adorei. Parabéns.
Cláudia Morais