terça-feira, agosto 31, 2004

Hoje

Hoje vou jantar com um amigo portador de doença de Crohn.
Um amigo bloguista.
Tem a doença de Crohn, que é dele e de mais ninguém.
A doença convive com ele, nem dela se aproveita, nem por ela se deixa vencer.

Hoje vou jantar caril de frango, com o meu amigo que tem doença de Crohn, eu sei, mas muitos dos outros amigos não sabem, nem vão saber.

A piedade não se conquista, não se procura.
O afecto recebe-se sem pedir, o afecto bebe-se, o afecto não se compra.

Eu sei que o meu amigo está solidário com todas as pessoas oprimidas deste mundo.

Hoje fui assediado.
A doente não tinha doença de Crohn.
Tinha outras patologias crónicas.
Enquanto a consultava, tocou-me várias vezes, um toque singelo, ao de leve, sem malícia, mas voluntário.
Ora na mão, ora no braço nú, ora outra vez na mão, ora com a desculpa de uma tontura.
Não a repreendi. Tinha necessidade de afecto. Estava carente.
Estávamos quatro pessoas no consultório.
Só eu tive noção do assédio. Nada fiz. Tive piedade.

A doente tinha 75 anos.

3 comentários:

Álvaro Míchkim disse...

Estava pesquisando sobre dermatite seborréica quando descobri este blog site. Gostei. Esta poesia achei legal e sincera... embora eu não saiba o que é essa doença nela citada. Então tá, abraços.
Álvaro Míchkim, de Rio Claro-SP

Aline Alves disse...

de uma abordagem tao singela que chega a ser palpável...
me pego lendo todo o blog...e me perdendo nas entrelinhas...

Filipa R disse...

Boa tarde,
Andava eu em pesquisas e por acaso vim aqui parar... o titulo é curioso!
Incrível a forma como aborda certos temas e incríveis tb certas descrições suas do que é o verdadeiro sistema de saúde que temos! Precisamos de mais médicos com as suas capacidades, os meus parabens!


Cump
Filipa R