terça-feira, novembro 08, 2005

Porque Alguns Nos Criticam Com Tanto "Ódio"?

A culpa não é deles!

É do desenvolvimento social (valores) desfasado do desenvolvimento tecnológico. E neste pormenor, os valores do social à frente das descobertas da técnica

Neste post do blogue Cobre & Canela está tudo explicado numa linguagem acessível. Aconselho a sua leitura a médicos e não médicos.

Um excerto:

"... me parecem prender-se basicamente com o problema do paternalismo/divinização da medicina, efeito secundário da evolução científica e tecnológica que acredito não ter sido desejado nem por médicos nem por pacientes, mas que é uma realidade, a qual, para bem de todos, deve ser combatida.

Se recuarmos no tempo, encontramos uma realidade diferente: os médicos eram respeitados, mas não eram divinizados. Eram vistos como alguém que aliviava, não como alguém que salvava. Os milagres pertenciam ao foro da religião, e em caso de doença, o médico era o amigo que dava a mão, que aliviava a dor física, mas era ao padre e a Deus (não interessa qual) que se pedia o milagre da cura e da salvação.

Com a evolução tecnológica e do conhecimento científico ao nível do funcionamento do organismo humano, os médicos passaram a curar e a salvar para além de aliviar. E deu-se o processo de transferência dos supostos poderes divinos de Deus para o médico.

Existe hoje o mito de que a ciência médica está muito mais avançada do que na realidade está, de que os meios auxiliares de diagnostico são capazes de diagnosticar tudo sem margem de erro e que as intervenções médicas, hoje apoiadas por ferramentas e equipamentos sofisticados são 100% eficazes e eficientes.

Tudo mito, tudo ilusão"!

3 comentários:

Anónimo disse...

Estou plenamente de acordo...mas ha casos imcpreensiveis que são uma autentica ofensa à inteligencia dos utentes. Esta situação passou-se comigo: Vou com o meu miudo de 6 anos ao SAP porque tinha umas manchas vermelhas pelo corpo, percebia-se que não eram vulgares borbulhas e não havia febre. Foi-me dito pela médica de serviço que aquilo eram mordidelas de pulgas e que deveria desparasitar a cama. Perante a quantidade de manchas existentes no corpo, a cama da pobre criança teria que estar pejada de pulgas, mas até a olho nu se percebia que não existiam sinais de mordedura no centro das manchas. É evidente que perante isto um homme passa-se e a unica argomentação que encontra é a dos punhos. Em abstracto, paciencia para a falta de respeito e para o desinteresse,tem limites e no caso da saúde esses limites são mais apertados.

Raúl R Boldão disse...

Porque é que acha que os índices de violência contra os médicos dispararam? Aqui, é pela violência, nos EUA, por ex., andam sempre com uma legião de advogados de acusação atrás à espera de um erro médico... Quando descobrirem esta "mina" em Portugal...
Apesar de tuddo atenção...! O erro é inerente à condição humana... o desrespeito e a prepotência não!

Anónimo disse...

Não podia estar mais de acordo e sou muito sensivel á angustia de quem, por limitações de ordem diversa constatou que errou, e essa é merecedora da minha compreensão e até solidariedade.
São os prepotentes e os negligentes que me tiram do sério e por vezes nos fazem entrar em injustas generalizações.
O meu obrigado aos que, como eu, gosta de ser profissinais.
Fora de contexto, ou não, vejam o serviço de urgência.
J nunes